Santareno faz sucesso na Rede Globo da Bahia

Mauro Anchieta, santareno, jornalista e repórter da Rede Globo

Mauro Anchieta é santareno, jornalista e repórter da Rede Globo, atuando na TV Bahia, está constante no Jornal Nacional com excelentes reportagens. Confira a entrevista exclusiva concedida à nossa reportagem:

Jornal O Impacto: Conte-nos sobre sua trajetória jornalística?
Mauro Anchieta:
Já são vinte e um anos de caminhada. Eu me formei em jornalismo em 1990, na Unaerp (Universidade de Ribeirão Preto – SP) e logo ingressei como estagiário na EPTV, emissora da Rede Globo em Ribeirão. Não demorei a ir para a reportagem. Sempre fui fascinado pelo trabalho na rua, na linha de frente. Permaneci no interior paulista até 2000, quando me transferi para Salvador. Em 2004, atendendo a um convite da Rede Globo, fui para Maceió, como correspondente do Jornal Nacional. Após quatro anos, fui chamado de volta pela TV Bahia para integrar o núcleo de repórteres de Rede.

Jornal O Impacto: Nestes últimos anos muito se discutiu sobre a obrigatoriedade ou não do diploma de jornalista para exercer a profissão. O que você acha disso?
Mauro Anchieta:
A Faculdade, por si só, não basta para formar um bom jornalista. O talento é o requisito número um. Mas continuo achando que os profissionais da área necessitam de formação específica. Nossa responsabilidade social é enorme e não deve ser negligenciada, sobretudo, do ponto de vista ético. A Rede Globo dá preferência para profissionais oriundos das universidades. Voltando ou não a obrigatoriedade do diploma, penso que o ensino de jornalismo no Brasil precisa passar por uma profunda revisão. Muitas faculdades são meras fábricas de diplomas.

Jornal O Impacto: Como você vê a questão do site Wikileaks que divulgou várias informações na Internet, inclusive uma, ao comparar o Estado do Pará como “faroeste”, “terra sem lei”?
Mauro Anchieta:
Para nós, paraenses, é claro que soou ofensivo. Mas é razoável admitir que, pelo menos em relação a algumas ações do Estado, as informações vazadas pelo site não estavam distantes da verdade, e isso precisa mudar. No entanto, não dá para generalizar. Chamar o Pará de “terra sem lei” é um exagero. O pior é que, vindo dos americanos, soou até irônico. Eles são uma sociedade armada até os dentes que acha normal manter rifles e pistolas no porão. Será que o faroeste é aqui?

Jornal O Impacto: Sobre a imprensa brasileira, qual um nome jornalístico quem vem se destacando no meio das Comunicações?
Mauro Anchieta:
Tem muita gente boa. Para não abrir tanto o leque, vou falar sobre gente da minha área. Me refiro a veteranos repórteres de TV que continuam sendo referência, como o Ernesto Paglia, o Marcos Uchoa e a Sandra Moreira, todos com um texto primoroso e extremo bom gosto. O jornalismo policial do meu amigo Maurício Ferraz, do Fantástico, é vigoroso, assim como o trabalho do Eduardo Faustini, repórter investigativo também do Fantástico. Gosto ainda do estilo do José Raimundo e do Giácomo Mancini, com quem tenho o privilégio de trocar figurinhas na TV Bahia.

Jornal O Impacto: Qual a mensagem que você deixa aos acadêmicos de jornalismo e aos jornalistas santarenos?
Mauro Anchieta:
Estou há quase 30 anos longe de Santarém e não sou a pessoa mais indicada para falar sobre a imprensa local. Conheço pouco. Mas, torço para que os jornalistas egressos das faculdades aí consigam dar conta do desafio de tornar a imprensa da terra cada vez mais profissional, com o apoio da turma mais antiga. É preciso estar em sintonia com o que se faz nos grandes centros do País. Buscar o melhor tem que ser a meta sempre. Santarém merece.

Jornal O Impacto: Bate bola – Família:
Mauro Anchieta: Se existe algo mais importante, ainda não conheço.

Jornal O Impacto: Fé:
Mauro Anchieta: Sou católico.

Jornal O Impacto: Ética:
Mauro Anchieta: Imprescindível

Jornal O Impacto: Poder:
Mauro Anchieta: Seria maravilhoso ter poderes para ajudar este mundo a fazer mais sentido, o que só vai acontecer quando a injustiça social for varrida do planeta.

Jornal O Impacto: Mauro Anchieta x Mauro Anchieta:
Mauro Anchieta: Uma pessoa que vive em paz com a família e o trabalho. Para mim, é mais que suficiente.

Por: Jorge Serique

Um comentário em “Santareno faz sucesso na Rede Globo da Bahia

  • 16 de Janeiro de 2011 em 18:55
    Permalink

    Jorginho, o mérito é cem por cento seu dessa maravilhosa entrevista.
    Vc merece voos altissimos!
    Beijinhos.

    Resposta
  • 15 de Janeiro de 2011 em 18:42
    Permalink

    Olá
    Gostaria de esclarecer ao amigo Carlos Valente que nasci, na verdade, em Belém. Fui para Alenquer recém nascido e lá vivi até os 3 anos. Meu pai era funcionário do Basa naquela cidade, pela qual temos enorme apreço e onde minha família deixou amigos muito queridos. Como passei praticamente toda a infância e parte da adolescência em Santarém, me considero santareno.
    Obrigado pelo carinho.
    Abraço fraternal a todos.

    Resposta
  • 15 de Janeiro de 2011 em 10:33
    Permalink

    Ms o Mauro foi criado em Santarém. Seja em Alenquer ou Santarém é um dos nossos que faz sucesso e quando falamos com ele sempre fala que Santarém é o coração dele.
    abs

    Resposta
  • 14 de Janeiro de 2011 em 14:26
    Permalink

    Jorge Serique, na verdade o Mauro nasceu em Alenquer quando o seu pai era sub gerente do Bancoa Da Amazônia.
    Os seus pais Sr. Licurgo e Sra Marli são de Santarém, mas o Mauro nasceu em Alenquer.

    Resposta
  • 14 de Janeiro de 2011 em 11:40
    Permalink

    Jorge, vc é o cara! Parabéns pela entrevista e descobridor de talentos. Seu nome já é sucesso e além de ser ótimo jornalista e professor. Mande mais p nós que estamos ausentes de Santarém e temos fome de boas notícias de nossa terra, Santarém!

    Resposta
  • 14 de Janeiro de 2011 em 10:00
    Permalink

    Gol de placa, Jorge! Descubra mais talentos santarenos pelo mundo todo! Sei que há muitos!!!

    Resposta
  • 14 de Janeiro de 2011 em 09:51
    Permalink

    Parabéns pela maravilhosa entrevista muito bem conduzida pelo professor Jorge Serique e descobrindo os talentos santareno pelo país afora. Sucesso, Jorge!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *