Informe RC

VIROU INDÚSTRIA

Próximo a século o governo federal investe recursos para evitar deslizamentos de terras no Rio de Janeiro e em municípios da região serrana e noutros estados do sul e sudeste, sem conseguir diminuir tragédias como ocorrem no momento ocasionado pelas chuvas com as águas inundando cidades, assim como debelar a seca no nordeste, matando animais de fome com falta de pastagem, perdas da lavoura, e endividamento rural. Anualmente a cantarola é a mesma, só muda os cantores. Neste período, centenas de projetos foram elaborados, maioria não saiu do papel, bilhões foram investidos, outros tantos desviados sem visualizar uma luz no fim do túnel “que virou indústria” fazendo vítimas, desabrigados e levando sofrimento a milhões de brasileiros. Governos batem na tecla da pobreza ser teimosa, não abandonando as áreas de risco, apesar dos alertas da Defesa Civil. Sem oferecerem condições, prefeitos culpam a burocracia do serviço público. Parte do dinheiro destinado as prefeituras desaparecem sem serem aplicados, segundo auditagem de Tribunais de Contas. Evitar fenômenos da natureza é impossível, mas noutros países tem diminuído os impactos, o que tão cedo pelo andar da carruagem não vai acontecer no Brasil. Morrer soterrado, afogado ou ter o corpo perdido nesta época do ano, virou rotina.

BRINCANDO COM VIDAS

Na 1ª quinzena do mês o programa Fantástico da Rede Globo mostrou ao país que parte da carne bovina consumida pela população, num percentual mínimo de 30%, ser procedente de abatedouros clandestinos isentos de fiscalização, como da existência de matadouros municipais sem condições de higiene procedendo abate de animais impróprios ao consumo humano, podendo reses serem portadoras de doenças transmissíveis ocasionando mortes,  o que tem ocorrido aos milhares, segundo dados do Ministério da Saúde. Em Santarém, há anos, médico veterinário do Ministério da Agricultura, Antônio Carlos Mosselim, vem alertando as autoridades sanitárias ou responsáveis delas no município para esta situação. Fazem ouvidos de mercador. Para completar a brincadeira com vidas, nesta 2ª quinzena, equipe de fiscais da Divisão da Vigilância Sanitária “Divisa” apreendeu produtos “queijos, presuntos, mortadelas” estragados destinados a confecção de pizzas, lasanhas e lanches vendidos aos montões em pizzarias, panificadoras, lanchonetes, supermercados e mercearias espalhadas pela cidade. O estado tem a obrigação de proteger a vida da população, evitando disso ocorrer, o que deve vir de muitos anos.

QUEIMA DE DINHEIRO

No Brasil atual 3 coisas aumentam disparado: a corrupção, a violência e o índice de aprovação popular da companheira Dilma, por mais que a presidente  cometa abusos queimando dinheiro do povo, como ocorreu nos funerais do ex dono da Venezuela, Hugo Chavez onde a nata da esquerda brasileira, inclusive representação do Movimento dos Sem Terra se fizeram presentes, viajando para Caracas em 2 jatos da presidência e na viagem a Itália onde a companheira e sua caravana “a maior do planeta na solenidade” ocuparam cinqüenta e duas suítes de luxo por 3 dias, num dos hotéis mais caros de Roma com diária acima de 15 mil reais sem refeições para assistir a coroação do Papa Francisco. A oposição grita, mas não tem jeito, quem possui maioria no Congresso e tem a chave do cofre com povo cego, faz o que quer.

CASAS POPULARES

Jornais informativos de TVs mostrando invasões, derrubada de paredes, rachaduras e as péssimas construções de habitações do programa Minha Casa-Minha Vida bancadas pela Caixa Econômica com o FGTS do trabalhador, são constantes. Em Santarém, onde estão sendo levantadas desde a administração passada acima de 3 mil unidades na rodovia Fernando Guilhon, os comentários são variados podendo ser verdadeiros ou não, inclusive de alimentação estragada dada a operários, colocam sobre suspeita a competência da construtora encarregada da obra. Na opinião dos “senadores” do “senadinho” das laterais da Garapeira Ypiranga, na Praça da Matriz onde o assunto é semanalmente abordado, o prefeito devia solicitar ao CREA ou mesmo ao setor de engenharia da Caixa laudo técnico do terreno, obras de infra-estrutura e das habitações, pelo menos esclarecia os ainda boatos.

AO NOSSO REINO TUDO

Sobrinho do proprietário da Igreja Universal do Reino, Edir Macedo, o senador Marcelo Crivella “PRB”, também bispo licenciado da indústria da fé, ministro da Pesca sem conhecimento de isca e anzol, muito menos de peixe, numa reunião em São Paulo com 3 mil pastores “arrecadadores” de seu vasto rebanho, reconheceu da política da companheira Dilma baixando taxas de juros e distribuindo bolsas a famílias pobres beneficiar a economia e as Igrejas Evangélicas por terem uma melhor participação nos dízimos dos fieis, sem terem necessidade de baixarem porrada nos corpos de desavisados para expulsar satanás, como ocorre nos seus tempos. Quanto mais bolsas forem criadas, aumenta o apurado e o patrimônio de seus dirigentes. Que seja bom enquanto dure, ainda vá lá que seja, mas tornar pública essa visão mercantilista nem o capeta aplaude.

POR QUE SÓ O CACHOEIRA?

Embora caiba recurso da decisão, na 5ª passada (21), a Justiça Federal do estado de Goiás condenou o grupo do bicheiro e de máquinas caça níqueis Carlinhos Cachoeira e seus testas de ferro que exploram a jogatina, a perda de bens (confiscados) no valor de 100 milhões de reais a favor da União, que segundo o juiz representa uma parcela da dívida dos contraventores com a sociedade. Se esta decisão fosse tomada em todos os estados e cidades onde existe o Jogo do Bicho que patrocina carnavais em várias unidades da federação, como São Paulo e Rio de Janeiro atraindo turistas e divisas ao país, os cofres do governo federal iam abarrotar de tanto dinheiro, rendendo acima do recolhimento antecipado das indústrias de bebidas e cigarros. Aqui mesmo em Santarém com gerentes espalhados em todo oeste paraense, existem bicheiros faturando dezenas de milhões/ano, conhecidos da Polícia Federal, em cujas dependências estiveram “hospedados” e investem em atividades extra jogo para justificar junto a Receita Federal a entrada da dinheirama. Como as leis são para todos, inseridas na Constituição, não devia haver distinção. Por que só o Cachoeira?

NÃO DÁ PRA ENTENDER

Dos órgãos federais sediados em Santarém com jurisdição a todo Oeste paraense, dois são poucos merecedores da confiança da população, o INCRA e o IBAMA, os quais de vez em quando têm sua direção envolvida em comportamento pouco republicano, com ações na Justiça Federal, zelando pelo dinheiro da viúva quando da descoberta pelo Juízo Federal da existência de assentamentos e assentados fantasmas do INCRA na região e a péssima fiscalização exercida pelo IBAMA, as derrubadas ilegais de madeiras no rio Curuatinga, não apreendendo 10% do produto das árvores postas ao chão transportadas por balsas e caminhões a dezenas de serrarias espalhadas no interior do Pará ou mesmo a Belém. O que não dá pra entender é a ação do IBAMA em relação ao pescado. Semana passada a mídia local divulgou de mais de 50 toneladas de peixe “período do defeso” terem sido apreendidas em várias embarcações e doados às instituições filantrópicas cadastradas no programa Mesa Brasil. Até aí tudo bem, o que causa admiração é das mesmas espécies serem vendidas diariamente no período do defeso nos mercados da cidade, com 2 de maior movimento, vizinhos a delegacia do IBAMA na avenida Tapajós.

SUCESSÃO ESTADUAL

Na última pesquisa a nível nacional onde a atuação de alguns ministros linhas de frente da atual presidente foram avaliados, a grande surpresa, foi o da Saúde, Alexandre Padilha “PT” ser apontado como o pior entre os colegas, podendo inviabilizar sua candidatura a governador de São Paulo, onde é o preferido de Lula, e concorrer no Pará, sonho dos petistas no estado, já que tem domicílio eleitoral em Santarém e possibilidade de obter apoio de outras legendas ligadas no plano Federal ao PT. Como as eleições majoritárias (2014) se aproximam, com campanha aberta pela companheira Dilma candidata a reeleição, o ministério do Desenvolvimento Agrário seleciona 47 prefeituras do interior do estado para presentear com máquinas pesadas, destinadas a recuperação de ramais. Esta mesma estratégia foi usada pela ex governadora Ana Júlia, derrotada por Simão Jatene em 2010.

RECONHECIMENTO

Nenhum paraense esclarecido nega a valiosa contribuição dada ao estado pelo vice governador, Helenilson Pontes “PPS”, parceiro do titular Simão Jatene “PSDB”, principalmente no setor tributário, se destacando nacionalmente, o mesmo não ocorrendo no âmbito político. Como na política é diferente do futebol, quando se diz unanimemente: time que está ganhando não se mexe, dificilmente o santareno emplaca novamente como vice na reeleição de Jatene “10/2014” por não ter conseguido se enturmar nesses 27 meses no cargo na região Oeste e mesmo em Santarém com o PSDB, DEM e outras legendas da base política do governador/candidato, aparecendo o federal Lira Maia “DEM” como figura mais importante em termos de votos, podendo pleitear sua indicação, com uma vantagem: preside um partido (DEM) do qual é presidente estadual, dispondo pela Legislação Eleitoral em ano eleitoral de bom espaço nas rádios e TVs, cobiçado por postulantes a cargos majoritários (governo e senado). Caso contrário deve tentar sua 2ª reeleição.

POUCOS AMIGOS

Entre as virtudes e defeitos do médico Almir Gabriel, os mais ferrenhos adversários reconhecem do ex político, desaparecido em fevereiro, ter sido bom profissional da medicina, administrador competente e excelente ex prefeito de Belém e governador do Pará duas vezes. Suas vistosas obras como a Alça Viária sobre o rio Guamá, Estação das Docas, Aeroporto da capital e a energia elétrica para o Oeste paraense serão lembrados por décadas e muitas gerações, o que não está ocorrendo em relação ao falecido. Na morte uniu amigos e inimigos, com muitos discursos de despedida com honras de chefe de estado. Na missa de 7° dia a Igreja lotou de ex auxiliares, populares e políticos. Na de 30 dias a missa celebrada pela sua memória, o templo religioso estava vazio, presente só os familiares e menos de duas dezenas de conhecidos, nenhum político, nem tucano de vulto. Assim é a vida, morreu, os amigos e as amizades desaparecem.

PERSISTENTE

Gerson dos Santos Peres, presidente do PP no estado, detentor de mandatos de deputado federal, estadual e ex governador do Pará a época da ditadura militar, é um dos políticos mais admirados do estado pela sua persistência e lealdade aos compromissos assumidos, mas ultimamente não tem levado sorte, 1° por ter apoiado o governo Lula quando federal, por último ter se aliado ao PT quando da reeleição da ex governadora Ana Júlia. Perdeu seu retorno a Câmara Federal e foi desprezado para acertos partidários com seus ex aliados, hoje, representados pelo atual governador. Oficialmente o PP não faz parte da base política do governo estadual e nem o Gerson se bandeou para fazer oposição. No apoio dado pelo PP no 2° turno ao atual prefeito de Belém não recebeu o prometido. Mas uma coisa é certa: vai se eleger deputado federal, desde que não se misture com os federais eleitos em 2010 a troco do Seguro Defeso a pescadores piratas.

POUCOS ACREDITAM

Uma das rodovias mais antigas em construção no país (mais de 40 anos) a BR-163 Santarém/Cuiabá, mais uma vez, como ocorre constantemente vem ser alvo da promessa de estar concluída até 2014, assegura o atual diretor do DNIT “uma espécie de Luiz Antônio Pagot” subordinado ao ministério dos Transportes. A parte de Mato Grosso, acima de mil quilômetros, está pronta há anos, com vários trechos da estrada duplicados, a do Pará empacou, apesar dos acenos de 3 presidentes, 1 do PSDB, Fernando Henrique e 2 do PT, o Lula da Silva e a companheira Dilma que prometeram concluir, ficando no lari-lari. Como nos municípios da área pertencente ao Pará “governos e políticos” estão surdos de ouvirem esta ladainha, bem poucos acreditam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *