Promotores explicam afastamento de Valmir Climaco

Objetivando prestarem esclarecimentos à população itaitubense a respeito das causas que levaram o Ministério Público a abrir o processo contra o prefeito Valmir Climaco de Aguiar e posteriormente propor a Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa, bem como o afastamento do Prefeito por 180 dias da administração municipal, os Promotores de Justiça Antonio Manoel Cardoso Dias e Maurim Lameira Vergolino, convocaram a imprensa local, pela qual se reportaram à sociedade sobre as ações ministeriais que ao longo dos meses vêm transcorrendo no Ministério Público.

 

 

Afirmando que quando o MP atua é porque já tem provas concretas, o promotor Antonio Manoel Cardoso Dias informou que na sexta-feira (04) o órgão entrou com uma Ação Civil Pública por atos de improbidade administrativa em decorrência a vários fatos ocorridos em Itaituba. Segundo o Promotor, as reclamações relacionadas à existência de corrupção na Comtri iniciaram ainda no primeiro trimestre de 2010, culminando com o afastamento do ex-diretor José de Arimatéia (Aguiarzinho). No decorrer dos procedimentos que vinham sendo tomados, novas reclamações a respeito de irregularidades chegaram ao MP pelos dirigentes da Comtri, entretanto, os promotores tinham dificuldade de agir pela falta de provas. “Um dos dirigentes da Comtri relatou que o prefeito Valmir Climaco estaria dando ordens ilegais, entre as quais, a não cobrança de determinadas taxas, como é o caso da contribuição sindical dos mototaxistas.

Ainda a respeito da Comtri, o Promotor disse que os denunciantes afirmaram que Valmir Climaco agia diretamente no órgão no âmbito da ilegalidade, ordenando a liberação de veículos que se encontravam apreendidos por estarem circulando de forma ilegal nas ruas da cidade.

Apesar de tudo isso, o MP não tinha até então uma prova concreta dos fatos, o que chegou através da imprensa que publicou a gravação, na qual o prefeito Valmir Climaco ordena ao diretor de circunscrição senhor Edilson Rodrigues, que liberasse os alvarás sem cobrar o comprovante de pagamento da taxa de contribuição sindical dos mototaxistas. Diante das gravações que servem nos autos como prova da atitude criminosa do gestor municipal, imediatamente o Ministério Público entrou com a Ação Civil Pública.

Outro ponto relacionado à ação é quanto a um possível desvio do dinheiro público, através de um processo licitatório, onde o dinheiro pago ao fornecedor é inferior ao valor especificado na nota fiscal, o que caracteriza improbidade administrativa já que a administração municipal não obedeceu as normas pertinentes a aplicação dos recursos públicos.

A Ação impetrada pelo MP se refere, ainda, a lesão ao erário e enriquecimento ilícito na Secretaria de Saúde, onde existem detalhes a respeito das irregularidades como desvio de função, pagamento de salários irregulares, incluindo o nome de um médico que recebia o salário de R$ 8.700,00 para trabalhar apenas uma vez por mês.

Além da ação que agora corre no Poder Judiciário, no Ministério Público já existem diversos procedimentos instaurados baseados em denúncias contundentes que ao entrarem na fase de instrução com a conclusão do acervo probatório, podem resultar em novas ações penais contra Valmir Climaco e demais pessoas envolvidas, entre os quais, constam os procedimentos que geraram inquéritos Civis que apuram as denúncias formuladas pelo Sintepp, que constam entre outras, a ausência de licitações nas construções de escolas e desvio de verbas públicas provenientes do Fundeb, além do que apura as irregularidades de nepotismo e altos salários na Secretaria Municipal de Saúde. Todavia, a ordem para que o Secretário fizesse os procedimentos cirúrgicos em uma cadela no Hospital Municipal, já está incluído na atual Ação Penal.

O Promotor Antonio Manoel disse, ainda, que o pedido cautelar do afastamento do Prefeito se deu em função de alguns servidores do Município que são tidos como testemunhas no processo, estarem se sentindo coagidos por agentes da Prefeitura Municipal a mando de Valmir Climaco. “Tudo isso foi corroborado no sábado (05), quando as mesmas testemunhas dessa ação de improbidade, foram à Delegacia de Polícia relatar que foram coagidas e obrigadas a assinar termos de declarações incriminando os próprios promotores de justiça que estão atuando nas investigações, inclusive desmentindo os termos de declarações prestados anteriormente na Promotoria Pública”, explicou o Promotor.

No entendimento do Ministério Público, a Decisão Interlocutória emitida pelo Juiz Gleucival Estevão é imprescindível para que os promotores possam dar prosseguimento nos trabalhos sem nenhuma ingerência política, já que as principais testemunhas, principalmente no que tange a improbidade administrativa, são funcionários municipais que não aguentaram a pressão, por estarem querendo fazer o que é certo, mas ao mesmo tempo receberem ordens do gestor municipal para realizarem condutas ilegais.

Mencionando alguns trechos Bíblicos e taxando de “inimigos da sociedade” os que pressionaram as testemunhas, o promotor Maurim Vergolino mostrou-se indignado com a atitude de alguns secretários e assessores municipais. “Eles coagiram as testemunhas para que assinassem os termos de declarações, nos quais diriam que eu invadi a Comtri, que eu tomei documentos na marra. Que assinaram termos de declarações sem ler ao Ministério Público. Os inimigos da sociedade tramaram esse plano para desmoralizarem ao Ministério Público, a mim e desqualificarem as provas cabais e contundentes”, declarou.

Segundo o Promotor, as testemunhas coagidas na Prefeitura, no dia seguinte foram à Delegacia de Polícia e registraram ocorrências denunciando a coação no curso do processo, onde constam que tiveram que assinar documentos com data retroativa ao dia 28 de janeiro, como se tivessem prestado as declarações no dia seguinte ao que estourou o escândalo na Comtri.

A respeito das declarações de Valmir Climaco a um canal de TV dizendo que o Promotor havia telefonado pra ele à noite para uma reunião, Maurim Vergolino desafiou Valmir a informar a data em que houve tal telefonema. “Eu já pedi o detalhamento de minha conta telefônica e se ele não se retratar, não vier a público dizer que eu não telefonei pra ele às altas horas da noite e que jamais pedi qualquer vantagem ou benefício de qualquer amigo meu, ele também irá responder a uma queixa crime por calúnia contra minha pessoa, uma vez que eu irei representá-lo ao Procurador de Justiça e também ajuizarei uma ação de indenização por danos morais pelos danos causados a minha honra”, concluiu o representante ministerial.

011

VALMIR CONTINUA AFASTADO

Com a determinação judicial de afastamento do cargo em função de vir coagindo as testemunhas (funcionários) do processo instaurado pelo Ministério Público, que apura as improbidades administrativas cometidas durante o período em que se encontrava à frente do Executivo Municipal, o prefeito Valmir Climaco de Aguiar não conseguiu retornar ao poder através da tão propagada liminar que conseguiria em Belém.

De acordo com os representantes do Ministério Público, são inúmeras denúncias contra Valmir Climaco que vêm sendo investigadas há meses, entretanto, o escândalo na Comtri e ameaças as principais testemunhas do processo, fizeram com que os promotores solicitassem o seu afastamento.

Governo – O prefeito Valmir Clímaco, desde o início comandou o Município de forma tumultuada com situações cheias de embaraços que se complicaram ao longo de sua administração. Sem o apoio popular por haver conseguido seu mandato na justiça e não pelo voto nas urnas, Valmir nomeou em seu secretariado e diretorias administrativas, pessoas que já estiveram em administrações passadas, antipáticas aos olhos da população e dos servidores municipais.

Na saúde iniciou com o escândalo dos altos salários, o berrante caso do secretário e médico Manoel Diniz fazer uma cirurgia do parto de uma cadela no Hospital Municipal, além do confronto com o Sindsaúde pelo reajuste dos salários dos ACSs;

Na Infraestrutura, o que se vê são ruas esburacadas, valas abertas e sem a conclusão de seus serviços, ocasionando, inclusive, acidentes no trânsito. Ao invés de apresentar soluções, buscou o caminho da demagogia, preferindo culpar a administração anterior. Com a chegada do período invernoso os problemas se multiplicaram, com a maioria dos bairros tendo seus principais acessos interditados pela própria população que em forma de protestos reivindicou trabalho do governo.

Na educação, vemos a insatisfação do SINTEPP, com a falta de comprometimento do Prefeito com a categoria e por não atender as suas reivindicações e nem tampouco responder os questionamentos do sindicato, fez com que a categoria deflagrasse greve e se instalasse na Prefeitura até ser atendida;

No trânsito, tivemos a interferência política, o confronto entre Comtri e mototaxistas, a precariedade do órgão, agentes tendo que trabalhar com uniformes desgastados, péssima sinalização das ruas, a má manutenção dos semáforos que vivem dando pene e causando transtornos aos motoristas e, por fim, a prova aberta divulgada no programa Balanço Geral da TV Itaituba – Rede Record, diante de toda a sociedade. O Prefeito determinando o diretor do órgão a cometer irregularidades, ferindo a lei, sob ameaça de demissão.

Linhas Aéreas deixam de operar no Município devido as péssimas condições que se encontra o Aeroporto nas mais de 70 falhas existentes, problemas que o então prefeito Valmir Clímaco não buscou tomar conhecimento, fato que resultou praticamente na paralisação do aeroporto.

Grandes reclamações e reivindicações da população no setor da iluminação pública que deixou a cidade na escuridão. Na urbanização, onde coleta de lixo não funcionou deixando as ruas sujas atraindo os urubus que passaram a dividir o espaço com veículos, pedestres, cachorros e até cavalos, pela falta de funcionamento do setor de zoonoses.

As constantes denúncias por parte da imprensa contra ilicitudes praticadas em sua administração, como licitações irregulares, falcatruas nas secretarias, desvios de recursos, abandono do patrimônio público, fez com que o Prefeito conseguisse um alto índice de rejeição e a insatisfação praticamente geral por parte da população de Itaituba, inclusive de seus aliados.

Por: Francisco Amaral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *