Eduardo Fonseca Ed. 1169

QUO USQUE TANDEM ABUTERE, CATILINA, PATIENTIA NOSTRA? (Marcus Tullius Cicero)

Até quando ó Catilina, abusarás da nossa paciência?
Assim agiu o grande Senador Romano e um dos maiores oradores latino Cícero contra os desmandos e manobras políticas desrespeitosas contra o Império Romano, feitas por Catilina
Substitua, caro leitor, Catilina, por TEMER, atual presidente do Brasil do lava jato, que continua usando o corrompido Senado Brasileiro, para tirar proveito em suas intenções mafiosa, para se safar das denúncias que lhe são atribuídas: formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção passiva.
Catilina aterrorizou o Império Romano com seus abusos merecendo os fervorosos discurso do grande orador romano Cícero, como: “…Por quanto tempo ainda hás de zombar de nós essa tua loucura? A que extremos há de se precipitar a tua audácia sem freio? (….) não sentes que teus planos estão a vista de todos? Não vês que a tua conspiração a tem já dominada todos estes que a conhecem? Quem, de entre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, em que local estiveste e a quem convocaste, que deliberações foram as tuas? (…..) havia, outrora nesta República, uma tal disciplina moral que os homens de coragem puniam com mais severos castigos um cidadão perigoso do que o mais implacável dos inimigos…”
O que a população brasileira, já paga para manter delinquentes das mais diversas periculosidades nas casas penais, é um valor exorbitante. Um preso é mais caro que um estudante. E ainda está pagando, só nesta semana 12 bilhões para conseguir os seus duzentos e cinquenta e quatro votos necessários, para ser barrada a denúncia formulada pelo Ministério Público Federal, contra o atual presidente do Brasil.
Como o outro dizia, nunca na história deste País, se viu um presidente denunciado, por duas vezes e um ex presidente sentenciado.
O denunciado por estar no mandato usou de todos os meios e de todas as forças, descaradamente, para barrar a denúncia, deste a escolha do relator- um cidadão de mais de oitenta anos – prestando para esse tipo de serviço.
ATÉ QUANDO, TEMER, ABUSARÁS DE NOSSA PACIÊNCIA? O pacato povo brasileiro está adormecido. Será pela surpresa de uma corrupção em cima da outra? De todas as formas, em todos os setores, nos quatro cantos dessa terra de Santa Cruz. Corrupção para funerárias vender caixão para o estado, dos remédios, nem se fala. Das ambulâncias, lembram os sanguessugas? Das vagas hospitalares, das verbas do FUNDEF, para as escolas, transporte e merenda escolar. A eletricidade, corrupção do fornecimento de papel higiênico, até chegar aos navios sondas para a Petrobrás, estradas, ferrovias e portos! E o dinheiro para construção de escolas que é desviada para se construir um cemitério, no Maranhão!. Quantos ginásios desportivos, (como o de Santarém) estão paralisadas as suas obras e as empreiteiras, que venceram as licitações, muitas vezes, com cartas marcadas – dizem que não vão mais trabalhar na obra, deixando inclusive operários sem receber. Ainda não basta? Então…
ATÉ QUANDO, TEMER, ABUSARÁS DE NOSSA PACIÊNCIA? O povo não reage. E neste ano, as negociatas, as privatizações, a venda da Amazônia, e para atender grupos econômicos, redução da CONFINS. A portaria da dificuldade de se provar o Trabalho Escravo. Além da pior mazela, para mim, de todas, o crime organizado, desmoralizando as nossas gloriosas forças armada, a mando de um estado desorganizado. Dizem que o Brasil passou, mas Brasília não para. É jantares, café da manhã, com aliados e governadores para convencer a sua bancada para que apoie o presidente. E a prova foi na votação dessa quarta feira que passou. Deputados “bamburrados”. E acham que isso é constitucional, eles tem direito as “emendas parlamentares”. E quantas dessas chegam realmente das “bases” do dito deputado? Parte dela se perde pelo caminho da burocracia que gera corrupção!
Seria necessária uma resma de papel A4 para se escrever e enumerar parte dos tipos de corrupção deste País, e ainda para aguardar o pacato povo brasileiro fica se perguntado ATÉ QUANDO, TEMER, ABUSARÁS DE NOSSA PACIÊNCIA?
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Brilhante festa promovida pela Academia de Letras e Artes de Santarém, no último dia 24 de outubro, nos salões do aristocrático Centro Recreativo, quando ali se realizou a Sessão da Saudade, em homenagem à confreira DICA FRAZÃO, falecida em maio deste ano e em seguida a posse nos quatro novos membros; TEREZINHA AMORIM, MARIA LÍDIA MENDONÇA, RAI BRITO E JOÃO BERNARDO MOTA SANTANA. Logo após realizou-se uma sessão lítero musical, pelos membros da Academia e convidados, tendo como mestre de cerimônia os acadêmicos, Ércio Bemerguy e Edinaldo Mota, que após 47 anos ausentes do palco do Cristo Rei, quando apresentavam Domingo Após A Missa e R-29 Show, se reencontraram! Beleza, beleza, beleza! ///////// Mesmo com as buscas incessantes aos contraventores que obstruem as calçadas com material de construção, ainda tem um lá na Rosa Passos próximo da subsestação da Celpa que ainda não foi incomodado e ainda diz que espera a Prefeitura mandar tirar para ele economizar. /////// Hoje no FLUMINENSE a volta da melhor dupla romântica de Santarém, MILTON E MILENA a partir das 23 horas, no melhor da saudade, com as interpretações das melhores músicas, para se ouvir, dançar e namorar. Imperdível!


Quero parabenizar a pedagoga Jô Sousa, esposa do amigo e grande baterista Aládio Mourão. Jô Sousa trocou de idade no último dia 22 e festejou a data junto de seus familiares. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *