Por favor, leia…

Por Simone Willers

Durante uma de minhas pesquisas para a faculdade, na internet, mais precisamente na famosa enciclopédia livre, Wikipédia, me chamou atenção o apelo de Jimmy Wales, o fundador do projeto livre Wikipédia, “Por favor leia”, e não foi somente pela ausência da vírgula após o por favor, mas principalmente pelo teor da mensagem que ele posta.

A leitura é essencial, mas sem eficácia é inútil. Deve haver absorção, aprendizado e senso crítico.  O Brasil está deixando de ser um país de analfabetos, literalmente falando, mas cresce a cada dia o número de analfabetos funcionais, os brasileiros não lêem nem dois livros por ano, segundo pesquisas recentes, e o resultado disso é desastroso, a falta do hábito da leitura se reflete em pessoas que não sabem interpretar, falam mal e se expressam pior ainda. Se um país se faz com homens e livros, o Brasil, sem sombra de dúvidas, ainda não tem alicerce.

A população está tão entretida na frente da TV que não percebe que está sendo programada, influenciada todos os dias por comportamentos e idéias que são cuidadosamente implantadas em seus subconscientes. Através de cores, sons e imagens a mídia pode manipular informações, ditar um padrão de moda e beleza e por que não eleger um governante? É uma atividade muito lucrativa, já vender livros…

“Um povo de cordeiros sempre terá um governo de lobos”, diante da máxima de Che Guevara não é difícil entender a falta de investimento na área da educação por parte de nossos governantes, ensinar muita coisa é perigoso aos olhos de quem governa, desperta mentalidades. A educação pública ainda é vista, por seus administradores, mais como despesa do que como um processo de crescimento social. A partir desse ponto questionamos o critério utilizado para as indicações políticas de cargo, que com certeza não funcionam de maneira satisfatória, apenas contribuem para os atuais nichos de corrupção.  Profissionalizar a gestão pública buscando a qualidade técnica de quem vai assumir esses postos seria o primeiro passo para o avanço necessário nesse setor tão importante, mas quem se atreve? Qual político se comprometeria com o interesse público a ponto de abrir mão do cabo eleitoral que rende generosos dividendos políticos?

Causa e conseqüência, ao mesmo tempo, da abstenção e marasmo que atacou a população é o adormecimento político generalizado e não se trata de desnorteio, mas de ignorância simples e pura. Somos moldados desde que nascemos, é o preço por sermos seres sociais, e pagá- lo em prol do respeito aos direitos dos outros é honroso, mas qual o ponto de equilíbrio nessa balança? Quando as necessidades básicas dos cidadãos estão preenchidas de forma satisfatória o conformismo, que incomoda quem ainda consegue enxergá- lo, aumenta. Podemos comprovar quando comparamos o atual momento a períodos de penúria, em que as massas possuíam necessidade de mudar, hoje a sociedade se acalma com futebol, novelas, reality shows e compras. O lema é consumir e querer sempre mais, com exceção, é claro, de cultura.

O maior desafio da sociedade industrial foi eficiência, ou seja, fazer o maior número de coisas no menor tempo. O maior desafio deste mundo novo, onde as máquinas fazem o trabalho físico e os computadores o trabalho mental, é ser criativo e ter idéias. Pouco provável existirem gênios capazes de criar a partir do nada, só conheço UM, aos demais, simples mortais cabe fazer a sua parte: adquirir conhecimento, fazer bom uso do aprendizado, colher os frutos e experimentar o sabor de ser útil, saber conversar sobre qualquer assunto, somar, fazer a diferença e ajudar a transformar a sociedade da informação na sociedade do conhecimento.

Um comentário em “Por favor, leia…

  • 29 de janeiro de 2011 em 16:09
    Permalink

    devemos mudar e ter nossas proprias ideias,porém, o sistema não deixa.

    Resposta
  • 28 de janeiro de 2011 em 21:31
    Permalink

    muito bom esse artigo. parabens simone, vc colocou muito bem as palavras de acordo com a realidade.

    Resposta
  • 28 de janeiro de 2011 em 08:02
    Permalink

    Simone vc tem razão, somos influenciados e acomodados. Precisamos agir, ter ideias proprias. Vc colocou muito bem as palavras. Parabens.

    Resposta
  • 24 de dezembro de 2010 em 09:28
    Permalink

    Simone, concordo com vc, hj as pessoas aguardam ansiosas o Natal com objetivo de gastar com presentes e se exceder na comelança e bebedeiras. Com certeza nao se lembram de Deus e Jesus como realmente deveria lembrar.

    Resposta
  • 24 de dezembro de 2010 em 08:07
    Permalink

    Parabens Simone pelas colocações, pertinente para nossa realidade. Excelente artigo.

    Resposta
  • 3 de dezembro de 2010 em 14:47
    Permalink

    A falta de efetivo, sem dúvida alguma, favorece o contrabando de armas e drogas pela fronteira brasileira, mas mesmo se todos os policiais disponíveis fossem colocados nas fronteiras ainda haveria possibilidade de entrada de drogas e armas por via aérea, afinal são 16 mil Km quadrados de fronteira brasileira. Já existem super projetos que visam a solução para este super problema, só esperamos que não seja super… faturado!!!

    Resposta
  • 3 de dezembro de 2010 em 10:00
    Permalink

    Muito bom seu artigo, mas nao podemos esquecer que nossos governantes deveriam dar uma atenção maior nas fronteiras, onde livremente pessoas compras armamentos pesados e drogas entrando em nosso país com muita facilidade… Cade a polícia nas fronteiras?

    Resposta

Deixe seu comentário aqui: