Pacientes com câncer amargam espera de 4 meses para radioterapia

Alaíde espera há oito meses a radioterapia

A situação de quem precisa realizar tratamento oncológico no Distrito Federal está cada vez mais crítica. O tempo médio de espera para iniciar a radioterapia, que acontece geralmente após a retirada do tumor, é de quatro meses, segundo aponta relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), elaborado em parceria com o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Segundo especialistas, o ideal é aguardar no máximo seis semanas para começar as sessões.

Em 2010, do total de 2.246 pessoas à espera de tratamento, apenas 746 conseguiram iniciar e terminar a radiação. Isso significa que mais de 60% ficaram sem os cuidados necessários para o combate à doença que mais mata os brasilienses, como mostrou reportagem do Correio da última segunda-feira. Estimativas do Inca revelam que, neste ano, 216 novos casos de câncer devem surgir no DF e pouco mais da metade dessas pessoas será encaminhada para a radioterapia. Um dos motivos para a demora no atendimento ocorre em razão do número insuficiente de aparelhos de radiação linear disponíveis na rede pública de saúde do DF. A aposentada Alaíde Ferreira de Farias, 68 anos, aguarda há oito meses  para dar início à radioterapia na rede pública de saúde. “Fiz a cirurgia  para a retirada de um tumor da mama no ano passado e agora aguardo  ligação do Hospital de Base para iniciar as sessões de radiação. Não  faço nenhum acompanhamento médico desde então”.

Fonte: Correio Brasiliense

Um comentário em “Pacientes com câncer amargam espera de 4 meses para radioterapia

  • 25 de maio de 2012 em 12:55
    Permalink

    Enquanto isso a corrupção que é o pior câncer de nosso país, que corroem todo dinheiro que deveria ser empregado na saúde, educação, segurança publica e outros investimentos que beneficiariam toda população de baixa renda, não adiantar tirar mais de quem tem se os desvios são maiores do que arrecada, a nossa divida interna conforme o site http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=6379 A “dívida” interna de 1 TRILHÃO e 500 BILHÕES, que cresce sem nenhuma surpresa, à medida que os juros sobem. E vão subir mais. Oficialmente o governo confirmou: o total da chamada dívida interna que não existia até 1994, é esse que está no título. A juros de 8,75% (por enquanto) será preciso “economizar” para os juros, (leia-se AMORTIZAR em vez de PAGAR) importância astronômica. Fico até humilhado, envergonhado e constrangido em publicar o total.
    Essa divida aumenta conforme os juros, mais aqui esta embutida a corrupção, desvios de verbas publicas, roubalheira e etc. e com isso os investimentos para que nosso país fosse mais justo houvesse realmente um crescimento que nos levassem ao topo do mundo como um país rico, milionário e bilionário, dando uma vida mais digna aos nossos brasileiros e brasileiras, e isso revolta aos que pagam um IRPF descontado em folha, dinheiro esse que nunca nós veremos, a não ser nas noticias do jornais e telejornais do país.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *