Ministério da Saúde destina para Óbidos mais de R$ 1 milhão para construção de UBS Fluvial

Verba é destinada a 46 municípios e servirá para ampliar o acesso da população ribeirinha a procedimentos, como consultas médicas e atendimentos de saúde bucal.

O Ministério da Saúde destinou R$ 85 milhões para construção de 45 Unidades Básicas de Saúde Fluviais para melhorar a assistência à população ribeirinha. A verba é destinada a cinco estados: Acre (3), Amazonas (21), Amapá (1), Tocantins (1) e Pará (19). Cada UBS custa cerca de R$ 1,88 milhão. As propostas foram aprovadas no mês de dezembro e a liberação dos recursos já foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) no mesmo mês.

As Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF) são embarcações que comportam Equipes de Saúde da Família Fluviais (ESFF), providas com a ambiência, mobiliário e equipamentos necessários para atender à população ribeirinha da Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e parte do Maranhão) e Pantanal Sul Mato-Grossense. Elas buscam responder às especificidades dessas regiões, garantindo o cuidado às suas populações como previsto na Política Nacional de Atenção Básica (PNAB).

Para as comunidades distantes da Unidade Básica de Saúde de referência, as Equipes de Saúde da Família Fluviais adotam circuito de deslocamento, por meio de embarcações, o que assegura às comunidades assistidas a execução das ações de Atenção Básica. As equipes são compostas, minimamente, por um médico, um enfermeiro, um técnico de saúde bucal e um bioquímico ou técnico de laboratório.

O município de Óbidos, no oeste do Pará, foi um dos contemplados pelo Ministério da Saúde. Serão destinados R$ 1.889.450,00 para a construção da embarcação que deverá atender 43 comunidades localizadas na região de várzea.

O prefeito de Óbidos, Chico Alfaia, destacou que essa será a primeira UBS destinada inteiramente para a região ribeirinha. “Essa embarcação dará um salto de qualidade nos serviços ofertados pela rede municipal de saúde para os moradores da região de várzea, que hoje precisam se deslocar até a cidade para buscar atendimento. Assim vamos avançando no sentido de humanizar nossos serviços e atender com qualidade nossa população, seja ela da cidade ou do interior”.

O Ministério da Saúde tem como prioridade o fortalecimento da Atenção Básica, com capacidade para solucionar até 80% dos problemas de saúde da população, o que ajuda a desafogar os atendimentos em hospitais gerais e instituições habilitadas para serviços de média e alta complexidade. O número de Unidades Básicas de Saúde no Brasil também cresce a cada ano. Em 2010, havia 32.812 unidades. Hoje, são mais de 41.688 mil.

Fonte: RG 15/O Impacto e Ascom/PMO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *