Itaituba está sendo lesada em milhões pela não cobrança de impostos

Vereador Peninha diz que a não cobrança de CFEM e ISS prejudica economia do Município.

O município de Itaituba, além de oferecer sua localização estratégica, hoje sendo explorada pelos portos, é rica em minério, de onde já foram exportadas toneladas de ouro, cassiterita, calcário e etc. Mas, pouco o Município usufrui, principalmente por ser prejudicado pelas leis e lesado nas taxas e  tributos. Este foi o tema tratado na sessão da última terça-feira (11), pelo vereador Peninha.

O Vereador disse que “temos hoje, a questão da CFEM-Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais, que o Município pouco recebe, por falta de uma fiscalização mais rigorosa dos órgãos responsáveis”.

O parlamentar fez um relato na tribuna. “Vejamos: no ano de 2012, Itaituba recebeu de CFEM R$ 796.256,32; em 2013, recebeu R$ 1.034.685,78; em 2014, recebeu R$ 1.611.520,70; em 2015, recebeu R$ 2.734,542,81 e em 2016, Itaituba recebeu R$ 4.871.548,50. Somente a Mineração SERABI, no ano de 2015, produziu 1 tonelada e 61 quilos de Ouro no garimpo do Palito, município de Itaituba. Foi a 9ª Mineradora a produzir ouro no Brasil em 2015”, informou.

Continuando, Peninha ressaltou que esta taxa poderia, caso houvesse uma fiscalização mais rigorosa, receber muito mais e os prefeitos não estariam andando de pires na mão em Belém e Brasília pedindo dinheiro.

O parlamentar propõe, que o Município assine um convênio com o DNPM, órgão responsável, para que possa fazer a fiscalização da produção de ouro que sai de Itaituba, pois com isso com certeza a Taxa de Compensação iria aumentar para Itaituba.

“Outro imposto, que o Município precisa correr atrás, é o ISS, que deve ser cobrado das pessoas físicas e jurídicas, que receberam junto ao DNPM Alvará de Pesquisa. Hoje, o DNPM no Pará já deve ter expedido em torno de 500 alvarás de pesquisas e quase nenhum dos titulares destas pesquisas recolheu ISS junto à Prefeitura”, denunciou.

Num cálculo que o Vereador fez sobre 500 Alvarás de Pesquisa liberados, cada um Alvará o valor do serviço estimado em R$ 2.000.000,00,chegou a um montante de R$ 1 bilhão. “Se for aplicada a cobrança do percentual de 5% sobre este montante, o Município teria que receber de ISS no mínimo R$ 50 milhões”, afirmou o edil. “Pergunto: quanto Itaituba recebe de ISS destas pesquisas? Precisamos ter esta resposta”, indagou Peninha.

“Por isso, temos que agir e fazer com que o município de Itaituba receba o retorno do que é justo”, anunciou.

No final de seu pronunciamento, Peninha solicitou da Câmara que envie ofício ao Diretor Geral do DNPM, Victor Hugo Froner Bicca e ao Superintendente do DNPM no Pará, Dr. Carlos Botelho, no sentido de o órgão enviar ao município de Itaituba a relação com nomes das pessoas físicas e jurídicas que receberam Alvará de Pesquisa, assim como a Planilha que consta o valor por Alvará destas pesquisas, afim de que sejam calculados os percentuais a serem cobrados de ISS destes beneficiários que receberam o Alvará de Pesquisa do DNPM para realizar o serviço no município de Itaituba. “Também, que seja assinado um convênio entre o DNPM e a Prefeitura Municipal de Itaituba para que o Município possa também fiscalizar a saída da produção de ouro e de outros minérios do Município. Forma esta que contribuiria muito para aumentar a Compensação Financeira de Itaituba”, encerrou Peninha.

Fonte: RG b15/O Impacto

 

Deixe seu comentário aqui: