Pará lidera casos de Hanseníase no País

Hanseníase..

‘Falta dar mais importância à hanseníase no Pará’, é o que diz o doutorando em Doenças Tropicais e professor da Universidade do Estado do Pará (Uepa), Rodrigo Ferreira, que trabalha na reabilitação de diversos pacientes com hanseníase em Santarém, Baixo Amazonas. O Estado é o primeiro do País em novos casos da doença. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (Sespa), até junho deste ano, foram 1.940 contaminados. Em 2011, de janeiro a dezembro, foram 3.876 casos. Atrás do Pará, estão Maranhão, Pernambuco, Bahia, Mato Grosso e Goiás.

A hanseníase acomete principalmente pessoas da classe mais pobre, justamente pela falta de saneamento básico e acesso à Saúde. A questão geográfica é um dos pontos importantes a serem vencidos para o combate da doença. Geralmente os casos encontrados na região são de pessoas que moram em localidades mais distantes, zonas ribeirinhas e até de garimpos. Mas, talvez, o maior impedimento seja a falta de interesse em criar políticas públicas para a eliminação do mal.

‘O que dificulta é que faltam profissionais capacitados para identificar. Já ouvi muitas histórias de pacientes que passaram em vários profissionais da Saúde e não detectaram ou acharam que fosse outra doença. A hanseníase costuma ser confundida com outras doenças de pele’, diz Rodrigo Ferreira. Ele acredita que o esforço feito para o combate da doença ainda é pequeno. Uma das saídas, na visão dele, é realizar mais campanhas informativas, principalmente nas regiões mais afetadas.

Tratamento – Hanseníase tem cura e o tratamento é inteiramente gratuito. No entanto, o grande risco são as sequelas. Por isso, se for constatada a hanseníase, o paciente deve iniciar o tratamento imediatamente. Ele passa a receber o remédio mês a mês e deverá tomá-lo todo dia. O tratamento, dependendo de cada, varia de 6 meses a 1 ano. Paralelo a isso, o paciente faz outra avaliação para definir a gravidade da doença e ver se já tem sequelas. Se já as tiver, além do tratamento com remédio, ele iniciará um tratamento para amenizar os danos causados pela doença. Nem sempre vai melhorar 100%, mas o tratamento vai impedir que as consequências avancem. ‘Não temos que pensar somente na cura, mas na qualidade de vida do paciente’, alerta Rodrigo.

Preconceito – O tratamento da hanseníase avançou, principalmente, nas últimas duas décadas. Mas, por falta de informação, ainda hoje, os pacientes sofrem com o preconceito. Em muitos casos, até a própria família age de forma diferente, separando as roupas e louças do doente. Rodrigo Ferreira lembra que, após o tratamento (poliquimioterapia) ser iniciado, não tem mais risco de contágio.

‘Quando a gente pensa em hanseníase, vem logo a palavra lepra, que traz a imagem de uma pessoa mutilada, com o rosto deformado. Hoje em dia, o paciente com hanseníase não tem mais essa condição, porque o diagnostico é feito logo e ela não evolui’, afirma Rodrigo. ‘O preconceito afeta o autoestima do paciente e complica o tratamento, porque a doença depende das questões imunológicas. Se as condições são ruins, o tratamento tende a ser mais difícil. Se forem boas, o paciente vai responder melhor o tratamento. E o fator emocional influencia muito na questão imunológica.’

Fonte: Jornal Amazônia

 

2 comentários em “Pará lidera casos de Hanseníase no País

  • 22 de agosto de 2012 em 15:38
    Permalink

    Os jornais devem mostrar essas informações de utilidade pública com mais frequencia, como meio de colaborar com os afetados pela doença. A informação é importante e o Jornal O Impacto por ser o mais lido na nossa região, está de parabéns pela reportagem. Como sugestão poderiam manter uma vez por semana um tipo de doença comum na região.

    Resposta
  • 21 de agosto de 2012 em 14:02
    Permalink

    Qualquer doença diagnosticada cedo é bem mais fácil e melhor de ser curada. E SE O TRATAMENTO for levado a sério , cumprido direitinho as chances de se livrar da doença é bem grande!
    Qualquer pessoa que esteja em tratamento de saúde deve se afastar de bebidas alcoolicas.

    Vc decide se quer viver e viver bem logo procura um médico; ou se quer morrer aos poucos ou morrer de uma vez: é só não fazer nada nem procurar um médico ou, fazer algo mas fazer mal feito que é ignorar as recomendações médicas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *