Homem é brutalmente assassinado com tiros

Cabeludo foi atingido à queima-roupa com tiros de cartucheira

A violência não conhece limites, nem mesmo as fronteiras sagradas do lar. Foi por isso que Leandro Bueno Silva, conhecido por “Cabeludo”, foi brutalmente assassinado quando estava em sua residência. O bárbaro crime teria acontecido por volta 23:00 horas do último domingo, dia 11, no município de Novo Progresso. Segundo informações, Leandro “Cabeludo” já havia sido ameaçado de morte anteriormente; mesmo prevendo que vivia seus últimos dias, não conseguiu fugir da crueldade dos frios assassinos, que invadiram sua residência no bairro Canaã fortemente armados e dispararam tiros de espingarda à queima roupa. Pela quantidade de furos pelo corpo, a Polícia acredita que pode ter sido feita por espingarda calibre 12.

Os dois assassinos chegaram em uma motocicleta e atiraram por trás, não deixando a vítima se defender. Após os tiros, vizinhos chamaram o SAMU e Leandro foi hospitalizado no Hospital Municipal, onde ainda chegou com vida e passou por cirurgia, mas não conseguiu resistir e morreu  na manhã de segunda-feira (12/09).

Segundo testemunhas, motoqueiros não identificados chegaram em uma moto azul, provavelmente uma “Broz”, com roupas cobrindo o corpo todo e de mangas compridas, encapuzados, dificultando sua identificação.

Segundo informações do jornalista Adécio Piran, Leandro trabalhava com o vereador Wagner Lopes (PR). Para nossa reportagem, o Vereador desmentiu e disse que Leandro era seu amigo e nunca teve qualquer problema de ameaça de morte. “Nunca presenciei qualquer coisa que levasse alguém a fazer tamanha brutalidade com ele. Mesmo reconhecendo que ninguém mata sem motivos, afirmou. O Vereador disse que: “Por eu sempre andar com ele não quer dizer que tenha vínculo de emprego. Ele tem uma frente de trabalho em um garimpo ao lado do meu. Fora disto, nada tenho com Leandro”, finalizou o parlamentar municipal.

“Cabeludo” também trabalhou com o ex-prefeito Tony Fábio e com a empresa “Transterra”, que prestava serviço no Município.

Por: Carlos Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *