Defesa Civil em estado de alerta no Pará

Destelhamento de casas, quedas de árvores, ruas que transbordam. Esse cenário de caos, provocado pelas chuvas já é realidade em Belém e no Estado. Por essa razão, a Defesa Civil está em alerta e garante que também está de prontidão para atender a todos. O órgão informou que o trabalho preventivo e de monitoramento de áreas críticas, onde geralmente ocorrem alagamentos, iniciou bem antes do período das chuvas. Em Belém, a Defesa Civil do Município, fez um mapeamento de pontos alagados em novembro do ano passado e ficou constatado que o número de áreas de risco de alagamento aumentou: passou de 45 pontos para 48. “Fomos até esses locais e orientamos os moradores sobre o que eles devem fazer no momento das chuvas”, explica o diretor da Defesa Civil, Mário Chermont.

Ele diz ainda que a ocorrência mais comum em Belém, nessa época do ano, tem sido o destelhamento de casas devido a fortes ventanias. “Só nesta semana, já tivemos muitas ocorrências desse tipo. Alertamos que as pessoas sempre procurem se abrigar em locais seguros quando essas ventanias começarem”.

No Estado, a ocorrência de chuvas fortes também já é grande. Na última quinta-feira, em Marabá, várias ruas transbordaram e ficaram alagadas após dez horas de chuva. Em 2009, o Pará sofreu com as fortes chuvas, que afetaram 65 mil famílias e deixaram 89 municípios em situação de emergência.

Para esse inverno, a Defesa Civil do Estado afirma que está ainda mais preparada e desempenhada para evitar prejuízos à população. “Estamos com um plano de contingência para agir em duas situações: chuvas fortes e enchentes”, afirma o Major Augusto Lima, da Defesa Civil do Estado.

Segundo ele, uma das questões que mais preocupam no inverno é o nível dos rios paraenses, que costuma subir acima da média. “Já recebemos a informação de que o rio que corta a cidade de Marabá irá atingir esse ano a marca de 10 metros. Por isso, já estamos em alerta”.

No Oeste do Pará, o que preocupa a Defesa Civil, são as enchentes. “As enchentes já estão se formando e podem causar grandes estragos. Fizemos o levantamento de áreas de riscos e estamos prontos para agir caso seja necessário desalojar as famílias”, ressalta o major. Ele diz ainda que a preocupação básica do órgão no Estado é a subsistência das famílias, em seguida, vem a questão das doenças causadas pelas chuvas.

DICAS IMPORTANTES

Evitar o contato da água vinda dos alagamentos com a pele

Evitar contato de alimentos com água vinda dos alagamentos

Evitar transitar por vias alagadas

Ao apresentar sintomas como náuseas, vômitos e diarreia, procurar o posto mais próximo.

Evitar o contato de eletrodomésticos com a água da chuva

Ao sair da casa desligar a chave geral de energia

Evitar jogar lixo na rua e nos canais (observar os horários de recolhimento de lixo)

O que fazer se for prejudicado pela chuva:

Acionar o CIOP – 190

Acionar a Defesa Civil pelos telefones: 3242-5332/3283- 4100 / 8733.2922 (Plantão – falar com Rosário)

Algumas áreas mais críticas em Belém:

Pariquis com Alcindo Cacela

Quintino (canal)

Fernando Guilhon

Augusto Montenegro

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *