Separatistas pedem voto nulo a Governador nas eleições de outubro

Emerson Silveira, coordenador da UniTapajós, encabeça luta pelo voto nulo a Governador

Em campanha em eventos, repartições públicas e nas redes sociais, militantes a favor da criação do Estado do Tapajós pedem à população de Santarém e dos demais municípios da região, que vote nulo ao Governo do Pará, nas eleições de outubro deste ano. A coordenação da campanha tem como objetivo protestar contra o apoio dado pelo Governo do Pará ao bloco do “Não”, no plebiscito do dia 11 de dezembro de 2011.

Após os resultados nas urnas em dezembro de 2011 terem sido contra a divisão territorial do Pará, por conta de moradores da Região Metropolitana de Belém (RMB) terem participado da votação, um clima de recentemente tomou conta da população de Santarém. Autoridades políticas e moradores de Santarém afirmam que se o plebiscito tivesse ocorrido somente nas regiões Oeste e Sul do Pará, os estados do Tapajós e Carajás tinham sido aprovados nas urnas e sancionados em Brasília.

“A votação deveria ter acontecido somente nas regiões onde a grande maioria da população é a favor dos estados do Tapajós e Carajás. Essa questão de Belém ter participado também da votação travou todo o nosso objetivo de sermos independentes”, comentou o morador de Santarém, João Campos.

Na capital do Estado, Belém, o “Não” à criação do Estado do Tapajós chegou a 93,88% dos votos e o não à criação do Estado de Carajás foi de 94,87%. Já nas possíveis capitais dos novos estados, Santarém e Marabá, o apoio à divisão do Pará foi maciço.

Em Santarém, 97,78% dos eleitores que compareceram às urnas votou a favor da criação de Carajás e 98,63% a favor da criação de Tapajós. Em Marabá, 93,26% dos votos foram favoráveis à criação de Carajás e 92,93% a favor da criação de Tapajós.

“Já era pra Santarém ser a capital do Tapajós. Chega de sofrer nas mãos dos governadores que são de Belém. Vamos lutar, porque Deus está do nosso lado!”, exclamou João.

De acordo com o Instituto Cidadão Pró-Estado do Tapajós (ICPet), em 2015 a luta pela criação do novo estado completou 191 anos de existência, levando em conta a data da promulgação da primeira Constituição do Brasil, em 1824, ano em que foi feita a primeira menção da criação de uma província na região, que abrangeria inicialmente os municípios de Parintins (AM), Santarém e Óbidos.

NOVO ESTADO: O Estado do Tapajós é uma proposta antiga do povo de Santarém e região, para criação de nova Unidade Federativa do Brasil, que seria resultante do desmembramento do Pará, ou seja, das regiões do Baixo Amazonas e do Sudoeste Paraense. Será o 3º maior Estado brasileiro em área territorial, superado apenas por Amazonas e Mato Grosso. Sendo este último Estado, que já foi dividido em dois (MT e MS) o trajeto responsável pelo escoamento de toda a produção econômica referente a grãos que passa por Itaituba em direção à Santarém para exportação pelo Porto de Barcarena na área metropolitana de Belém, seguindo para a Europa, países árabes e China.
O Tapajós terá aproximadamente 1,5 milhão de habitantes, em torno de 20% da população do atual estado do Pará. A provável capital do novo Estado será Santarém, que possui atualmente 300 mil habitantes. O novo Estado também deverá contar com cidades de grande importância sócio-econômica, as quais vêm recebendo migrantes de vários estados do Brasil, especialmente do Nordeste, do Centro-Oeste e do Sul, como: Itaituba, Monte Alegre, Rurópolis, Uruará, Trairão, Novo Progresso, Jacareacanga, Placas, entre outros.

CONGRESSO UNITAPAJÓS: O 1º Congresso da União dos Municípios pelo Estado do Tapajós (UniTAPAJÓS), vai acontecer de 07 a 08 de abril de 2018 em Santarém, e tem como meta ser o maior e mais representativo fórum de deliberação do movimento pela criação do Estado do Tapajós.

Para o coordenador da UniTapajós, Emerson Silveira, vai ser o momento de “jogar água no moinho das lutas, além de reafirmar a longevidade e combatividade do movimento pró Tapajós”.

O objetivo do Congresso é discutir e trocar opiniões sobre a criação do Estado do Tapajós, avaliar as políticas públicas, a ação dos movimentos sociais, os avanços na luta pró Estado do Tapajós, esporte, meio ambiente e outros assuntos vitais para o desenvolvimento da região que deseja a emancipação do Estado do Pará.

“É o momento do povo tapajoara para formular, discutir, elaborar e decidir os rumos do movimento pelo Estado do Tapajós para os próximos dois anos”, afirma Emerson.

O 1º Congresso Estadual da UniTAPAJÓS é também um grande encontro da diversidade, celebrado com atividades culturais, intervenções artísticas, trocas de costumes, experiências e tradições.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O Impacto

3 comentários em “Separatistas pedem voto nulo a Governador nas eleições de outubro

  • 15 de janeiro de 2018 em 11:50
    Permalink

    Valeu cara, depois de tantos anos acovardados sem saber porque de tanto conformismo e aceitação do politicamente correto que aceita tudo. Hoje vejo em você esperança, poi sempre pensei dessa forma e temos que reagir e agir de acordo com dificuldades que a vida nos oferece e nesse caso do estado do Tapajós acredito que a população clamava por uma liderança que realmente lute pelo projeto e não deixar rolar eternamente em benefício próprio de acordo com suas conveniências pessoais ou de grupos políticos. É demanda é do povo tapajoara que busca melhores condições de vida, hoje moro em boa vista roraima e me sinto como um refugiado dentro do meu próprio país e assim como eu acredito que são milhares de santarenos que certamente retornaram para sua terra quando esse sonho se tornar realidade. Parabéns pela iniciativa e vamos a luta que o Tapajós e o Brasil é nosso, só ainda não percebemos isso, mais com fé em Deus chegaremos lá.

    Resposta
    • 15 de janeiro de 2018 em 18:15
      Permalink

      Obrigado, eu nasce no Interior de Santarém, agora distrito do Mojuí dos Campos, e tive que ir embora ainda criança para capital do Estado do Amapá – Macapá, e vendo a necessidade de novos líderes em nossa região, resolver voltar pra cá, para junto do nosso povo lutar incansavelmente pela legalidade de nosso Estado Clandestino do Tapajós.

      O Estado do Tapajós não se vende, se defende!

      Resposta
  • 15 de janeiro de 2018 em 03:34
    Permalink

    Show essa matéria!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *