JATENE NÃO VALORIZA EDUCADORES

A desvalorização dos professores por parte do Governador do Estado, Simão Jatene, é lamentável. Eles não costumam mais serem lembrados como eram antes. A profissão já não gera tanto interesse. É inegável o valor que o professor tem para a sociedade, no que diz respeito à formação de cidadãos mais íntegros e a preparação para o futuro da vida.

A greve em andamento durante os dias de paralisação envolveu o Dia do professor, em 15 de outubro. A data foi celebrada pela primeira vez em 1947, em uma pequena escola de São Paulo. Mais do que ser lembrado, o profissional da educação espera mesmo é ser valorizado, antes de tudo.

Na jornada de trabalho somam cerca de dez horas só em sala de aula. Acrescente-se outras atividades, como elaborar projetos, fazer pesquisas, correção de provas e organização de apostilas. Todas estas tarefas resultam em um salário que não compensa tanta dedicação. Sabemos que atualmente o valor do piso salarial para professores da rede pública de ensino foi fixado em R$ 1.187,97 mensais para 40 horas por semana.

Os professores da rede estadual estão em greve, reivindicando o cumprimento da lei referente ao piso  salarial. A falta de respeito por parte do governo do Estado do Pará, que segue o exemplo de muitos, vem prejudicando quem se dedica ao ensino nas escolas. Membros da administração pública estão mentindo o tempo todo, dizendo que faltam recursos para atender as reivindicações. Todos sabem que dinheiro existe, porém, a educação não é prioridade.

Até o início desta semana professores da rede pública não retornaram às aulas. Continuam em greve e não voltam de imediato. Conforme assessoria jurídica do SINTEPP, não é o Juiz que determina quando se tem de voltar ao trabalho. A decisão é da classe que resolve em assembléia geral quando deve voltar ou não. Os professores vêm reivindicando pagamento imediato da diferença entre o que receberam atualmente e o piso salarial nacional do magistério, determinado em lei no valor de R$ 1.187,97.

Os trabalhadores da educação incluem nas reivindicações a implementação correta do Plano de Cargos, carreira e Remuneração (PCCR). Infelizmente o governador Simão Jatene vem afirmando que concretizou o PCCR, entretanto, a maioria dos que trabalham na educação foi prejudicada pela redução salarial. O fato do Governo do Estado ter recorrido à Justiça, argumentando que o movimento grevista é abusivo, não condiz com a realidade.

Os profissionais da educação já vem tentando negociar com a atual administração do Estado há mais de nove meses. Até o momento não se chegou a uma negociação favorável à categoria, principalmente a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) em 100% do seu conteúdo. Mesmo sendo lei a ser cumprida pelo governo, o piso salarial até o momento só foi pago aos professores R$ 27,00.

Diante de tal situação, a greve já atinge 70 municípios do Pará. Em Belém, a paralisação é de 80%, mesmo que o governo tente enfraquecer com ameaças o movimento em vez de negociar de maneira clara e honesta.

Por: José Alves

4 comentários em “JATENE NÃO VALORIZA EDUCADORES

  • 29 de outubro de 2011 em 14:16
    Permalink

    Os educadores são primordiais na vida escolar e cidadã das pessoas. Sem eles, não existiriam médicos, engenheiros, arquitetos, enfim. O certo seria colocar em cima da tal de Dilma, que fizeram tanto escarcéu pra ele estar no poder, que não está fazendo absolutamente NADA pelo nosso país, a não ser afundá-lo e colocá-lo nas mãos da Privatização. Vejo que nenhum político aqui sai por \’bonzão em administrar\’, um exemplo disso é a governadora Ana Júlia Carepa, que também não fez NADA pela educação no nosso Estado, ou melhor, fez sim, nas propagandas. Esse governo foi uma verdadeira vergonha ! E com certeza, essa \”governadorazinha\” deixou sua marquinha registrada nos cofres públicos do Estado, levando o que podia. A Educação é prioridade, sim, mas com o rombo que a petista deixou fica dificil mesmo valorizar o educador da forma como ele merece. Parabéns servidores pela luta por seus direitos !

    Resposta
  • 24 de outubro de 2011 em 10:01
    Permalink

    Gosto de ler seus ensaios, acredito que voce já esteja aposentado, mas continua a luta pela nossa classe, voce é um exemplo de educador e sindalista.
    Parabens

    Resposta
  • 23 de outubro de 2011 em 12:01
    Permalink

    O Jatene já conhecemos, ele não tem o menor interesse em valorizar a educação pública e os profissionais da educação. Sabemos que o Estado pode pagar sim, ele que se vire, não é ele que é o bonzão pra administrar? Não é ele que seus puxa-sacos o colocam nas alturas como sendo inteligente planejador e administrador? Mostre pra quê o senhor veio? Governe de verdade em favor do povo e pague porque o dinheiro não é seu, ele é público e pare de mentir que isso é feio!

    Resposta
  • 21 de outubro de 2011 em 15:28
    Permalink

    Parabéns ao colunista José Alves e ao JORNAL O IMPACTO pelo belo exemplo de como deve ser a cobertura ética da mídia sobre a GREVE NA EDUCAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL DO PARÁ. VOCÊS ESTÃO PROVANDO QUE É POSSÍVEL FAZER JORNALISMO VERDADEIRO PARA O POVO, SEM AS MENTIRAS COMPRADAS DO GOVERNO DO ESTADO. INFELIZMENTE OS DOIS JORNAIS DE BELÉM SE VENDERAM AO GOVERNO E TENTAM MANIPULAR A OPINIÃO PÚBLICA PARAENSE CONTRA A CLASSE DOS PROFESSORES, COMO SE FOSSEM ESTES OS ÚNICOS RESPONSÁVEIS PELA DECADÊNCIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO PÚBLICA DO PARÁ, COMO SE FOSSEM OS PROFESSORES QUE EMBOLSSASSEM AS VERBAS DO FUNDEB, DA MERENDA ESCOLAR, DO TRANSPORTE ESCOLAR, DA EDUCAÇÃO CONTINUADA, ETC.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *