'Hipnotizador' britânico é condenado por molestar menina de 7 anos

O 'hipnotizador' Martin Smith. (Foto: PA)

Um britânico acusado de ter tentado hipnotizar uma menina de sete anos antes de abusar sexualmente dela foi condenado por um tribunal de Manchester, no norte da Inglaterra.

Martin Smith, de 45 anos, havia sido extraditado da Espanha neste ano para responder ao processo por 13 acusações de abuso sexual contra a garota.

Segundo os promotores, Smith tentou hipnotizar, bateu e ameaçou sua vítima – uma menina com quem ele tinha contato regular, mas que não pode ser identificada – durante um período de nove anos, de 1995 a 2004.

O caso ganhou repercussão no país por causa do assassinato dos dois filhos de Smith em um hotel espanhol quando ele estava preso aguardando a análise do pedido de extradição.

Rebecca, de cinco anos, e Daniel, de 11 meses, foram asfixiados com um saco plástico. A mãe das crianças, Lianne Smith, de 44 anos, está presa em Girona, perto de Barcelona, aguardando julgamento pelos assassinatos.

Martin Smith também havia aparecido em programas de TV britânicos para investigar, na condição de médium, ocorrências paranormais e supostas aparições de fantasmas em uma cidade do país em 2007.

‘Abuso sistemático’
Durante o julgamento por estupro e abuso sexual, a promotora Hilary Manley disse que o abuso sexual da vítima foi ‘sistemático e prolongado’.

Inicialmente, Smith teria forçado a menina, então com sete anos, a tocar suas partes íntimas e teria feito o mesmo com ela. Ainda segundo a acusação, ele teria se tornado cada vez mais violento, agindo de maneira ‘dominadora e ameaçadora’ e até usando hipnose para convencê-la a fazer o que ele queria.

‘Ele tentava hipnotizá-la, apesar de que ela simplesmente fingia estar sob influência da hipnose’, disse Manley.

No fim, Smith teria desistido de hipnotizar a menina e a partir dos 13 anos de idade, ela teria sido estuprada repetidamente por ele e ‘aceitava com resignação’ a violência, segundo as declarações feitas no tribunal.

Em 2007, a suposta vítima teria finalmente ‘se sentido forte o suficiente’ para denunciar o abuso à polícia e Smith foi preso em novembro do mesmo ano.

Ele negou as acusações e foi libertado sob fiança, viajando em seguida para a Espanha com a família.

No dia 7 de maio deste ano, Smith foi preso em Barcelona e extraditado. Cerca de duas semanas depois, os corpos de seus filhos foram encontrados em um hotel de Lloret de Mar, na Costa Brava.

Da BBC

Deixe seu comentário aqui: