Cineasta ministra oficinas em Santarém

Vladimir Cunha em foto de Gustavo Godinho

O cineasta Vladimir Cunha, diretor dos documentários Brega S/A e As Filhas de Chiquita, estará em Santarém no período de 20 a 22 de agosto, ministrando oficinas de “Linguagem Cinematográfica”, gratuitamente à comunidade, pelo projeto de capacitação audiovisual Curta em Circuito.

As Oficinas de “Linguagem Cinematográfica” com Vladimir Cunha, diretor do documentário Brega S/A e um dos principais expoentes da nova safra audiovisual paraense, pelo projeto Curta em Circuito, acontecem de sábado a segunda-feira, 20 a 22 de agosto de 2011, na Casa Brasil, localizada na Av. Engenheiro Fernando Guilhon, 125 – Bairro do Santarenzinho, das 9h ao meio-dia e das 14h às 18h.

Nascido no ano de 1975, na capital do Pará, Vladimir Cunha é figura respeitada País afora por conta de seu trabalho como jornalista e documentarista. Começou sua carreira colaborando em revistas como Bizz, Superinteressante, Herói, Sexy e, mais recentemente, Rolling Stone, Piaui e Billboard. Trabalhou também como diretor e roteirista no quadro Brasil Total, exibido aos domingos no Fantástico, de onde tirou experiência e confiança necessárias pra pensar em co-dirigir os documentários As Filhas da Chiquita, com Priscilla Brasil, e Brega S/A, com Gustavo Godinho. Seus últimos trabalhos no audiovisual foram dirigindo e roteirizando os programas Discoteca e Gordo Visita, ambos da MTV Brasil, e a série Brasileirão Petrobras, exibida na internet e na ESPN Brasil.

A linguagem cinematográfica diz respeito ao conjunto de planos, ângulos, movimentos de câmera e recursos de montagem e de som que compõem o universo de um filme: elementos peculiares ao cinema enquanto expressão, cuja manipulação garante a concretização da intenção do autor quanto à carga dramática, criação de atmosfera e efeito psicológico em sua película. A velocidade de corte de uma cena, seu ritmo de montagem, a escolha do enquadramento, entre tantos outros fatores, determinam como algo é contado ou representado.

APRENDA A LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA COM VLADIMIR CUNHA

Projeto de capacitação audiovisual Curta em Circuito aposta em prata da casa em seu novo módulo por Pará e Amazonas

Mais um mês entra, e novo módulo do Curta em Circuito a caminho. Hora e vez das oficinas de Linguagem Cinematográfica, segunda de um total de sete que serão ministradas até o fim do ano. E quem começou a segunda temporada com Coletivo Garapa, direto de São Paulo, não poderia fazer por menos na etapa seguinte: senhoras e senhores, tapete vermelho para Vladimir Cunha, um dos principais expoentes da novíssima safra audiovisual paraense. Como é de praxe, Parauapebas, Marabá, Santarém, Manaus e, por fim, Belém – nesta, dentro da programação do Festival Eletronika – estão na rota.

Co-diretor dos documentários Brega S/A e As Filhas da Chiquita, não é de hoje que Vladimir flerta com o audiovisual, colecionando trabalhos com importantes nomes quais a apresentadora Regina Casé e o sociólogo Hermano Vianna, nos quais procurou destacar o acesso às ferramentas digitais e como estas acabam aumentando a quantidade de informação livre que circula por aí.

“Acho legal poder viajar pelo Pará com um projeto como esse. Principalmente, por ter contato com as pessoas que, mesmo distante dos grandes centros, têm interesse em trabalhar com a linguagem audiovisual. É bom que o cinema de ficção e o documentário possam começar a ser produzidos também fora das capitais. Cada região, cada cidade, tem muito a dizer sobre si mesma e seria interessante se isso pudesse ser feito pelas pessoas desses locais”, destaca Vladimir.

Sempre importante frisar, o Curta em Circuito só é possível graças ao patrocínio da REDE VIVO LAB e a nossos parceiros Cultura em Movimento (Marabá), Labirinto Cinema Clube (Parauapebas), Casa Brasil (Santarém) e Coletivo Difusão (Manaus). As inscrições já estão abertas e podem ser feitas através do email: lygiacamara@bcbproducoes.com.br

MADE IN PARÁ – Nascido no ano de 1975, na capital do Pará, Vladimir Cunha é figura respeitada país afora por conta de seu trabalho como jornalista e documentarista. Começou sua carreira colaborando em revistas como Bizz, Superinteressante, Herói, Sexy e, mais recentemente, Rolling Stone, Piaui e Billboard. Trabalhou também como diretor e roteirista no quadro Brasil Total, exibido aos domingos no Fantástico, de onde tirou experiência e confiança necessárias pra pensar em co-dirigir os documentários As Filhas da Chiquita, com Priscilla Brasil, e Brega S/A, com Gustavo Godinho. Seus últimos trabalhos no audiovisual foram dirigindo e roteirizando os programas Discoteca e Gordo Visita, ambos da MTV Brasil, e a série Brasileirão Petrobras, exibida na internet e na ESPN Brasil.

LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA – A linguagem cinematográfica diz respeito ao conjunto de planos, ângulos, movimentos de câmera e recursos de montagem e de som que compõem o universo de um filme: elementos peculiares ao cinema enquanto expressão, cuja manipulação garante a concretização da intenção do autor quanto à carga dramática, criação de atmosfera e efeito psicológico em sua película. A velocidade de corte de uma cena, seu ritmo de montagem, a escolha do enquadramento, entre tantos outros fatores, determinam como algo é contado ou representado.

Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe seu comentário aqui: