IT – A COISA – Crítica

IT: A COISA

(IT)

De fato é incrível como as obras de Stephen King contêm o poder de mexer com nossa imaginação e nosso psicológico. É comprovado que seus livros são considerados fenômenos de venda no momento que são lançados, alcançado uma crescente multidão de fãs e seguidores no mundo todo. Porém, dificilmente seus livros são adaptados de forma decente para os cinemas, na maioria das vezes gera-se um conteúdo inferior ao dos livros. Mas uma pequena maioria tive uma adaptação perfeita agradando não só os fãs dos livros, mas também o público em geral e a crítica. Obras bem sucedidos, como ‘Carrie – A Estranha’, ‘Um Sonho de Liberdade’, ‘O Iluminado’e ‘Conta Comigo’.

Após adaptações atuais, como a de ‘A Torre Negra’ e ‘O Nevoeiro’, finalmente chega aos cinemas o tão esperado ‘It –A Coisa’ e posso garantir: trata-se se uma das melhores adaptações da carreira de King, um drama com toques de terror que diverte muito mais do que assusta. Gerando uma mistura de sentimentos no público.

A história tem início nas férias escolares de 1958, em Derry, pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly formam o Clube dos Perdedores – jovens que não são populares e sofrem bullying. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry e aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança e… do medo. O mais profundo e tenebroso medo, em que jamais poderiam imaginar.

Não li o livro, até porque o mesmo possui pouco mais de mil páginas, mas segundo relatos de fãs dessa obra literária, o filme está fiel ao livro, a nova adaptação de ‘It – A Coisa’ promete se tornar um clássico do cinema moderno. Sua história lembra muito o clássico ‘Conta Comigo’, também de King, mas adiciona elementos de terror que pode provocar verdadeiros calafrios na espinha.

As crianças protagonistas que sem sombra de dúvidas são as estrelas do filme desempenham aqui, atuações memoráveis, cada criança possue seus próprios demônios: temos casos de pedofilia, famílias abusivas, racismo, entre outras tramas bastante pesadas que dão um tom meio oitentista para a produção. O diretor Andrés Muschietti foi bastante audacioso em criar uma história bastante obscura, mesmo usando crianças como protagonistas. Esses demônios que assustam cada uma das crianças protagonistas são mais aterrorizantes que o Pennywise em si, tirando a força e o foco do palhaço diabólico. O ator Bill Skarsgård entrega um Pennywise extremamente sinistro e realista. O jovem elenco é sensacional, e apesar de pouco conhecidos, os atores dão um show em cena. Os principais destaques são: a maravilhosa Sophia Lillis, que interpreta a única garota do grupo; Finn Wolfhard, recém saído do sucesso ‘Stranger Things’ que serve como alívio cômico; o garotinho sobrepeso vivido por Jeremy Ray Taylor (me identifiquei bastante com esse gordinho), o mais interessante personagem do filme; e o protagonista gago, interpretado brilhantemente pelo talentoso Jaeden Lieberher.

Entregando mais drama e comédia do que terror, ‘It – A Coisa’ é um blockbuster bem realizado e dirigido que consegue nos apresentar protagonistas aprofundados e interessantes, que nos manterão presos na cadeira durante toda a sua jornada pelo medo. É um filme que utiliza uma figura macabra para traçar uma metáfora sobre a passagem da infância para a vida adulta, algo muito explorado nos livros do Stephen King.
E no final, quando vem aquele gostinho de quero mais, descobrimos que esse é apenas o Capítulo 1 dessa história incrível. Voltaremos a ver esses personagens queridos novamente no Capítulo 2, que promete mostrar o que aconteceu com cada um deles 27 anos depois, quando Pennywise retorna do mundo dos mortos ainda mais macabro e assustador. Pelo menos é o que esperamos. Minha nota 9,0!

 


DICAS NETFLIX

A INCRÍVEL HISTÓRIA DE ADALINE

(The Age of Adaline)

Adaline Bowman nasceu na virada do século 20 e levava uma vida normal até sofrer um grave acidente de carro. Desde então, ela milagrosamente parou de envelhecer e acabou se tornando um ser imortal com eterna aparência de 29 anos. Adaline vive uma existência solitária, nunca se permitindo criar laços com ninguém para não ter seu segredo revelado. Mas tudo muda quando ela conhece o jovem Ellis Jones, um filantropo por quem pode valer a pena arriscar sua imortalidade.
Quem é que nunca pensou em viver para sempre? Eu com certeza já. Ficamos fantasiando sobre o que faríamos, quantas coisas aprenderíamos, quantos lugares visitaríamos…
Mas às vezes esquecemos de pensar no lado negativo que a vida eterna pode ter. Principalmente se você tiver sempre aquela aparência de 29 anos. É exatamente isso que acontece no filme “A Incrível História de Adaline“.
Este filme mostra como a juventude eterna pode não ser a melhor coisa do mundo quando você é a única pessoa que não envelhece. Minha nota: 8,5.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *