Blitz marca a campanha ’16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher’

O evento acontecerá nesta quarta-feira (6), às 8h, na Avenida Sergio Henn, em frente a Unidade do Pro Paz  Integrado.

Com objetivo de informar as mulheres quanto aos seus direitos e fortalecer que existem muitos homens que não aceitam a violência contra elas, será realizada na quarta-feira (6), em frente ao Pro Paz Integrado, a partir das 8h, uma blitz alusiva à campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”.

A blitz de mobilização dos homens pelo fim da violência contra as mulheres ofertará orientação jurídica, corte de cabelo, designer de sobrancelhas, manicure e café da manhã especial.

O público alvo são mulheres vítimas de violência doméstica e população em geral. A blitz terá a participação dos servidores do Centro Maria do Pará, Abrigo Estadual de Mulheres, Pro Paz – Integrado, DEAM, Vara da Violência Doméstica, Promotoria da Violência Doméstica e conta com parceria da Prefeitura de Santarém por meio da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtras).

Sobre a Campanha:
A Campanha “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres” é uma mobilização anual, praticada simultaneamente por diversos atores da sociedade civil e poder público engajados nesse enfrentamento. Desde sua primeira edição, em 1991, já conquistou a adesão de cerca de 160 países. Mundialmente, a Campanha se inicia em 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, e vai até 10 de dezembro, o Dia Internacional dos Direitos Humanos, passando pelo 6 de dezembro, que é o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

No Brasil, a Campanha acontece desde 2003 e, para destacar a dupla discriminação vivida pelas mulheres negras, às atividades aqui começam em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra. Como lembra a promotora legal popular e também integrante do Geledés – Instituto da Mulher Negra, a advogada Maria Sylvia Oliveira, “as mulheres negras são as que estão na base da pirâmide social e, por conta disso, são as maiores vítimas da violência de gênero”.

No Brasil, além dos movimentos de mulheres, a Campanha dos 16 Dias de Ativismo recebe adesões institucionais, como da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, da Procuradoria da Mulher no Senado, da Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, do Ministério da Justiça, do Ministério da Saúde, dos Juizados e dos Núcleos do Ministério Público e da Defensoria especializados na aplicação da Lei Maria da Penha nos Estados, entre outros.

 

RG 15 / O Impacto com informações de Ascom/Semtras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *