Júri Popular condena mulher a 24 anos de prisão

Os jurados da 10ª Vara Penal condenaram à revelia, a ré foragida Sandra Maria Serra de Sousa, 37 anos, por dois crimes ocorridos no bairro do Uruará, no dia 13/05/2006. O promotor público Rodrigo Aquino Silva sustentou durante a sessão que Sandra teria participado da morte de uma vizinha e baleamento de uma segunda, com as quais tinha problemas por causa de uma antiga relação com o neto da primeira.

Sandra foi julgada em sessão realizada nesta terça-feira (8) por dois crimes: homicídio qualificado contra Francisca Ferreira dos Santos, de 63 anos, e tentativa de homicídio qualificado contra Nelma Ferreira dos Santos.

Após o veredicto dos jurados, o juiz Gérson Marra Gomes aplicou a pena para cada um dos delitos e, por serem crimes continuados, chegou à pena final de 24 anos, 7 meses e 16 dias de reclusão, em regime fechado.

O advogado de defesa Celso Luiz Furtado Silva, anunciou que deve apelar da sentença nos próximos dias.

Gangue familiar – Durante a sessão do júri, as duas testemunhas oculares do fato informaram que a família de dona Francisca vivia sendo ameaçada por Sandra, que mantinha relação com os membros da “Gangue do Igarapé”, atuante no bairro do Uruará e que é formada por vários membros de uma mesma família. O líder da gangue, Luis Carlos Rego Costa, vulgo “Birico”, já havia sido condenado pelo mesmo crime na 4ª Vara Penal, em 2009, tendo assumido sozinho a invasão da residência da vítima e os seis tiros que a mataram, além do outro que atingiu sua filha. O outro acusado de participar do crime, Raimundo Ailton Rego Costa, vulgo “Ata”, havia sido impronunciado (ou seja, as provas não foram suficiente para trazê-lo ao júri popular).

Foragida em Manaus – Sandra chegou a ser presa à época do crime, mas recebeu liberdade provisória tendo em seguida se mudado para Manaus, sem comunicar o juízo. Segundo as testemunhas que depuseram hoje no Tribunal, ela estaria empregada na casa de um magistrado da capital manauara. Sandra continua considerada foragida da Justiça e agora teve sua prisão para cumprimento de pena decretada. Quando for presa iniciará a cumprir a pena imposta. Esta foi a quinta mulher a ser julgada pela 10ª Vara desde sua criação, em setembro de 2009. Na semana que vem, haverá mais um júri onde a principal acusada é uma mulher, que encontra-se presa na penitenciária.

Próximo júri – a 10ª Vara Penal volta a se reunir na próxima quinta-feira (10) para julgar Jean Márcio dos Santos Silva, acusado de tentar matar Raimundo Nonato Silva, durante o arraial de N. S. da Conceição em 2002. Este júri chegou a ser iniciado em outubro do ano passado, mas teve que ser remarcado por causa de uma falha processual.

Fonte: João Ninos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *