Aeroporto de Belterra está abandonado

Descaso das autoridades fez com que aeroporto se transformasse em um matagal
Descaso das autoridades fez com que aeroporto se transformasse em um matagal

Considerado uma ferramenta para a implantação da companhia Henry Ford, no Oeste do Pará, o Aeroporto de Belterra, localizado na Estrada 04, se encontra abandonado e sem condições de operações de pousos e decolagens. Mato e capim tomam conta da pista do aeródromo, além de equipamentos de operação sucateados, como a Biruta e o mastro das bandeiras nacional, do Pará e de Belterra.

Quem chega ao Aeroporto de Belterra constata um local abandonado pela ação do tempo. Para os moradores, uma reforma na área onde fica instalada a pista serviria para o retorno das atividades de pousos e decolagens, além de contribuir para o desenvolvimento de cidades e vilarejos, localizados no planalto santareno.

Os comunitários reivindicam junto a Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac) e a Infraero, uma reforma no Aeroporto de Belterra. Enquanto a pista não volta às atividades normais, os moradores do planalto santareno se dirigem ao aeroporto Maestro Wilson Fonseca, em Santarém, para pegar conexões em voos que saem para outros centros da região, como Belém e Manaus, além dos serviços de taxi aéreo, principalmente para áreas de garimpo, entre outras cidades.

“Precisamos ter o aeroporto operando novamente, porque quando precisamos viajar para outros centros, dependemos de Santarém. Essa pista tem tudo para ajudar no desenvolvimento da região de planalto”, disse um morador da Estrada 04, relatando que o Aeroporto de Belterra está sem operar há cerca de 40 anos.

HISTÓRICO: Moradores antigos da “Vila das Seringueiras” contam que a construção do Aeroporto de Belterra com pavimentação em piçarra compactada, com 2 mil metros de pista terraplenada para pouso de aviões de pequeno e médio porte, aconteceu em meados da década de 1930, quando a companhia Ford se instalou na região. Na época, pousos e decolagens de aeronaves de pequeno porte eram realizados por funcionários da Companhia Ford.

Os moradores garantem que nos áureos tempos da borracha, a pista chegou a receber várias aeronaves diariamente, porém, após a Companhia Ford paralisar o projeto, começou o abandono da pista do aeródromo. “Desde a época de Ford, o Aeroporto nunca passou por uma reforma. Eu gostaria de ver ainda, o Aeroporto de Belterra em pleno funcionamento”, diz um comunitário.

OCUPAÇÃO: Com a expansão do comércio da borracha, por volta de 1840, iniciou-se uma nova fase de ocupação da Amazônia. Por causa da grande procura pelas seringueiras quase toda a região foi explorada. A origem do município de Belterra está intimamente ligada a essa época. O milionário Henry Ford queria transformar os seus sonhos em realidade. O objetivo do dono da Companhia Ford, líder na indústria automobilística nos Estados Unidos, era implantar um cultivo racional de seringueiras na Amazônia, transformando-a na maior produtora de borracha natural do mundo.

ESTRUTURA: O projeto teve início com uma estrutura nunca antes montada em toda a região, onde foi dando vida à futura cidade modelo. Hospitais, escolas, casas no estilo americano, mercearias, portos próximos à praia foram construídos para abrigar as famílias de todos os empregados que estavam trabalhando no projeto. Grande parte dos trabalhadores braçais vinha do sertão nordestino, fugindo da seca, e encontravam no projeto de Henry Ford a salvação.

PROCESSO: Paralelo aos problemas de estrutura apresentados no Aeroporto, a prefeita de Belterra, Dilma Serrão, passa por dificuldades de ordem política. A audiência para ouvir as testemunhas na Ação de Investigação Judicial Eleitoral que apura suposta compra de votos por integrante do PT de Belterra, que deveria ser realizada na segunda-feira, dia 08, foi adiada para o dia 07 de maio, em virtude da ausência do membro do Ministério Público que não compareceu ao ato. Procurada por diversas vezes pela nossa equipe de reportagem para falar sobre o abandono do Aeroporto de Belterra, a prefeita Dilma Serrão não quis falar sobre a situação da pista de aeronaves.

Por: Manoel Cardoso

2 comentários em “Aeroporto de Belterra está abandonado

  • 13 de abril de 2013 em 12:21
    Permalink

    Poderiam usa-lo para pequenas aeronaves, ou colocar um aeroclube, poderia também ser usado por aeronaves de empresas de aviação agricola ou num pouso de emergencia por exemplo, ja que não tem estradas dignas de serem rodadas ai no Pará, axo q nunca é demais uma pista a mais

    Resposta
  • 12 de abril de 2013 em 09:48
    Permalink

    Uma vez em funcionamento a quem atenderia ??? o aeroporto de Santarém fica a 5 minutos de voo de Belterra! será que alguém pousaria em Belterra e depois seguiria de carro para o aeroporto de Santarém ??? alguem acha que grandes companhias como a TAM, GOL e Azul teria interesse de manter voos no aeroporto de Belterra ???

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *