Ufra aposta na inovação tecnológica

Rede paraense de inovação fortalece a produção de conhecimento (Foto: Divulgação)

Identificar o potencial inovador, difundir a cultura inventiva e de proteção da propriedade intelectual dos processos e produtos originados de pesquisas científicas e de extensão na graduação ou na pós-graduação. Esse é o objetivo principal do Núcleo de Inovação e Transferência Tecnológica- NIT, que começou a funcionar desde 18 de novembro de 2010 na Universidade Federal Rural da Amazônia, Ufra.

A produção de conhecimento e a inovação tecnológica ganharam um espaço importante na sociedade, sendo responsáveis pelo crescimento das políticas de desenvolvimento em diversos países. Desta forma o conhecimento passou a ser essencial para aumentar a qualidade de vida das pessoas.

O Núcleo de Inovação Tecnológica é definido na Lei de Inovação (2004) como sendo o órgão constituído por uma ou mais instituição científica e tecnológica, com a finalidade de gerir sua política de inovação. O maior desafio nessa empreitada é integrar-se à comunidade e contribuir para o desenvolvimento cultural, tecnológico e social do País.

O NIT da Ufra é coordenado pela Professora Ruth Almeida, do Instituto de Socioambiental e dos Recursos Hídricos (ISARH) da instituição e funciona nas dependências da universidade integrado às ações da Pró-Reitoria de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (Proped), na área administrativa e financeira. Fará o intercâmbio de experiências e desenvolverá projetos em conjunto com a Rede NIT Amazônia Oriental e outras redes similares.

Contará ainda com a criação e manutenção de um site com base de dados online de produtos, processos e serviços da Ufra na área de inovação, proteção ao conhecimento e transferências tecnológicas, e funcionará como gerenciador de negócios com o setor público e privado em atividades voltadas para a inovação e a pesquisa cientifica e tecnológica.

Desde 2008 a Ufra faz parte da Rede NIT- Pará (coordenada pelo Museu Paraense Emílio Goeldi), que foi criada com o objetivo discutir conhecimentos e transferência tecnológica e agregá-los à diferentes instituições no Estado do Pará. A representação da universidade se dava através de sua Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Sociais (ITES/Ufra) e de sua Empresa (ITRA).

“Em termos ambientais, o núcleo possibilitará a maximização da preservação dos produtos florestais, sejam eles madeireiros ou não, a partir da utilização sustentável de seus recursos” diz Ruth sobre uma das importantes contribuições do trabalho do NIT da Ufra.

Uma das funções públicas de uma universidade é a pesquisa e a sua divulgação, assim existe a necessidade de proteger o conhecimento produzido. A ciência e a pesquisa são peças chaves para o progresso econômico e social. Trocando em miúdos, o avanço tecnológico representa a diferença entre países dominantes e dominados.

(Diário do Pará)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *