Moradores do bairro da Aldeia denunciam irresponsabilidade de construtora

Poeira causada pelos buracos feitos pela empresa invade residências, prejudicando saúde dos moradores

Os moradores do bairro da Aldeia, na área central de Santarém, oeste do Pará, ao se pronunciarem à nossa reportagem, mostram revolta e indignação contra a empresa Carmona Cabrera, que está fazendo o serviço de colocação da tubulação de esgotamento sanitário, que irá ter como destino a Estação Elevatória de Esgoto (EEE), na Travessa Assis de Vasconcelos, próximo à Avenida Tapajós (Aldeia). A obra faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento II (PAC).

Os moradores denunciam o péssimo serviço que está sendo feito pela empresa, que está quebrando o pouco de asfalto que existe nas ruas desse bairro e quando terminam o serviço, cobre os buracos com areia e, em alguns locais, com cimento. Além disso, segundo os moradores, os trabalhadores da empresa estão quebrando as calçadas feitas pelos moradores e não repõem o serviço.

O pior de tudo, é a poeira que está exalando no local, onde muitas pessoas estão tendo problemas de saúde, pois exalam essa poeira que sai das ruas. Isso sem falar no prejuízo dos proprietários de veículos, que estão tendo problemas com peças quebradas e a sujeira que esses veículos ficam.

O morador da Trav. Augusto Montenegro, Márcio Batista, diz que esse serviço que está sendo feito por essa empresa não terminará e as ruas do bairro ficarão intrafegáveis. “Isso é uma vergonha. A Prefeitura deve cobrar dessa empresa um serviço de qualidade. Nós estamos sofrendo problemas de saúde, pois temos que conviver com essa poeira que sai das ruas e entra nas nossas casas. Já fui hospitalizado várias vezes depois que essa obra começou. Essa construtora tem que ser investigada, pois está quebrando até as calçadas das residências e não refaz o serviço. Além da poeira e dos buracos que ficam nas ruas, os proprietários de residências têm que pagar para consertar suas calçadas. Isso está errado. O Ministério Público deve entrar em ação e punir a irresponsabilidade dessa empresa, que está fazendo um péssimo serviço e deixando os moradores do bairro com problemas de saúde”, disse o aposentado Márcio Batista.

Outro morador insatisfeito, é o senhor Francisco Rodrigo, que também alega a presença constante de poeira no interior da sua casa por conta dessa obra mal feita. “Eles continuam quebrando o asfalto, se fosse para resolver o problema logo após quebrar o asfalto, seria bom, mas nosso sofrimento se perpetua em pleno centro da cidade. Até quando vamos sofrer com essa situação? Em nosso bairro o trânsito de veículos é constante, acompanho todos os dias motoristas xingando os responsáveis pela obra e as péssimas condições das ruas, isso quando não são peças de seus veículos que acabam se destruindo em meio aos indesejáveis buracos. Lamentável”, desabafou.

SAIBA MAIS: Segundo informações da Seminfra, a empresa responsável pela obra, Carmona Cabrera, iniciou o serviço de ligações de rede de esgotamento sanitário, que será ligada ao coletor tronco e agora também já estão trabalhando na EEE. “A partir disso, todos efluentes serão direcionados, através da linha de recalque, até a Estação de Tratamento, que está localizada na Avenida Borges Leal, no bairro do Mapiri, onde será feito o tratamento. Depois de pronta a EEE terá a capacidade de bombeamento de 530,79 m3/h de esgoto”, explicou.

No projeto de esgotamento sanitário estão previstas 4.398 ligações domiciliares nos seguintes bairros: Aldeia, Centro, Santa Clara, Aparecida e Santíssimo.

O serviço faz parte do PAC II, coordenado pela Seminfra, contrato nº 350.963-47. Nas obras constam: construção do coletor tronco, ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), construção da Estação Elevatória de Esgoto (EEE), construção da Linha de requalque por gravidade, ligações de rede de esgoto e 225 metros de orla.

Por: Jefferson Miranda

Fonte: RG 15/O IMpacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *