Informe RC

VÃO LEVAR NO LARI-LARI

A morte da Juíza Patrícia Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, defensora da sociedade no estado do Rio de Janeiro, onde a PM é tida como mais violenta e a que mais mata no mundo, caminha, para desgosto de seus colegas e do Judiciário brasileiro a ficar na estatística, apesar das evidencias, desde o dia do crime (12), recair a autoria a policiais militares ligados a grupos de extermínio e ao crime organizado, já que as balas deflagradas no corpo da magistrada pertencem a lote comprado pela PM carioca, constatado por perícias técnicas da Polícia Civil. O difícil vai ser apontar os autores do atentado, por desmoralizar a própria Polícia, conivente com dezenas de outros crimes ainda não esclarecidos. Para a Polícia, o assassinato da Juíza não faz diferença a um Manoel ou um Chico qualquer, estão acostumados a matar. Vão levar no lári-lári até o caso cair no esquecimento, assim tem sido.

BOM A POLÍCIA AGIR

Com população superior a dezena de sedes de municípios espalhados pelo interior do Pará, aumentada 5 ou 6 vezes às vésperas de feriados e fins de semana, a Vila de Alter do Chão sente não existir um efetivo policial maior, uma melhor prestação de serviços aos turistas e a falta de higiene na Ilha do Amor. Há anos seus moradores nativos reclamam da presença de grande número de hippies “quase residentes”, transformando o balneário (à noite) num imenso fumaçal pelo uso excessivo da maconha, assim como a Capitania dos Portos pelo descaso com a existência de lanchas e jet-skis, tirando o sossego dos banhistas. Sábado e domingo um incêndio criminoso destruiu todo o cenário do filme Tainá 2 às margens do Lago Verde e os proprietários de imóveis na Vila, residentes em Santarém, temem de suas casas terem o mesmo destino. Como desgraça só quer começo, bom a Polícia agir.

PEGA MAL

Nada contra, cada político, quando dispõe de nomeações ou permanência em cargos no governo a seus afilhados escudados num mandato, aja da maneira que quiser para aumentar o conceito de seu partido junto a eleitores. Algumas indicações quando dão erradas causam danos políticos ao padrinho. Há setores, na visão de pessoas esclarecidas, que não podem e nem devem ser aparelhadas politicamente por prestarem serviços à sociedade, indiferentes a coloração política como a Segurança Pública. Em Santarém e na região Oeste está se tornando prática delegados de Polícia “advogados” se filiarem no partido da situação ou aos de sua base política para permanecerem no cargo e evitarem transferência. Não existe lei proibindo, mas que pega mal “tira”, ser filiado a partido, pega.

PAGANDO O PATO

Com crise ou sem crise a desculpa é a mesma (instabilidade econômica), desta vez acrescida de mundial. Os aposentados e pensionistas da Previdência Social INSS, percebendo acima de 1 salário mínimo, vão ter no governo da companheira Dilma o mesmo tratamento recebido nos 8 anos do governo do ex-presidente Lula: a corrosão de seus salários como vem ocorrendo há mais de 10. Na Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2012 a excelência vetou artigo tirando a possibilidade de reajuste acima da inflação, nada de ganho real como foi prometido para recompensar perdas passadas, anualmente levando na conversa 10 milhões de famílias prejudicadas. As promessas de campanha o vento levou, e como sempre, o dinheiro do aposentado paga o pato e parte do custo da corrupção.

FAXINA PRA VALER

Todos os ministros do governo da companheira Dilma acusados de corrupção e desvio de condutas pela mídia investigativa que negaram jurando inocência, caíram (3) “Casa Civil, Transportes e Agricultura”, diante das fortes evidências dos fatos colocados como prova, exceção do ex da Defesa, Nelson Jobim, exonerado por falar demais e atingir colegas de Ministério, sem mentir. Sem contar com os futuros ex do Turismo, Desenvolvimento Agrário e Cidades, a bola da vez é o titular das Comunicações, Paulo Bernardo “PT”, esposo da ministra da Casa Civil, acusado de fazer vôos em jatinhos particulares (assim como o da Agricultura) de construtora prestadora de serviços ao governo, beneficiado com aditivo em contrato, quando ministro do Planejamento no governo Lula. O ministro nega, mas a vice líder do PMDB na Câmara Federal, exige uma faxina pra valer, não de mentirinha, igual para todos os partidos. Governabilidade custa caro, quem paga é o lascado: o povo.

ESCANDALOSO

Empresas “a maioria” de recolhimento de lixo e distribuidoras de medicamentos com prefeituras sempre tiveram relacionamentos pecaminosos. O Diário Oficial da União, início do mês, publicou extrato do contrato entre a de Tucurui e a Clean Gestão Ambiental, para coleta de lixo e entulho na cidade, beirando 20 milhões de reais no período de 1 ano, correspondente próximo a 1 milhão, 670 mil reais/mês. A área a ser atingida pelos papas-lixo da Clean não vai alcançar 100 mil habitantes, menos da metade dos residentes em Santarém feitas pela mesma empresa num preço muito menor durante 3 anos, o que não explica o custo astronômico cobrado da prefeitura de Tucurui. Lá o povo deve ser pacato, não deve ter câmara de vereadores, delegacia de Polícia nem Ministério Público para denunciarem o prefeito. Este contrato devia ir para o Livro dos Recordes.

ESPERANDO A BOA VONTADE

A Juíza da Vara Agrária de Marabá determinou a reintegração de posse de 4 fazendas ocupadas por “movimentos sociais” no Sudeste paraense, e a decisão da magistrada Cláudia Favacho está sendo cumprida à risca, desalojando centenas de famílias ligadas ao MST e FETRAF com ajuda da Polícia Militar. Em Santarém, as áreas de terras invadidas por espertalhões usando desavisados na Rodovia Fernando Guilhon, dando um aspecto ruim de favelação na entrada e saída da cidade, também os proprietários tiveram mandatos de reintegração concedidos pela Justiça, só que ainda não foram cumpridos, no aguardo da boa vontade do comandante geral da PM, para o 3º BPM agir. Quando?

NÃO VIRAR POTOCA

O Vereador verde “PV” Valdir Mathias, vai ter de lutar se a lei de sua autoria aprovada na Câmara (unanimidade) proibindo circulação de veículos automotores nas praias públicas do Município, a ser sancionada pela prefeita Maria do Carmo, para não virar potoca “falta de fiscalização”, apesar de estar sendo questionada de maneira prematura por dirigente de entidade, congregando a categoria dos jipeiros, os quais em todo verão levam terror a moradores das comunidades localizadas às margens do rio Tapajós entre Santarém e Alter do Chão e famílias freqüentadoras das praias próximas a cidade, como ocorre com a Delegacia Fluvial de Santarém (Marinha), relacionado a jet-skis e lanchas circulando próximos a banhistas, em alguns casos ocasionando vítimas fatais.

FALTA AJUDA

Ultimamente a região Oeste paraense tem freqüentado com louvor as páginas policiais como das mais violentas do Estado, proliferando diariamente, assaltos, crimes, tráfico de drogas, desovas de carros e motos vindos de outros estados, trafegando normalmente nos municípios da área, com menção honrosa a Novo Progresso, Altamira, Itaituba e outrora a pacata Oriximiná. Isso sem contar com ocorrências menores neste roseiral de delinqüências mais graves, como pedofilia, prostituição infantil, agressões a mulheres, algumas seguidas de mortes e invasões a propriedades privadas. Os órgãos encarregados da segurança da população não têm dado trégua à bandidagem, mas não tem recebido dos governos a atenção merecida a seus desempenhos, principalmente a Polícia Federal, a mais produtiva. Se não tiverem ajuda a situação tende a piorar.

O PRIMEIRO JÁ FOI PUNIDO

Não causou surpresa, embora caiba recurso ao TSE, a decisão tomada na terça pelo Pleno do TRE de cassar a unanimidade o diploma de Deputado Estadual e registro eleitoral do conhecido Chico da Pesca “PT” em ação proposta pelo Ministério Público Eleitoral, baseado em dados colhidos pela Polícia e Ministério Público Federal, acusado de compra de votos, corrupção e da fabricação de mais de 100 mil pescadores para faturar Seguro Defeso, quando superintendente da Pesca no Estado, trocados por votos nas eleições de 2010, onde foi o 5º mais votado juntamente com seu parceiro de crime, Fernando Coimbra “PDT”, ainda a ser julgado pelo TRE, beneficiando com votos o federal Miriquinho Batista “PT”, todos enrolados por terem participado ao assalto aos cofres da “viúva”, estimado (por baixo) em 40 milhões, comandado pelo cassado.

MUDOU DE MÃO

Dirigido por indicados do partido há quase 10 anos e disputada por tendências internas da legenda, não deve ter sido bom politicamente ao PT a perda da Superintendência do INCRA na região Oeste paraense para o PMDB, a nome apontado (Francisco Carneiro) pelo federal José Priante, com atuação política na área, às vésperas de ano eleitoral, onde milhões de reais abarrotam os cofres do órgão em Santarém, destinados a “política agrária do governo”. Aqui, as direções têm sido alvos constantes de denúncias de corrupção, existência de assentamentos e assentados fantasmas, construções de casas, falta de infraestrutura nos lotes e de vez enquando grupos de “produtores rurais” desfilam pelas ruas da cidade com faixas “elogiosas” ao superintendente e no final de suas manifestações invadem suas dependências.

PARCEIRO RUIM

Presidente das sub-secções da OAB na região, desejosos de concorrerem a reeleição e na última eleição deram apoio ao atual dirigente no estado, Jarbas Vasconcelos, maioria críticos a seus comportamentos, alguns tidos como aloprados, prejudiciais a entidade, como brigar com a Justiça, governo estadual, promover passeatas com cunho político e a venda do imóvel da sub-secção de Altamira, tornada nula, por ter sido feita de maneira ilegal e açodada, assim como falsificação da assinatura do atual vice da Ordem, não desejam tê-lo como escudeiro maior numa nova eleição, mesmo pensamento da maior parte dos colegas. Jarbas pensa ao contrário, já é candidato a reeleição e contar com ajuda de 80% da classe dos advogados. Pelo menos em Santarém e Altamira esta aceitação não é bem assim.

PANTERA MAL DE MORTE

Enquanto a solicitação do advogado Jubal Cabral, membro do Conselho Deliberativo do São Raimundo Esporte Clube, à Justiça, em mãos do Juiz da 5ª Vara Cível aguardando despacho na ação que pede afastamento da atual diretoria com a formação de junta governativa para apurar avanços e desmandos da atual, não sai, o Pantera caminha para o abismo, colocando em risco seu patrimônio devido a irresponsabilidade de alguns de seus dirigentes. Como se não bastasse débitos acumulados (altos), inclusive com a Justiça do Trabalho, a vergonhosa participação na Série D do Campeonato Brasileiro, na terça foi tornada pública pela imprensa mais uma trapalhada grave: o presidente licenciado, Rosinaldo do Vale, antes de sair de férias (4 meses), haver recebido, sem prestação de conta, perto de 100 mil reais antecipados do aluguel de sua sede social e do estádio onde são promovidos shows até final de dezembro. Assim o Pantera morre.

Por: Ronaldo Campos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *