Agricultores denunciam abuso de madeireiros na Comunidade de Pacoval

Sancler de Oliveira e agricultores
Sancler de Oliveira e produtores

Agricultores da Comunidade de Pacoval, na região de Curuá-Una, em Santarém, Oeste do Pará, querem a abertura de uma estrada de acesso ao centro da cidade. Trabalhadores rurais e madeireiros discutem também a abertura de estrada que dá acesso ao Assentamento Renascer.

De acordo com o presidente da Associação de Moradores e Trabalhadores Rurais do Assentamento Renascer, Sancler Oliveira, o Ministério Público Federal (MPF) em Santarém foi acionado para resolver a situação que está afetando aproximadamente 300 pessoas que moram no assentamento.

“Nós pedimos a abertura e a continuação da estrada. Tivemos um projeto que foi aprovado pelo Governo Federal de 46 quilômetros de estrada e fomos impedidos de dar continuidade. Hoje, para conseguirmos chegar ao Assentamento precisamos andar 176 km, por conta da estrada que não tem acesso. Os madeireiros arrebentaram com a estrada, não passa nada. Nós queremos que o Ministério Público resolva o mais rápido possível a situação”, disse Sancler Oliveira.

O presidente falou, ainda, que os assentados se reuniram nas últimas semanas e decidiram que se não houver posicionamento do Ministério Público eles irão fazer uma manifestação em frente ao INCRA e ao Ministério Público Federal, em Santarém.

Segundo ele, ano passado os moradores perderam boa parte de sua produção e este ano, a situação se repete.

Fonte: RG 15/O Impacto

Um comentário em “Agricultores denunciam abuso de madeireiros na Comunidade de Pacoval

  • 6 de abril de 2013 em 10:36
    Permalink

    Estamos na mesma luta,somos da apasac [associaçao dos pequenos agricultores da comunidade de santa clara]e dependemos da estrada santarem curuauna e esta interditada pelos mesmos motivos, nao tem fiscalizaçao do poder publico,nessas epocas de chuva ai q ficamos ilhados,sendo q moradores doentes ficam a merce sem poderem sair ,desse mesmo jeito, se possivel olhem com providencias senoa ajuntaremos ao comunitarios do pacoval e iremos ficar assentados e na frente dos orgaos publicos p resolverem a situaçao…

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *