Após denúncia de abuso, PA revisa cadastro de visitantes de presídios

A Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) do Pará anunciou que começou a revisar o cadastro de todos os visitantes das unidades prisionais do estado com o objetivo de descobrir irregularidades ou visitas ilegais que estejam ocorrendo.

A decisão ocorre após a denúncia de uma garota de 14 anos que passou quatro dias sofrendo abusos sexuais de presos até conseguir fugir da Colônia Agrícola Heleno Fragoso, na zona rural do município de Santa Izabel do Pará (a 50 km de Belém).

Segundo a Susipe, além disso, novas inscrições de visitantes terão maiores exigências e serão conferidas por servidores treinados.

No sábado (17), quando o caso foi divulgado, 20 funcionários da unidade prisional, além do diretor da Colônia, foram exonerados. Na terça-feira (20), o major Francisco Mota Bernardes também foi exonerado do cargo de superintendente da Susipe.

O novo chefe dos presídios do Pará, o também major da PM Mauro Barbas, determinou que agentes da Susipe, com apoio da Polícia Militar, realizem revistas em todas as casas penais para verificar irregularidades. Nas revistas foram encontradas armas brancas, drogas, e celulares. Agentes que faziam parte de esquema de repasse de celulares a detentos foram presos.

Após fugir da colônia penal em Santa Izabel do Pará, a garota prestou depoimento à Polícia Civil e afirmou que, além dela, outras duas menores também estariam dentro da unidade tendo relações com os presos, diz o delegado responsável pelo caso, Fabiano Amazonas, da Divisão de Atendimento ao Adolescente. A colônia agrícola abriga 350 presos. A Susipe fez uma busca na colônia penal, mas as garotas não foram encontradas.

O delegado agora investiga quem foi a mulher que aliciou as meninas para que ingressarem irregularmente no presídio e fossem abusadas pelos detentos.

A Polícia Civil também trabalha para identificar os presos que participaram dos estupros. Segundo a Susipe, os investigadores ainda não solicitaram o depoimento de detentos sobre o caso.

O novo superintendente anunciou que até o fim da semana um novo diretor deverá ser designado para a lotação. “O primeiro passo será tomar pé da situação para podermos designar esse novo diretor para a colônia. Também assumo o compromisso de intensificar a preparação dos nossos agentes prisionais”, disse Barbas.Em uma área de 120 hectares, a colônia Heleno Fragoso abriga atualmente 311 internos, divididos em oito alojamentos

Segurança
Relatórios endereçados à Susipe enviados pela direção da colônia penal antes dos presídios mostram históricos de fugas, a entrada de mulheres nos alojamentos e suspeitas de tráfico de drogas e de armas.

No inicio do mês, a direção da unidade informou em um memorando que adolescentes frequentavam a colônia e que não iria permitir que a unidade se tornasse uma “casa de prostituição”. O documento também alerta sobre a existência de armas de fogo nos alojamentos e diz que os agentes prisionais estavam sendo ameaçados por detentos. No ultimo domingo (18), após uma revista, um dos agentes prisionais anotou no livro de ocorrências a presença de seis mulheres no alojamento.

Do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *