Superintendente esclarece sobre morte na Delegacia de Juruti

Superintendente Gilberto Aguiar

Na manhã desta sexta-feira, dia 11, o Delegado Gilberto Aguiar, Superintendente de Polícia Civil na região do Baixo Amazonas, declarou ao RG 15/O Impacto, que segundo foi apurado na Unidade policial do município de Juruti, Oeste do Pará, no momento em que foi feita a retirada das pessoas detidas na noite anterior, para que fossem lavrados os procedimentos policiais de acordo com a infração cometida, foi verificada que quatro pessoas estavam nesse momento do corredor da UP de Juruti, sendo que uma delas, Isaias, conhecido por “Prefeito” estava caído no chão de peito para baixo e com sangramento abundante envolta da cabeça. Verificaram que um elemento estava postado no chão e constatou que ele estava morto. Interrogados os demais, foi apurado que ele fora assassinado por ANTONIO JOSÉ DE OLIVEIRA CORDEIRO, de 25 anos, residente em Juruti e, pelo menor das iniciais E. F. S. “NEGUINHO”, o qual alegou ter 15 anos de idade, motivo pelo qual lhes foi dada voz de prisão e apreensão, respectivamente.

“Neguinho” confessou a prática da infração dizendo que contou com a ajuda de ANTONIO JOSÉ, o qual negou a prática do ilícito. Antes de ser interrogado formalmente, ANTONIO JOSÉ teve ataque epilético, sendo levado para o Hospital Municipal, onde ficou inconsciente por cerca de 24 horas.  O fato se deu entre 23 e 24 horas.

Providências imediatas – Agora deverá ter Instauração pela Superintendência do Inquérito 0045.2011.000001-6, para apurar as responsabilidades dos Servidores lotados no Município de Juruti, com os fatos ocorridos. BO 045-2011-000001-6, Delegado de Polícia Civil, cumprindo determinação dos Exmos. Diretor de Polícia do Interior, Delegado Sílvio Cézar Maués Batista, da Corregedora Geral, Delegada Nilma Maria Nascimento Lima e do Superintendente Regional Gilberto da Conceição Azevedo Aguiar, registra a presente ocorrência com o fim de instaurar procedimento inquisitivo visando apurar as circunstâncias em que ocorreram os fatos narrados no Ofício de número 14/2011-DPCJ, subscrito pelo Delegado de Polícia titular daquele Município, no qual informa acerca da morte do nacional Isaias de Souza, conhecido por “Prefeito”. O crime bárbaro e covarde está sendo apurado pela Corregedoria Regional de Polícia Civil, que tem como titular o DPC Carlos Augusto Mota Lima. Morte do detento pode ter sido esclarecida.

Por: Carlos Cruz

Um comentário em “Superintendente esclarece sobre morte na Delegacia de Juruti

  • 11 de fevereiro de 2011 em 15:33
    Permalink

    O delegado explicou mas não justificou.De quem era a responsabilidade pela vida desse pobre coitado? O Estado?Essa delegacia não tem delegado nem policiais que não viram nem ouviram nada estranho quando a vítima estava sendo assassinada?.OU é porque ele por não ter parentes,ser um mendigo,viver na rua não era considerado ser humano?Que cada um de acordo com seus valores e grau de consciência tire suas próprias conclusões..

    Resposta
  • 11 de fevereiro de 2011 em 15:27
    Permalink

    A emenda saiu pior que o soneto.No minimo ai fica caracterizado in competência,desleixo,omissão e despreparo por parte de quem cuida dessa delegacia.Quer dizer que quem entrar ai preso pode ser morto por outros presos que se trata de uma ação natural?Se a pobre vítima a tivesse familia ou alguém para acionar o estado na justiça ganharia a causa tranqüilamente.O delegado explicou mas não justificou,mas como a vítima a segundo a materia é um zé coitado um mendigo,a incoerência humana acabou de produzir mais um saneamento básico sem maiores conseqüências…O ser humano além da terbura perdeu também a caácidade dce se indignar,q

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *