Pantera perde para o Remo na sua estréia no Parazão

Atacante do Remo comemora gol contra o Pantera

Pra vencer e convencer. O Clube do Remo venceu a equipe do São Raimundo por 3 a 0. O lateral-esquerdo Marlon, o ala-direito Elsinho e o volante San marcaram os gols do jogo. A partida aconteceu na noite de ontem, segunda-feira (24), no Evandro Almeida, o Baenão. A equipe azulina vai buscando tirar o bicampeonato do Paysandu no torneio estadual.

A torcida do Remo estava há quase quatro meses sem ver o seu clube de coração atuar. Por isso, a presença do Fenômeno Azul foi grande no Baenão. A reportagem acompanhou a movimentação dos torcedores, que se espalhavam pelas ruas de Belém em direção a praça esportiva azulina. Iniciava a esperança da torcida azulina para que o Leão conseguisse a conquista do Parazão.

1º TEMPO

Em campo, times que precisavam mostrar a que entraram na competição. Jogadores como Rafael Morisco, Luis André, Elsinho, Jaime e Tiaguinho eram as caras novas pelo Remo. De outro lado, o São Raimundo jogava todo reformulado. A base do time alvinegro era de atletas do Rio de Janeiro. Destaque para a dupla de zaga com Rodolfo Soares e Tiago Júnior, além do atacante César Augusto. Um dos poucos remanescentes de 2010 foi o goleiro Labilá.

Jogadores do Pantera não se encontraram em campo

De início, só deu o Filho da Glória e do Triunfo. Pressão. Labilá não conseguia sair com a bola nos pés dos seus zagueiros, haja vista que o ataque azulino marcava no campo adversário. O grande lance dos primeiros 15 minutos foi um chute certeiro de Tiaguinho. Labilá, seguro, fez uma defesa importante, colocando a bola para cobrança de escanteio.

Demorou, mas o Pantera teve o grande momento com César Augusto, que tocou limpo para Fernandinho chutar para fora. Com 25 minutos, a partida esfriou. O Remo começou a oferecer mais campo para os santarenos e o jogo ficou bastante equilibrado. O garoto Jaime foi pouco acionado. Dos pés de Tiaguinho, mais uma chance desperdiçada.

Paulo Comelli teve que chamar Jaime para uma conversa. O jogador estava mal posicionado e, para completar, os laterais insistiam nas jogadas aéreas. O volume de jogo azulino era maior. Contudo, faltava o gol. O time se ressentia de um ‘finalizador’. Será que Max Jarí, novo contratado apresentado na noite de ontem, pode ser o novo goleador do Leão? E se não aparece um jogador desse nível, os outros resolvem. Marlon, aos 32 minutos, recebeu cruzamento e não titubeou: 1 a 0.

Jogadores do remo festejam mais um gol contra o São Raimundo

Com o gol, o Remo acabou recuando em primazia. Por outro lado, o São Raimundo se jogou no campo de ataque em busca do empate. Nervoso, o setor defensivo azulino acabava fazendo faltas desnecessárias. Comelli também reclamava de algumas infrações não marcadas em favor do Leão pelo árbitro Joelson Silva Santos: azulinos na vantagem no primeiro tempo.

2º TEMPO

Para a segunda metade da partida, os técnicos fizeram mudanças providenciais. Comelli tirou Ramon para fazer a estréia de Mael, ex-Paysandu. Já Sebastião Rocha colocou em campo Dinei no lugar de Evair. Ambos jogadores levaram cartão amarelo no primeiro tempo do embate. Enquanto a mexida do Leão visava evitar uma expulsão, o Pantera queria dar mais movimentação na equipe.

Afoito, o São Raimundo foi para cima, porém, sem perigo. Já Marlon quase faz o seu segundo gol depois de uma cobrança ensaiada de escanteio. O goleiro Labilá era o único a conseguir diminuir o ímpeto do ataque do Remo. Se alguém esperava um crescimento santareno no segundo tempo, se enganou. O time da casa conseguiu continuar com maior posse de bola.

Entretanto, o comandante da equipe interiorana pediu para o time partir para o ataque. A bola parada era o grande perigo do alvinegro. Por pouco Da Silva marca. Léo Rodrigues fez uma das poucas defesas no jogo. Na resposta, o Filho da Glória e do Triunfo perdeu bom lance. O volante Luis André, sempre aparecendo no ataque, errou o gol do Pantera.

E de tanto pressionar, o Remo fez o segundo gols. Elsinho recebeu bom passe de Marlon e marcou o seu, aos 35 minutos: 2 a 0. Entregue, o São Raimundo levou mais um aos 41 minutos com San: 3 a 0.

Ficha Técnica:

Clube do Remo: Léo Rodrigues; Elsinho, Paulo Sérgio, Rafael Morisco e Marlon; Ramon (Mael), San, Luis André e Tiaguinho (Léo Franco); Jaime (Fininho) e Tiago Marabá

Técnico: Paulo Comelli

São Raimundo: Labilá; Sató, Rodolfo Soares, Tiago Júnior e Rafael Vieira; Evair (Dinei), Marcelo Pitbull (Jardel), Tiago Carvalho e Da Silva (Evandro); César Augusto e Fernandinho

Técnico: Sebastião Rocha

Local: Estádio Evandro Almeida (Baenão)

Árbitro: Joelson Silva Santos. Assistente: Diógenes Menezes Serrão e João Paulo Sousa

Renda: R$ 139.578

Público pagante: 10.396 torcedores

Público total: 11.196 espectadores

Cartão amarelo: Dinei e Evair (SRA); Ramon e Tiago Marabá (SRA)

Cartão vermelho: Jardel (SRA)

(Diário do Pará)

Um comentário em “Pantera perde para o Remo na sua estréia no Parazão

  • 25 de janeiro de 2011 em 21:45
    Permalink

    Esse torcedor da Pantera não sabe perder mesmo, ninguém tem culpa; como ele diz se alguns atletas do time dele veio dos Paises que ele cita.Eu particulamente não tenho nada contra qualquer time do interior que participa do PARAZÃO 2011.Se o teu time fosse tão bom tinha subido pra Série B, só porque golearam o Remo 2009 e foram Campeão da Série D, em 2010 a Pantera ñ ganhou do Remo e só ainda tá na Elite este ano, tem que agradecer muito ao time + querido do Norte (Remo), e ao Paysandu, Águia de Marabá, Cametá,Independente. Pra mim dos times do interior o + arrogante é essa Pantera, que dá certo com aquele time do Rio Branco do Acre, é o Estrelão arrogante contra os Times Paraense, e o São Raimundo/PA, quer sempe ser melhor do que Remo e Paysandu.Querendo ou não tu tem que engolir o Re x Pa.

    Resposta
  • 25 de janeiro de 2011 em 09:06
    Permalink

    Se esse é o time que o técnico Sebastião Rocha preparou para ser campeão, a torcida pode parar de se iludir. Vi o jogo pela TV Cultura e o São Raimundo não mostrou nada além de umas jogadas que qualquer peladeiro faz. Minha sugestão é que a diuretoria fique atenta: se o time não vencer o Águia, dispensa o técnico e põe para jogar os atletas locais porque os que vieram do Egito, Vietnã, Iraque, etc, parece que estavam fasendo outra coisa por lá, menos jogando futebol. Perder de 3 a 0 para o time fraco como o do Remo é humilhante.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *