Serviço aéreo no país ‘é de baixa qualidade’ e preocupa, diz Embratur

Empresas aéreas
Empresas aéreas

O serviço aéreo prestado no Brasil é “de baixa qualidade” e o tema deve ser tratado pelo governo junto às companhias aéreas para não prejudicar o crescimento do turismo, disse na segunda-feira (25) o presidente interino da Embratur, Paulo Guilherme de Araújo.

As reclamações relativas a atraso de voos, cancelamentos, espera em aeroportos, preços de tarifas e atendimento inadequado são frequentes, segundo Araújo.

O tema também preocupa o governo no momento em que o país se prepara para sediar uma série de grandes eventos internacionais, como a Jornada Mundial da Juventude da Igreja Católica e a Copa das Confederações neste ano, a Copa do Mundo em 2014 e a Olimpíada em 2016.

“A qualidade do serviço aéreo é de baixa qualidade e isso é uma preocupação nossa”, disse. “O primeiro contato do turista é com a companhia aérea. Se ele tem uma impressão ruim, fica difícil”.

A Embratur e outros órgãos do governo federal pretendem se reunir com as principais companhias aéreas para cobrar um serviço de melhor qualidade aos usuários nacionais e estrangeiros.

O órgão é favorável à abertura do mercado brasileiro a companhias aéreas estrangeiras para aumentar a concorrência –e, possivelmente, a qualidade do serviço. Segundo Araújo, há preocupação também com as altas tarifas praticadas por alguns hotéis, que ele chamou de “oportunismo”.

RECORDE

O presidente interino disse que a Embratur espera um número recorde de turistas neste ano: 6 milhões de pessoas, ante 5,7 milhões em 2012. A meta é chegar a 10 milhões de turistas em 2020. “Seis milhões é uma boa projeção, mas nosso potencial é ainda maior”, disse.

Os argentinos continuam sendo os estrangeiros que mais visitam o país. Só no ano passado, foram cerca de 1,5 milhão.

LATINO-AMERICANOS

Com a Europa em crise e os Estados Unidos em recuperação econômica, a estratégia da Embratur é focar mais na atração de turistas latino-americanos com o calendário de grandes eventos no Brasil nos próximos anos.

“Reduzimos a quantidade de feiras na Europa e aumentamos ações nos nossos países vizinhos. É uma grande chance para a América do Sul”, disse Araújo. Outros alvos no médio prazo são os turistas dos países em desenvolvimento do grupo dos Brics –Rússia, Índia, China e África do Sul–, disse.

Fonte: Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *