Notícia da OAB – Ed. 1216 – ALBERTO CAMPOS: “COM ADVOCACIA VALORIZADA, SOCIEDADE ESTARÁ MAIS FORTALECIDA”

Por: Jefferson Miranda
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção do Pará, Dr. Alberto Campos, esteve na redação da TV Impacto e Jornal O Impacto, ocasião em que falou sobre a eleição para a presidência da OAB do Estado do Pará e também da Subseção de Santarém
“Primeiramente, queria agradecer o espaço. Todas as vezes que venho a Santarém sempre nos é cedido esse espaço de muito prestígio em toda região. É importante nós termos esse canal de divulgação de tudo o que fazemos, eu e o presidente Ubirajara à frente da Ordem dos Advogados de Santarém, então, realmente é uma satisfação enorme estar mais uma vez aqui. Agora, é um momento importante para a advocacia do nosso Estado, porque nós estamos em um período pré-eleitoral, o edital convocando as eleições será publicado no dia 1º de outubro e as eleições marcadas para o dia 28 de novembro. Geralmente as eleições iniciam a partir do dia 15 de novembro, este ano como coincidiu com as eleições gerais, o TRE só pode fornecer as urnas eletrônicas após a quarentena, então, a partir do dia 28 de novembro é que eles poderiam ceder às urnas e nós marcamos logo no primeiro dia, dia 28 para realizar as eleições. Nós estamos aqui em Santarém, na verdade, vindo de uma caminhada pelo Oeste do Pará, fomos a Novo Progresso, lá lançamos a pedra fundamental de construção da sede da Subseção, um local muito bonito de frente para o lago para quem conhece Novo Progresso; em seguida fomos a Itaituba, reunimos com os colegas advogados, fizemos uma visita inclusive à Seccional de Polícia Civil lá de Itaituba; e agora estamos aqui para amanhã (5ª feira), às 18 horas, fazermos o lançamento da minha pré-candidatura como candidato à presidente da Seccional em reeleição e com o presidente Ubirajara também candidato à reeleição na Subseção aqui de Santarém, com o nosso slogan “OAB segue em frente”, que é realmente uma marca nossa que precisamos cada vez mais avançar, evoluir em todos os serviços que nós oferecemos, não só advocacia, mas a sociedade civil como todo. Você, inclusive, é testemunha do trabalho que o presidente Ubirajara tem feito em prol da sociedade santarena e do Oeste do Pará, porque o Ubirajara não é só presidente da Subseção de Santarém, na verdade, ele é um líder da advocacia em todo Oeste do Estado, reconhecidamente, inclusive pelos presidentes das subseções, que via de regra pedem auxílio ao presidente Ubirajara todas as vezes que se veem envolvidos em algum tipo de dificuldade. Realmente é um presidente de Subseção que está sempre à disposição da classe, sempre à disposição da sociedade, abrindo mão inclusive do convívio familiar para se dedicar à nossa Instituição. Mais do que qualquer pessoa, o presidente Ubirajara merece estar hoje à frente da Instituição e merece ter mais três anos para que nós possamos também, como diz o nosso slogan, “continuar seguindo em frente”, disse Dr. Alberto Campos.
O presidente da OAB do Pará falou dos avanços nas ações da OAB nesses últimos três anos. “Investimos muito em qualificação profissional. Hoje, a maioria dos advogados e advogadas inscritos na nossa Intuição estão em início de carreira. Nós precisávamos qualificá-los ainda mais, eles vêm obviamente com uma boa qualificação dos bancos acadêmicos, tanto que Santarém tem aprovado uma quantidade expressiva de novos advogados e advogadas nos exames da Ordem, mas eles precisam ter consciência, os jovens advogados, que não acaba o estudo quando você passa no Exame de Ordem. Na verdade, você precisa se especializar cada vez mais. Um advogado ou advogada melhor qualificado, tem melhores condições de ter uma posição no mercado de trabalho, que hoje realmente não está cheio como dizem por aí para tentar desanimar os jovens advogados. Mas é claro que está cada vez mais especializado. Então, o advogado precisa realmente tomar muito cuidado com a qualificação profissional e isso nós procuramos fazer através da Escola Superior da Advocacia, é um trabalho magistral da Professora Cristina Lourenço, obviamente que em parceria com subseções, pois sem as parcerias seria impossível nós oferecemos a quantidade de eventos jurídicos que oferecemos nesses últimos dois anos e meio. Essa foi uma das nossas grandes Bandeiras e obviamente que ao lado da defesa da sociedade civil que o presidente Ubirajara faz com muita maestria, mas para nós a defesa intransigente das prerrogativas tem sido realmente não só preocupante, mas tem sido uma bandeira que nós temos tomado muito cuidado para defender, porque cada vez mais nós verificamos que não só em razão da quantidade de advogados e advogadas inscritos na OAB, mas há sempre uma dificuldade de relacionamento, porque nós estamos vivendo um momento de mudança na forma do processo, que está passando de físico para digital e as relações humanas estão ficando cada vez mais distantes. Você não se relaciona mais para as pessoas, é só no processo digital e isso está causando uma dificuldade de relacionamento entre advogados, serventuários da Justiça, magistrados, membros do Ministério Público e nós precisamos combater isso. Como é que se combate isso? Se combate estando presente cada vez que há um conflito entre um advogado ou advogada e algum ente do processo ou algum serventuário da Justiça, a OAB precisa de imediato estar lá para resolver de forma mais amistosa possível o problema. A gente tem evitado transformar os conflitos em representações, temos procurado, na verdade, dar esse atendimento imediato. O presidente Ubirajara tem feito muito isso, porque ele realmente quase que está de plantão lá na Ordem, e tem claro, um grupo de advogados que são conselheiros da Subseção que estão lá para apoiar todas as vezes que um advogado ou uma advogada estiver com dificuldades no exercício da profissão”, declarou.
Tem um ponto que eu gostaria também de colocar aqui. Recentemente houve uma decisão da Justiça proibindo a Penitenciária Agrícola de Cucurunã de receber novos presos em razão da superlotação e acompanhei a preocupação da OAB, tanto a nível estadual como também no caso a Subseção, através a Comissão de Direitos Humanos. Há preocupação em relação a essa situação não só da superlotação, como também da acomodação feminina, que, aliás, foi conquistada depois de muita luta? Perguntamos.
“Não só ela, mas também a Delegacia. A integridade física da mulher também foi uma conquista do presidente Ubirajara, através de muitas gestões junto à Secretaria de Segurança Pública. Mas essa questão dos presídios no Brasil, no Estado do Pará especificamente, é de fato preocupante. Na medida que você tem mais de 60% desses presos provisórios, não temos uma quantidade expressiva de presos já cumprindo pena. Esses presos poderiam estar, por exemplo, sendo observados através de medidas cautelares diversas da prisão e estão ali participando do que eles chamam de “Universidade do crime”, sendo contaminados por aqueles que já estão ali cumprindo pena há mais tempo por crimes diversos. Então, isso é uma cultura que realmente o Judiciário precisa combater. Prender por prender, quando na verdade o importante é você se preocupar com a ressocialização dos presos e não com a prisão cautelar. Tem outras medidas que o Código de Processo estabelece para se evitar ao máximo essa contaminação da pessoas junto a outros que estão ali já praticamente com mestrado e doutorado no crime”, alertou Alberto Campos.
O presidente da OAB do Pará falou sobre os avanços para a região Oeste do Pará se for reeleito. “Como diz o slogan, nós precisamos seguir em frente com mais valorização da advocacia, pois uma advocacia mais valorizada é a certeza de que a sociedade civil estará mais fortalecida. Então, nós precisamos continuar investindo em qualificação profissional, nós precisamos continuar investindo em infraestrutura, o advogado e a advogada precisam ter na Ordem essa parceria para que possa continuar exercendo a sua profissão com dignidade. São esses espaços que estamos construindo, são outros que nós reivindicamos nos fóruns e nas delegacias de Polícia para que o advogado e a advogada possam exercer a sua profissão com dignidade. Nós precisamos seguir em frente, avançando ainda mais em qualificação profissional, em defesa das prerrogativas e no respeito e valorização da advocacia. São os nossos principais motivos que nos levaram inclusive a aceitar essa indicação para disputar uma eleição e tentar ficar à frente da Instituição em nível Estadual por mais três anos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *