UFOPA discute avanços de pesquisas interdisciplinaridade

Raimunda Monteiro, Sandro Leão e Francisca Adad

O avanço de pesquisas interdisciplinares realizadas na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) foi destaque das palestras ministradas hoje, 16 de novembro de 2011, durante o primeiro dia da programação do II Ciclo de Extensão do Centro de Formação Interdisciplinar (CFI). Aberto ao público e à comunidade acadêmica, o evento prossegue até sexta-feira, dia 18, no Auditório do CFI, situado no Campus Tapajós, em Santarém (PA), discutindo o tema “Interdisciplinaridade, pesquisa e extensão no contexto amazônico: os avanços no Oeste do Pará”.

A palestra de abertura foi proferida pelo pró-reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Tecnológica (PROPPIT), Prof. Dr. Marcos Ximenes Ponte, que falou sobre a política de pesquisa e extensão da UFOPA. “Visando à consolidação de nossos institutos e grupos de pesquisa, estamos fazendo todos os esforços para atrair e contratar professores visitantes com doutorado, através de programas de bolsas para pós-doutorado e pesquisadores seniores”, revela.

Com apenas dois anos de existência, a UFOPA já possui dez cursos de pós-graduação, sendo três mestrados (Recursos Naturais da Amazônia; Recursos Aquáticos Continentais Amazônicos e Matemática em Rede) e sete especializações (Direitos Humanos e Políticas Públicas; Sociedade, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável na Amazônia; Agroecologia; Jornalismo Científico; Manejo de Florestas Tropicais; Gestão Escolar; Educação Infantil).

Durante sua apresentação, Marcos Ximenes destacou a inovação como fator determinante para o desenvolvimento econômico do país: “Hoje, a inovação é uma estratégia nacional. Na UFOPA a nossa estratégia é mobilizar a sociedade para fazer a inovação, que também se aplica em processos sociais”. Ele destacou ainda o fato de que a UFOPA sediará o Parque Tecnológico do Tapajós, que será implantado pelos governos federal e estadual, para ser referência na Amazônia.

Pesquisa – Após a palestra de abertura, os representantes dos institutos apresentaram os principais avanços de pesquisas interdisciplinares na universidade. “Hoje temos dez grupos de pesquisa, que englobam mais de 70 projetos de pesquisa e extensão”, afirma o diretor do Instituto de Biodiversidade e Florestas (IBEF), Prof. Dr. João Ricardo Vasconcellos Gama. “No nosso instituto, a maior parte das pesquisas interdisciplinares ainda é voltada para o manejo agroflorestal, mas outras áreas começam a se destacar”.

Já o diretor do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA), Prof. Dr. José Reinaldo Pacheco Peleja, destacou, como exemplo de pesquisas interdisciplinares, os projetos realizados por meio de parcerias interinstitucionais, como o Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio) Amazônia Oriental, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCT), do qual participam 16 pesquisadores da UFOPA, de diferentes institutos, através do Núcleo Regional do Oeste do Pará. “Queremos saber quantas espécies vegetais e animais existem na Flona Tapajós e, para isso, precisamos de uma equipe interdisciplinar, que saiba interagir também com as comunidades locais e outras instâncias”.  

Ele destacou ainda as parcerias com o Centro de Estudos de Adaptações da Biota Aquática Amazônica (Adapta), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), que conta com laboratórios de pesquisa nos campi de Santarém e de Oriximiná; e com o Grupo de Pesquisa em Morfofisiologia de Organismos Aquáticos do Museu Paraense Emílio Goeldi. “Trabalhamos muito de forma interinstitucional e multidisciplinar”.

Outro projeto baseado na interdisciplinaridade é o diagnóstico ambiental do reservatório hidroelétrico de Curuá-Una, contratado pela Eletronorte, que conta com a participação de pesquisadores do ICTA, IBEF, CFI e do Instituto de Ciências da Educação (ICED).

Observatório – Os professores Sandro Leão, Raimunda Monteiro e Maria Francisca de Miranda Adad, do Instituto de Ciências da Sociedade (ICS) apresentaram, durante o evento, o Observatório de Economia Amazônica e Desenvolvimento Regional, que visa a agregar pesquisas nas áreas de ciências econômicas e planejamento regional.

O Observatório já conta com três subprojetos de pesquisa: “O agronegócio em Santarém e seu contexto institucional”, coordenado pelo Prof. Sandro Leão, que visa a compreender o contexto institucional criado pela expansão do agronegócio na região de Santarém, a partir de uma análise qualitativa; “Indicadores socioeconômicos e diagnose na Amazônia”, coordenado pelas professoras Maria Francisca de Miranda Adad e Zilda dos Santos, que visa a auxiliar todas as áreas de conhecimento da UFOPA a partir da elaboração de um banco de informações econômicas, financeiras e socioambientais das atividades produtivas da região; e “Gestão territorial e conflitos sociais urbanos na Amazônia Central”, coordenado pela Profa. Raimunda Monteiro, que prevê o levantamento e o diagnóstico dos principais eventos e ações que exercem impactos sobre a cidade, como questões fundiárias, de gestão de resíduos sólidos, entre outros.

Já a Profa. Deize Carneiro, do Instituto de Engenharia e Geociências (IEG), destacou, em sua apresentação, o projeto “Roteiros santarenos: geologia, história e turismo”, realizado em parceria com o programa de pesquisa e extensão “Cultura, Identidade e Memória na Amazônia”, do CFI. A iniciativa tem por objetivo contribuir para a educação patrimonial e ambiental da comunidade acadêmica e localidades do entorno de Santarém, através da implantação de roteiros geológicos voltados para o conhecimento e conservação do patrimônio geológico da região Oeste do Pará.

Programação – O II Ciclo de Extensão do CFI prossegue nos dias 17 e 18 de novembro com apresentação, pela manhã, de projetos de pesquisa e extensão em andamento nas seguintes áreas: “Saúde, ambiente e qualidade de vida na Amazônia”; “Plano BR-163 Sustentável”; “Mídias sociais e educação”; “Cultura, identidade e memória na Amazônia”. À tarde, haverá palestras de professores do CFI sobre diversos temas, como palinologia, clima, manejo de paisagens por indígenas, inclusão digital na escola do campo, entre outros. Os participantes inscritos deverão ter, no mínimo, 75% de frequência para obter certificado de participação.

Nos dias 21, 22 e 23 de novembro, também serão realizadas, em Santarém, oficinas sobre reciclagem e tabulação de dados em Excell; além de minicursos sobre leitura de texto, educação ambiental, estatística, entre outros. No período de 1º a 3 de dezembro de 2011, as atividades do II Ciclo de Extensão serão realizadas nos municípios de Alenquer, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná e Itaituba. Confira a programação completa do II Ciclo de Extensão do CFI no sítio www.ufopa.edu.br. Mais informações pelo telefone (93) 2101-4937.

Fonte: Ascom/UFOPA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *