Denúncia do Jornal O Impacto gera CPI na câmara de Belterra

Ulisses Medeiros lidera vereadores pedindo CPI contra ex-secretária Elizelma

Provando mais uma vez que é legítimo representante dos anseios populares, o Jornal O Impacto serve de instrumento para desvendar desmandos e os caminhos da corrupção na Prefeitura de Belterra. Por conta dessa luta sem tréguas, mostrando os bastidores das negociatas feitas por quem deveria proteger os diretos populares, mas age ao contrário, se apossando dos direitos e bens populares, é que uma CPI foi instalada na Câmara. A partir dessa denúncia, que resultou em instalação de CPI, a população belterrenses vai ter oportunidade de comprovar quem realmente trabalha em favor do povo e quem sente prazer em enriquecer às custas de maracutaias, com o dinheiro que deveria ser usado em benefício do povo. Eis parte do oficio que foi enviado à nossa redação, comunicando a instalação da CPI que promete revelar muita sujeira em várias secretarias municipais, especialmente a Secretaria Municipal de Saúde, na gestão da atual vereadora Eliseuma Macedo.

“As matérias em forma de denúncia publicada pelo Jornal O Impacto, Edição 839, de 24 de junho de 2011, em sua página 9 (cópia 1), que mereceu destaque também na capa do citado periódico com a manchete “SECRETÁRIA DE SAÚDE ACUSADA DE NEPOTISMO”, e Edição 834, de 29 de julho de 2011, em sua página 06 (cópia 1), que acusa a secretária de improbidade administrativa, após distribuir “CHEQUES SEM FUNDO” de além da foto da atual titular dessa Pasta, vereadora licenciada ELISEUMA MARIA MECEDO DE SOUSA (cópia 2), tem causado grande repercussão negativa em nossa cidade.

Como se trata de uma parlamentar à disposição do Poder Executivo, e que apenas temporariamente se encontra ausente deste contexto, há também entre nós vereadores o sentimento da impactação pela dimensão e efeitos que a acusação vem causando à sociedade. Aliás, que nos seus mais variados modos nos tem cobrado um posicionamento sob pena de nos impor a pecha da convivência.

Diante desses “artefatos explosivos”, dos deveres e prerrogativas que temos regimentalmente com relação ao assunto: IMPROBIDADE E NEPOTISMO. Aliás, neste caso, por tratar-se de prática vedada pelo DECRETO Nº 7.203 DE 04.06.2010, não há como deixarmos de admitir a necessidade de que os fatos sejam apurados e esclarecidos uma vez que a perplexidade, a indignação e esse anseio popular só têm crescidos nos últimos dias.

 Diante de denúncias jornalísticas e das suas circunstâncias, os signatários abaixo assinados, vereadores com assento nesta Casa, vem, de conformidade com o art.32, §§ 1º e 2º da Resolução 002/98. De 17.11.1998 (Regimento Interno) e artigos 23 e 24 da Lei Orgânica Municipal. Propor a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) com o objetivo de apurar a responsabilidade da Secretária Municipal de Saúde, Vereadora licenciada Eliseuma Maria Macedo de Sousa, nas ocorrências que deram causa a referida denúncia.

O pedido de CPI, datado do dia 01 de agosto de 2011, está assinado pelos vereadores Ulisses José Medeiros Alves, Laurinda Motta, Maria Creunilda Ribeiro e Reginaldo Soares Lobo.

Por: Carlos Cruz

Um comentário em “Denúncia do Jornal O Impacto gera CPI na câmara de Belterra

  • 8 de agosto de 2011 em 09:48
    Permalink

    VALMIR CLIMACO, A OVELHA NEGRA NO ESTADO DO TAPAJÓS.

    Valmir não recebeu Edivaldo
    O professor Edivaldo Bernardo, coordenador do Instituto Cidadão Pró-Estado do Tapajós (ICPET), ficou a semana inteira em Itaituba dando aulas. Desde quarta-feira passada ele tentou em vão ser recebido pelo prefeito Valmir Climaco. Falou com o diretor de Indústria, Comércio e Turismo, Patrick Sousa, para Jubal Cabral, mas, não conseguiu.
    Edivaldo, com quem conversei por volta de uma hora da tarde, viajou para Santarém, muito decepcionado. Ele foi convencido de que o prefeito de Itaituba não é favor da criação do Estado do Tapajõs. Segundo ele, a comportamento do gestor itaitubense levou-o a pensar que o mesmo é contra.
    Acorda prefeito, o Estado do Tapajós será o maior investimento na região Amazônica.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *