Criação de pólo visa fortalecer cadeia de produção da farinha

Fabricação de farinha

A produção da farinha no município de Oriximiná ganhará, em breve, um pólo de referência. Por meio da parceria entre Mineração Rio do Norte (MRN) e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) será implantada uma unidade demonstrativa da cadeia de produção da farinha na comunidade Ascenção, no município de Oriximiná, no oeste do Pará. O objetivo é alavancar a produção regional por meio de capacitação técnica.

A unidade terá um pouco mais de meio hectare de área ocupado com cada fase da produção da farinha – do cultivo da mandioca à produção nas casas de farinha. “Todas as etapas estarão expostas. Queremos mostrar que é possível aumentar a produção se forem adotadas medidas que vão desde o espaçamento para o plantio da mandioca, passando pela capina até a seleção e corte da maniva. Vamos unir o nosso conhecimento ao dos produtores locais”, explica o técnico da Emater, Alexander Valente.

A comunidade Ascenção foi escolhida para implantação do pólo por ser a mais estruturada produtora de farinha da região e pela proximidade com o município de Oriximiná. A comunidade, que acaba de ganhar da MRN uma prensa e um ralador para fabricação do produto, possui três casas de farinha e produz cerca de 80 sacas por mês. “A proposta é ampliar em mais cinco o número de casas de farinha”, informa o técnico da Emater.

A implantação da unidade demonstrativa integra as ações do projeto Sistemas Agroflorestais (SAFs) desenvolvido pela mineradora. Por meio do projeto, os produtores locais serão capacitados, entre outros, no uso da tecnologia em alimentos e no controle de pragas e doenças para a cultura da mandioca.

O projeto ainda prevê a criação de um selo de qualidade que visa identificar a procedência dos produtos da futura cooperativa que está sendo criada para fortalecer a participação dos agricultores no mercado regional. O processo de legalização da cooperativa já está em andamento. “Nossa idéia é mudar o hábito do agricultor local e estabelecer padrões de qualidade e higiene na fabricação da farinha e de outros produtos oriundos da mandioca. Necessidade de mercado existe, mas o produtor local perde para quem está formalmente organizado”, pontua Alexander. O atendimento da Prefeitura com merenda escolar, por exemplo, é um dos mercados que os produtores locais pretendem atingir depois de organizados.

A cooperativa deverá envolver, inicialmente, além da comunidade Ascenção, as comunidades Boa Nova, Casinha, Saracá e Aimin.

Fonte: Ascom/MRN e Foto: Celso Donizeti.

Um comentário em “Criação de pólo visa fortalecer cadeia de produção da farinha

  • 22 de junho de 2012 em 22:01
    Permalink

    este projeto é bem vindo, por se tratar de uma região pobre e ser programa de curto trazo. mas a principal deficência na região rural é a falta de profissionalização dos jovens, com os programa do pronatec, não só dando sustentabilidade e evitando o êxido rural. só com a educação profissional, podemos tirar esses jovens da vulnerabidade. e parabéns pelo projeto.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *