Teatro Vitória desaba no centro de Santarém

Engenheiro Ricardo Sampaio

Uma obra que deveria ser para reestruturação e recuperação de um patrimônio histórico dos mais importantes em Santarém, no Oeste do Pará, desabou no final da tarde de quarta feira, dia 19. Parte da estrutura que estava sendo reedificada veio abaixo, ficando apenas a fachada e parte de uma parede lateral, mesmo assim com risco de vir abaixo.
Fatos – Populares contaram que no final da tarde de quarta feira, foram surpreendidos com um forte barulho vindo do Teatro em construção. Depois que perceberam que as paredes do Teatro estavam caindo, tiveram que se abrigar, com medo que a estrutura viesse a desabar de uma vez, o que infelizmente não aconteceu. Ao final, tudo não passou de um susto, restando apenas o lamento pela perda materal de mais um patrimônio histórico e cultural da cidade, por obra e graça da falta de preservação, que deveria (mas não é), ser mantida pelas chamadas autoridades competentes.
Bombeiros são chamados – Uma guarnição do  Corpo de Bombeiros foi acionada e compareceu ao local, porém, nada pode fazer, a não ser os trabalhos de preservação para evitar novos desabamentos na estrutura do Teatro em obras. O engenheiro da obra, Ricardo Sampaio, esteve presente no local e confirmou que a parede que desabou seria reforçada somente no dia seguinte, na quinta-feira. Sobre as providências que seriam tomadas, ele limitou-se a dizer: “A situação vai ficar como está, porque acabou o expediente e temos que aguardar até amanhã”, nada mais disse, nada lhe foi perguntado.

A parte de trás do Teatro desabou e por pouco trabalhadores não foram atingidos

Era esperado o desabamento, populares atentavam para a falta de ligamentos na estrutura, a falta de cintas, ferragens para sustentar as paredes feitas apenas com tijolos, agora desgastados. Muitos comerciantes e feirantes, estavam precupados, temendo pelo que veio a acontecer, que era o desabamento do prédio histórico. Felizmente não houveram vítimas, pois no momento em que aconteceu o acidente,  no final da tarde, os feirantes que se alojam ao redor do Teatro em obras tinham desarmado suas vendas e se retirado. E agora fica a pergunta: quem vai se responsabilizar pelo desbamento da obra, a empresa construtora que não tomou as devidas preocupações; o Corpo de Bombeiros, que não fez as devidas vistorias na obra ou a Prefeitura ou o CREA, que deveriam fazer a fiscalização na obra? Fato é que do Teatro Vitória restaram apenas a fachada e parte de uma parede semi-destruída e que pode desabar com os fortes ventos da época de chuvas.
MINISTÉRIO PÚBLICO ESCLARECE – Na tarde desta quarta-feira, 19, ocorreu desabamento de parte da parede externa do Teatro Vitória, em Santarém, que está em obras e será todo restaurado pelo Ministério Público do Estado. Não houve vítimas e a empresa responsável pela obra, MD Engenharia, já tomou todas as medidas preventivas para isolar a área.
O Ministério Público do Estado informa que está acompanhando todas as providências tomadas em relação ao ocorrido. O engenheiro responsável pela obra, Ricardo Sampaio, esclarece que desde sábado já estava sendo feito um trabalho preventivo, porém, o desabamento ocorreu antes que o trabalho chegasse à parede afetada.
O fato foi ocasionado pelas chuvas intensas na região, que provocou acúmulo de umidade no rejunte dos tijolos, feitos à época com cal e argila. Os técnicos da obra informam, ainda, que a parede será reconstruída, inclusive com reaproveitamento de parte do material, uma vez que os tijolos permanecem inteiros, estando o problema localizado no rejunte dos mesmos.
O Departamento de Engenharia do Ministério Público do Estado já tomou conhecimento dos fatos e informa que na planilha de licitação já estava previsto o reforço estrutural do prédio, cuja estrutura tem 114 anos. Esclarece, ainda, que o projeto de restauração permanece o mesmo, e que acompanha todas as providências tomadas pela empresa.

Fachada do Teatro Vitória ainda está de pé

Por: Carlos Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *