A eficiência da Vigilância Sanitária x Celpa

Interessante, senão impressionante a eficiência da Vigilância Sanitária, aqui em Santarém, pois, agiu, rapidamente, no caso dos sucos ADES, nem bem se descobriu o acidente que misturou água sanitária em um lote do suco, em sua fábrica lá em São Paulo, e em poucas horas, os fiscais, ou agentes sanitários, já estavam retirando todos os sucos, independente de lote, dos supermercados em Santarém.

Achei de uma eficiência, extraordinária. Oxalá sempre fosse assim, esse excesso de zelo, uma preocupação com a saúde da população, que não vê, no dia a dia, que não é o mesmo, no tablado, no Mercadão 2000, na orla, onde jogam peixe no chão, verduras e frutas, nas calçadas sem nenhum critério. Sem nenhuma higiene. Donde se conclui que a Vigilância Sanitária não existe no dicionário do consumidor santareno, isto para não se falar da manipulação de alimentos na via pública, sem nenhum critério de higiene. Por que será?  Só por que não está na internet? Não dá IBOPE? Ou foi ordem superior? Só nesses casos? Parece que a atuação das autoridades sanitárias locais só são em algumas farmácias ou nos supermercados?. Impressionante, que sempre, vão acompanhados de TV, levando a mídia, mas para os outros casos a sociedade fica exposta aos perigos. O povo lhes paga para servi-los e recebem um desserviço.

E esse mesmo povo que paga, os serviços da Vigilância Sanitária, paga, também, os serviços da CELPA, ou seja, lá qual for o atual nome da empresa fornecedora de energia, para os paraenses. Porque para nós, excluídos pelo plebiscito, a CELPA presta serviço à prestação e o que é pior, não tem muita diferença, para a época do apagão, antes do tão chamado linhão, inaugurado no primeiro Governo do recentemente falecido Almir Gabriel. Só que na época, o apagão era previsto, programado. Havia a tabela, e todos se organizavam. Foi a época em que apareceram os hoje, milhares de churrasquinhos, nas esquinas e nas vias públicas, porque ali se esperava, comendo e bebendo alguma coisa. Virou ponto de encontro, até a hora da chegada da luz, na nossa Casa, para quem não podia adquirir um motor de luz, doméstico, em Manaus,  os chamados hondinhas.

Na época houve um movimento rumoroso, aqui em Santarém, liderado pela Associação comercial, na pessoa do ex-presidente, o saudoso MILSON PEREIRA, CDL, sindicatos, estudantes, associação de moradores, as hoje apagadas FAMCOS e UNECOS e diversos segmentos produtivo da sociedade santarena. O movimento foi abraçado não só por entidades de classe existentes em Santarém que surtiu efeito, chegando a balançar o hóspede do Palácio Lauro Sodré. Mas toda a população que estava sofrendo, com a falta de energia elétrica, necessária para tomar até a água gelada, o sorvete, a bomba para funcionar e mandar a água para se tomar banho no chuveiro, passou-se a usar a “cuia” ou um balde plástico da tapauwer.

As cidades vizinhas, como ITAITUBA, RUROPÓLIS e BELTERRA A MOJUÍ DOS CAMPOS, que ainda não era Município, cansados de tantos prejuízos, principalmente, os que trabalham com mercadoria frigorificada, engrossaram o movimento. Teve-se manifestação na Praça Pública. Mas, atualmente, com os mesmo apagões diários, não pelo mesmo período de quatro horas, para cada área. Mas disfarçados, maquiados, em bairros alternados, como aqui na COHAB, sempre pela madrugada. As ditas lideranças populares, políticos, e os sindicatos, Associação Comercial e Empresarial,  estão passivos, Por quê?

No início do próximo mês haverá mais uma audiência pública, a ser realizada no plenário da Câmara Municipal de Santarém, a pedido do vereador Geovani Aguiar (PSC) e da vereadora  Ivete Bastos(PT), e aprovado por humanidade por todos os demais vereadores, com os responsáveis pela CELPA, a nível, regional e local, que já confirmaram suas presenças.

Pelo que já na Casa do Legislativo Municipal, ao longo desses anos, deve ser mais uma audiência, dessas que eles trazem data show, com muitas planilhas, estatísticas, aquela parafernália tecnológica, números, muitos números e depois vão comer o tucunaré na manteiga (se não estiver no defeso), em Alter do chão e quando se empanturrarem retornam para os seus escritórios, talvez lá não falte energia elétrica e o ar condicionado esteja  sempre  funcionando e o clima é bem fresquinho! Talvez porque essas audiências, não tenham deixado nada de concreto, a população não tem se feito presente como deveria. Espero desta vez e nesta que acontecerá no próximo dia 02.04.2013, tenha um resultado positivo e, acima de tudo, com a participação da comunidade.

ESTA SEXTA-FEIRA POR SER A SANTA, NÃO HAVERÁ SERESTA DANÇANATE NO FLUMINENSE, O TRICOLOR DA PRESIDENTE VARGAS, SÓ NA PRÓXIMA COM O TOQUE MUSICAL DA BANDA RAÍZES DA TERRA. FELIZ PÁSCOA PARA TODOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *