Moradores do Maicá acusam Quilombolas de assassinato

Pescador Pedro Paulo

Moradores da Comunidade de Bom Jardim, localizada as margens do Lago do Maicá, realizaram uma manifestação na manhã da última segunda-feira, 27, em frente ao prédio da 16ª Seccional de Polícia Civil, em Santarém. Portando faixas e cartazes, os comunitários cobraram junto às autoridades policiais justiça em relação ao assassinato do pescador Pedro Paulo Nogueira, conhecido como “Marcelo”.
O crime aconteceu na madrugada do dia 23 deste mês, no momento em que Pedro Paulo pescava no Lago do Maicá. Ele foi atingido com um tiro na perna e, após ser levado para o Pronto Socorro Municipal (PSM), não resistiu ao ferimento e morreu minutos depois do ocorrido. Moradores das redondezas do Lago do Maicá acusam os remanescentes de quilombo de provocar terror naquela área, com fiscalizações irregulares junto às pessoas que procuram o manancial para pescar.
De acordo com o delegado Edinaldo Sousa, uma equipe de investigadores da 16ª Seccional se dirigiu na manhã de segunda-feira para a Comunidade de Bom Jardim com o intuito de investigar o crime. Para o Delegado, cabe à Associação de Moradores de Bom Jardim apontar para a Polícia Civil o autor do disparo que vitimou o pescador. “Estamos investigando, mas a associação de moradores é que tem que apontar o autor do crime”, exclamou Dr. Edinaldo.

Comunitários foram à Delegacia de Polícia e pediram prisão dos assassinos do pescador Pedro Paulo

O pescador José Nogueira, pai da vítima, denuncia que a presença de pessoas armadas na área do Lago do Maicá, nos últimos meses se tornou freqüente. O pescador afirma que os “fiscalizadores” proíbem as pessoas de permanecer no Lago, além de andarem com armas de fogo em punho.
Já a mãe de “Marcelo”, a doméstica Creuza Nogueira, conta que seu filho vivia para o trabalho e, que não tinha nenhum tipo de intriga com ninguém.
Algumas pessoas que estavam presente da Delegacia de Polícia Civil disseram que remanescentes quilombolas estão impondo a própria lei naquela área, ou seja, andam armados e não querem que ninguém pesque no Lago. Se nada for feito pelas autoridades, mais crimes vão acontecer na região do Maicá, pois os moradores estão revoltados e vão começar a fazer justiça com as próprias mãos.
Reativação de PM Box – A violência praticada por vândalos nos últimos meses levou os moradores do bairro do Maicá, localizado na periferia de Santarém, a reivindicar junto ao Comando de Policiamento Regional I (CPR-I) a reativação do PM Boxe daquele local. Representantes da Associação de Moradores do Bairro Maicá informaram que no último final de semana foi realizada uma assembléia geral na comunidade com a proposta de se buscar soluções junto aos órgãos de segurança do Município, para combater a criminalidade. De acordo com o presidente da Associação de Moradores, Josivaldo Pereira, o PMBOX que foi construído no bairro está abandonado desde que o projeto para combater a violência no Estado foi considerado ultrapassado pelo alto comando da Polícia Militar, o que contribuiu para o aumento da violência. A Assessoria de Comunicação do CPR-I informou que no momento não existe projetos para a reativação dos PM Box’s e, que a proposta para o retorno das referidas bases policiais surgiu com a posse do Coronel Godinho, no comando da PM, em Santarém. Porém, segundo o CPR-I, o Coronel Solano, que irá tomar posse como comandante-geral da Polícia Militar no Pará, no dia 1º de janeiro, é quem vai decidir se o projeto dos PM Box’s será reativado.
Polícia controla venda de bebidas alcoólicas em Curuá – Um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado durante uma reunião realizada no último final de semana entre a o delegado da Polícia Civil de Óbidos, Dr. Elinelson de Oliveira Silva, a promotora do Ministério Público Estadual (MPE), Maria Raimunda Tavares e proprietários de bares, casas de festas, restaurantes, dentre outros estabelecimentos similares resultou na restrição de horários para venda de bebidas alcoólicas e contenção de poluição sonora, na Cidade de Curuá, Oeste do Pará.
O TAC determinou ainda horários para entrada e permanência de adolescentes nos referidos locais. O encontro entre as autoridades teve como objetivo adotar medidas pra garantir o respeito aos direitos das crianças e adolescentes, assim como a segurança e a saúde pública dos moradores locais.
De acordo com o delegado Elinelson Silva, o mais importante dos compromissos firmados entre as partes, foi a venda e ingestão de bebida alcoólica em bares, restaurantes e demais estabelecimentos, que será permitida apenas em dias úteis, de segunda a sábado, de 7h à meia-noite. Já aos domingos e feriados, a venda está restrita de 7h às 22hs, em locais como boates, clubes e casas de festas, em que estiverem ocorrendo eventos festivos.
Por: Manoel Cardoso

Um comentário em “Moradores do Maicá acusam Quilombolas de assassinato

  • 31 de dezembro de 2010 em 08:33
    Permalink

    È o que da,dando moral para os quilombolas,se acham o tal,tem que pegar esse bando de vagabundo e meter na cadeia,é a mesma coisa que estão fazendo com os indios e os menores de idade,dão regalias e os mesmos que estão aterrorizando o paìs.Vamos parar de dar regalias,lei tem que servir para todos,eita paiszinho sem vergonha…….

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *