Homem-Formiga e a Vespa – Opinião – Sem Spoiler

Homem-Formiga e a Vespa

(Ant Man and the Wasp)

Por: Allan Patrick

Em uma década, a Marvel Studios criou um Universo Cinematográfico de dar inveja, interligando todos os seus filmes para um acontecimento maior que dará fim à história criada em 2008 com o lançamento da superprodução “Homem de Ferro”. Tal acontecimento ficou e ficará registrado em “Vingadores – Guerra Infinita” e “Vingadores 4”, título ainda sem definição.

Alguns meses depois do lançamento do chocante “Guerra Infinita”, chega às telonas o tão esperado “Homem Formiga e a Vespa”, a vigésima produção da Marvel Studios. Muito tem se falado que todo esse turbilhão de filmes de super-heróis, iria desgastar o púbico, mas os valores arrecadados nas bilheterias dizem o contrário, por exemplo, “Vingadores Guerra Infinita” foi o primeiro filme desse gênero a arrecadar impressionantes US$ 2 bilhões mundialmente. Para evitar tal cansaço no público, a Marvel criou filmes de outros gêneros e embutiram super-heróis, assim fugindo da mesmice gerada pela famosa história comum e batida da maioria de filmes do gênero.

Acompanhamos um thriller político chamado “Capitão América – O Soltado Invernal”, uma ficção científica espacial com “Guardiões da Galáxia”, e as comédias “Thor – Ragnarok” e “Homem-Formiga e a Vespa”. Na minha opinião foi um cartada de mestre, criar filmes com gêneros bem diferentes para apresentar seus heróis. Partindo dessa ideia, fica mais fácil afirmar que “Homem-Formiga e a Vespa” é uma típica comédia feita para a família, como as que sempre assistimos na “Sessão da Tarde” na Globo ou “Cinema em Casa” no SBT nos anos 90. Podemos considerar este fato como um grande elogio, visto que eles adicionam na mistura, super-heróis e muitos, muitos efeitos especiais de cair o queixo. Aquela ideia de aumentar e diminuir de tamanho flui de uma forma tão natural que acreditamos ser possível.

A trama começa depois dos acontecimentos de “Capitão América: Guerra Civil”, com Scott Lang precisando lidar com as consequências de suas escolhas como super-herói e pai. Ainda se esforçando para equilibrar a vida pessoal com suas responsabilidades como Homem-Formiga, ele é procurado por Hope Van Dyne e Dr. Hank Pym para uma nova missão urgente. Scott deve vestir o traje mais uma vez e aprender a lutar ao lado da Vespa, quando o time se reuni, eles partem em uma missão para descobrir segredos do passado. Sem muitas ligações com os outros filmes do Universo da Marvel com exceção de uma grandiosa cena nos pós-créditos, o filme se permite arriscar como uma comédia de ação e acerta em cheio.

Totalmente contrário o que vimos em “Thor-Ragnarok”, onde encontramos algumas piadas forçadas, aqui o cômico funciona de forma certeira e sem muito esforço arranca diversas gargalhadas do público durante a projeção, com destaque para o divertidíssimo Luis (Michael Peña), que mais uma vez arrebata com uma narração hilária contando parte da história; ri muito gente! Entre uma cena de humor e outra, claro, temos as impressionantes cenas de ação com efeitos especiais incríveis, transformando “Homem-Formiga e a Vespa” em um dos filmes com mais ação do estúdio, e detalhe, ação de qualidade, muito bem feitas e coreografadas. Gente, é lindo ver San Francisco e toda sua beleza servindo como palco para toda a aventura, fugindo do tradicional eixo Nova York e Los Angeles, sempre usado nos filmes do gênero.

O casal Paul Rudd e a belíssima Evangeline Lilly tem uma ótima química em tela, tanto em cenas românticas como nas cenas de ação. Ela, inclusive, arrebenta como a Vespa, superou minhas expectativas, conquistou meu coração, uma das minhas heroínas preferidas com um humor sarcástico.

Temos a estreia de Michelle Pfeiffer que ao lado de Michael Douglas brilha. É incrível a técnica usada para rejuvenescer eles, parece mesmo que estamos assistindo a um filme nos anos 90. O que me incomodou um pouco foi a vilã e o roteiro. Logo após vermos um vilão complexo e cheio de camadas como Thanos, fica difícil se empolgar com uma vilã genérica cuja motivação é a velha e batida vingança.

“Homem-Formiga e a Vespa” é uma divertidíssima comédia, repleta de ação e momentos apaixonantes, que o diga Evangeline Lilly, filme que humaniza seus personagens e mostra o que esses super-heróis estão fazendo em suas horas vagas, seja tocando bateria ou brincando com a filha. Até mesmo quem não curte as piadinhas da Marvel, deve rir nesse filme, nem que seja pelo cantinho da boca. O filme tem duas cenas pós-créditos, uma que deixará os fãs boquiabertos, e outra que serve apenas como mais uma piadinha, eu se fosse vocês assistiria apenas a primeira. Minha nota 7,0!


DICAS NETFLIX

A BRUXA

(The Witch)

Nova Inglaterra, década de 1630. O casal William e Katherine leva uma vida cristã com suas cinco crianças em uma comunidade extremamente religiosa, até serem expulsos do local por sua fé diferente daquela permitida pelas autoridades. A família passa a morar num local isolado, à beira do bosque, sofrendo com a escassez de comida. Um dia, o bebê recém-nascido desaparece. Teria sido devorado por um lobo? Sequestrado por uma bruxa? Enquanto buscam respostas à pergunta, cada membro da família enfrenta seus piores medos e seu lado mais condenável. Minha nota: 8,5!

Um comentário em “Homem-Formiga e a Vespa – Opinião – Sem Spoiler

  • 21 de setembro de 2018 em 23:28
    Permalink

    Fazendo uma visitinha por aqui.
    Depois da uma passada na minha página que eu tenho algo muito bom mesmo, vale apena conferir.
    Abraço.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *