Bispo Dom Esmeraldo confirma seu apoio ao Tapajós

Dom Esmeraldo recebeu equipe do Comitê

“Eu sei que com o Estado do Tapajós, as mudanças não virão imediatamente como num passe de mágica, mas com certeza, pior do que está não vai ficar”, disse o bispo Dom Esmeraldo, durante reunião com membros da Frente Pró-Tapajós, realizada na manhã de ontem, sexta-feira (07/10), na Cúria da igreja matriz de Nossa Senhora da  Conceição. Participaram do encontro com o bispo os membros da Frente: Alberto Oliveira, Francisco Lopes, Luis Azevedo, Ednaldo Rodrigues, Erasmo Maia, Henderson Pinto, Reginaldo Campos e Hermes Bessa.

Durante a reunião o bispo Dom Esmeraldo, pediu uma avaliação geral das atividades que a Frente vem desenvolvendo, para entender a dinâmica da campanha e saber o que de fato ainda precisa ser feito, para garantir o sucesso da criação dos novos estados. Sobre a campanha, Erasmo Maia explicou ao bispo que está sendo priorizada a estrutura de marketing e propaganda para todas as regiões envolvidas no Estado. Francisco Lopes, falou sobre o processo de instalação dos comitês nos municípios que irão compor o Estado do Tapajós e Henderson Pinto, e reafirmou que através desse trabalho é possível que cada prefeito mobilize seu município e faça um trabalho de conscientização junto à população.

Importância – Os membros da Frente ressaltaram a importância da participação das Igrejas no movimento. Na ocasião, Alberto Oliveira falou que por ser a Igreja Católica uma multiplicadora de idéias, tem um papel fundamental nesse processo. Reginaldo Campos usou o exemplo bíblico do episódio do Mar Vermelho para falar sobre a necessidade da criação do Estado do Tapajós, comparando o anseio da população do oeste paraense com a coragem do povo hebreu sair do Egito em busca da Terra Prometida. 

Ednaldo Rodrigues agradeceu o apoio que o Bispo tem dado à luta, desde que tomou conhecimento do movimento para a criação do estado do Tapajós, inclusive com manifestação pública durante a festa do Santíssimo Sacramento. O bispo Dom Esmeraldo, ao reafirmar seu apoio ao movimento, disse que veio da cidade de Santo Antônio de Jesus, na Bahia, e não entende como lá “mesmo sendo uma área de seca, a qualidade da água é dez vezes melhor do que a água de Santarém, apesar desta estar situada às margens dos rios Tapajós e Amazonas”, o que demonstra, em sua opinião que o anseio da população pela criação do novo estado, é legítima.

Fonte: RG 15/O Impacto 

Um comentário em “Bispo Dom Esmeraldo confirma seu apoio ao Tapajós

  • 8 de outubro de 2011 em 12:16
    Permalink

    A EMANCIPAÇÃO DO ESTADO DO TAPAJÓS E CARAJÁS SERÁ O MAIOR INVESTIMENTO NA AMAZÔNIA.

    No dia 11 de dezembro o Brasil verá, pela primeira vez, o povo se manifestando num plebiscito sobre a reorganização territorial e criação de novos Estados. Todos os demais Estados criados após a Independência foram resultado de decisões autoritárias. O Tocantins seria a exceção, mas neste caso quem se manifestou foi o Congresso constituinte e não o povo.

    Mato Grosso foi dividido por uma canetada do general-presidente Figueiredo. Amapá, Acre, Rondônia e Roraima foram decisões do ditador Getúlio Vargas que os fez Territórios Federais depois transformados em Estados pelos constituintes de 1988. Muito antes, dom Pedro II criou Paraná e Amazonas. A própria capital federal, Brasília, cujo território foi retirado de Goiás, foi decisão solitária de Juscelino Kubistchek, projeto que enterrou o país na onda inflacionária que até hoje nos atemoriza.

    O plebiscito pelo Tapajós e Carajás é, portanto, uma experiência sócio-política inédita e por isso o Brasil deveria prestar mais atenção, ao invés de as elites nacionais, especialmente a \”grande\” imprensa, ficarem desdenhando e externando o seu conhecido preconceito a respeito de tudo que se faz e tenta fazer na Amazônia. Seu preconceito só não se manifesta em relação ao saque dos recursos naturais daqui para lá.

    Os que se opõem usam os mesmos surrados argumentos do passado, de que uma nova unidade autônoma sairia muito caro. Caro ao país é o projetado \”trem-bala\” Rio-S.Paulo, bilhões que poderiam ser empregados na construção de rodovias e ferrovias decentes por todo o país.

    Caro aos milhões de amazônidas são os mega-projetos de gigantescas hidrelétricas e de mineração que carregam as riquezas da região para fora, muito pouco ou nada deixando aos brasileiros da Amazônia, tão brasileiros quanto os demais. Caro, caríssimo ao Brasil é a percepção de governos tanto ditatoriais como democráticos que continuam a encarar a região como colônia do Brasil e do grande capital, nacional e estrangeiro.

    Bilhões estão sendo gastos para despoluir o rio Tietê, em São Paulo, bilhões estão sendo gastos para o Rodoanel, em São Paulo, bilhões serão gastos para o trem bala em São Paulo, bilhões estão sendo gastos em reforma de aeroporto em São Paulo, e o povo do Pará pensam que estão pendindo demais ao governo federal duas novas capitais, Santarém e Marabá.

    São Paulo tem 70 deputados federais , o Estado do Tapajós terá 8 e Carajás 8.
    Estão reclamando do que ?
    Como o Pará pensa pequeno !
    São Paulo não é grande, mas é maior que o Pará.

    SIM AO NOVO PARÁ.
    SIM AO DESENVOLVIMENTO

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *