Força Nacional chega a Manaus para reforçar segurança

Agentes farão patrulhamento no entorno das prisões e ajudarão na recaptura de fugitivos.

Os primeiros agentes da Força Nacional desembarcaram na madrugada desta terça-feira em Manaus, para reforçar a segurança nas penitenciárias do estado. Este ano, 64 presos foram mortos em presídios da capital do Amazonas. Somente na semana passada, 99 detentos foram mortos nos presídios brasileiros).

O avião C-99 da Força Aérea Brasileira desembarcou por volta das 5h na cidade com 29 a bordo. Outra aeronave, modelo Hércules, deve chegar ao estado por volta das 10h (do horário de Brasília) com mais 71 integrantes das forças de segurança. No total, 200 homens vão reforçar o patrulhamento em Roraima e no Amazonas.

Os agentes da Força Nacional não vão substituir os agentes penitenciários, mas reforçarão a segurança do entorno das prisões, podendo dar apoio às barreiras, ajudar na recaptura de fugitivos, escolta e guarda de presos que eventualmente precisem se deslocar.

Também foi autorizado o envio de uma equipe de 10 agentes do Departamento Penitenciário (Depen) do Ministério da Justiça para o Amazonas. A princípio, eles vão fazer um diagnóstico nas penitenciárias do estado. Também farão o treinamento de agentes penitenciários. No caso daqueles que são servidores do estado, os cursos serão bancados pelo governo federal. No caso dos agentes terceirizados, haverá ressarcimento das empresas que os contrataram.

As medidas fazem parte da ajuda solicitada por sete estados: Acre, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Roraima e Tocantins. O Amazonas, por exemplo, pediu ainda mil tornozeleiras eletrônicas e o empréstimo de um helicóptero da Polícia Federal para ajudar na captura de dezenas de detentos que fugiram da prisão Anísio Jobim.

Além de equipamentos e armamentos, foram solicitadas transferências de presos mais perigosos para presídios federais. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, as vagas serão disponibilizadas ineditamente assim que a Justiça autorizar as mudanças a serem efetuadas pela Polícia Federal.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta