Mundo não consegue produzir número necessário de camisinhas

Centrada no acesso da população a medicamentos para controlar o vírus HIV, a luta contra a Aids enfrenta agora outro desafio: a incapacidade mundial de produzir a quantidade necessária de preservativos, afirma o representante da Unaids (Programa das Nações Unidas para Aids), Pedro Chequer.

– Não há camisinhas para todos.

Pelos cálculos da Unaids, se metade da população de 15 a 49 anos usasse camisinha uma vez por semana, seriam necessários 42,250 bilhões de preservativos por ano – quantia 2,7 vezes maior do que a produção mundial, de 15,35 bilhões anuais.

– É uma discussão que não podemos mais adiar.

A dificuldade de governos para aquisição do produto já começa a ser sentida. Quando licitações envolvem grande quantidade de preservativos, há um número menor de empresas capacitadas para a disputa. O diretor da unidade de prevenção do Ministério da Saúde, Ivo Brito, afirma que o Brasil não enfrenta problemas para aquisição. Mas conta que o governo recusou a venda para países vizinhos interessados em comprar preservativos produzidos em Xapuri, no Acre.

A fábrica de Xapuri, embora considerada um marco, está longe de atender às necessidades do país. A unidade usa como matéria-prima borracha fornecida por seringueiros do Acre.

– Esse formato não permite aumentar muito a escala da produção. Atualmente, a unidade fabrica 100 milhões de unidades por ano. Há potencial para que essa quantidade seja duplicada.

O problema é que, com elevação da procura e queda da oferta, a camisinha poderá ficar mais cara.

– Já é hora de se investir em fábricas no mundo. Uma eventual dificuldade de acesso poderia colocar em risco todo trabalho de convencimento para uso de preservativos.

Agênica do Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *