Paulo Barrudada: “Turismo da região tem que ser mais explorado”

Paulo Barrudada, empresário do ramo hoteleiro
Paulo Barrudada, empresário do ramo hoteleiro

Às 9h30, do dia 19 de outubro, um grupo de pessoas, formado por jornalistas, agentes de viagens e representante do setor turístico de Santarém, embarcou numa viagem pelas estradas do Oeste do Pará, rumo à cidade de Fortaleza, no Estado do Ceará. Era a viagem inaugural do Expresso Barrudada, mais um empreendimento do empresário Paulo Barrudada, proprietário de uma rede de hotéis com unidades no Pará, Ceará e Roraima. Paulo Barrudada garante que o expresso tem como objetivo trazer turistas de Fortaleza para Santarém, com o intuito de alavancar o turismo na região Oeste do Pará. Ele garante que Santarém tem tudo para se desenvolver com a criação ou não do Estado do Tapajós. Paulo adiantou, ainda, as estratégias de final de ano para atrair turistas. Veja a entrevista na íntegra: 

Jornal O Impacto: Faltando menos de dois meses para a virada de ano, como estão os preparativos do Barrudada Tropical Hotel para receber uma grande demanda de visitantes que devem vir à Santarém?

Paulo Barrudada: Hoje já temos disponíveis 172 apartamentos. Até o final de novembro vamos concluir mais 42 apartamentos. Vamos ficar com 214 apartamentos preparados para atender os clientes que chegam do Mato Grosso, como das cidades de Sorriso e Sinop. Vem muita gente também de Altamira, Itaituba, Belém, Manaus, São Paulo e Rio de Janeiro. Temos no dia 28 o “Barrudada Fest”, que corresponde o pré-réveillon e réveillon. O Hotel vai fechar cinco diárias que vai desde o dia 27 de dezembro, até a virada do ano, no dia 1º de janeiro.

Jornal O Impacto: Hoje, como está a questão do desenvolvimento turístico em Santarém?

Paulo Barrudada: Já temos um hotel em Fortaleza que se destaca na região Nordeste. Fortaleza recebe hoje cerca 2,5 milhões de turistas por ano. Aqui em Santarém temos a praia de água doce mais bonita do mundo, mas precisamos de estrutura, como restaurantes. Estivemos nesta semana na Comunidade de Ponta de Pedras, onde vamos ser o patrocinador oficial do Festival do Charutinho. Patrocinamos a pintura de todas as barracas, das cadeiras, mesas, colocamos toalhas novas e vamos fazer um painel na entrada da cidade. O nosso objetivo é melhorar a estrutura para atrair os turistas e conseqüentemente ter um melhor retorno. Não adianta o turista ficar em um hotel e não ter pra onde ir, por isso precisamos fazer um trabalho nessas comunidades para que o cliente possa ser bem atendido e não seja explorado.

Jornal O Impacto: Com a aproximação do período chuvoso existe uma estratégia para atrair mais turistas para Santarém?

Paulo Barrudada: Todo período chuvoso cai bastante o movimento e temos que nos preparar. Já fizemos contato com a Associação Comercial e Empresarial de Santarém (ACES) para vermos uma alternativa para este período de baixa. Temos que fazer alguma coisa para atrair turistas para Santarém no período chuvoso. A questão do ônibus já foi o primeiro passo e independente de verão ou inverno vamos trabalhar. Isso é uma pequena parcela e precisamos fazer algo mais e não esperar apenas pelo poder público municipal, estadual ou federal.

Jornal O impacto: O que precisa ser feito pela administração municipal e estadual para desenvolver o turismo em Santarém?

Paulo Barrudada: Por parte da administração municipal tivemos um diálogo com representantes da Prefeitura de Santarém que se mostraram preocupados com a questão do inverno. Tanto o poder público municipal quanto o estadual e o federal devem ser importantes nesse processo de buscar alternativas para serem trabalhadas no inverno. Temos no centro da cidade um Box com informações turísticas, mas é muito pouco. Esse serviço temos que ter no aeroporto maestro Wilson Fonseca, na Rodoviária e a própria Secretaria Municipal de Turismo deve divulgar mais Santarém pelo Brasil e pelo mundo. Hoje, Alter do Chão tem um apelo muito grande, sem falar que temos uma mídia de graça nos grandes meios de comunicação e, a meu ver não estamos aproveitando essa oportunidade.

Jornal O Impacto: A inauguração do Expresso Barrudada entre Fortaleza e Santarém vai ajudar a alavancar o turismo na região Oeste do Pará?

Paulo Barrudada: O objetivo não é apenas sair de Santarém para Fortaleza. Temos que pegar esse mercado de 2,5 milhões de turistas em Fortaleza e tentar trazer esse pessoal para cá, para conhecer as maravilhas da região do Tapajós. Queremos ter o retorno trazendo turistas do Nordeste pra conhecer nossa região.

Jornal O Impacto: Os problemas de trafegabilidade nas estradas do Oeste do Pará dificultam o trajeto de ônibus turísticos de outras regiões do Brasil que vêm com destino à Santarém?

Paulo Barrudada: Ainda rodamos dentro do Pará 1000 quilômetros, sendo 600 deles sem asfalto. Recebemos carros novos e vamos trazer mais dois veículos, mas as condições da estrada ainda são muito precárias. Ainda tem a burocracia que emperra o desenvolvimento. Conversamos com o prefeito de Uruará, quando nos informou que ainda não haviam liberado a licença ambiental da BR-163 dentro daquele Município. Sendo uma estrada que foi construída há 40 anos. Isso é inadmissível! Temos essas situações que precisam ser resolvidas. A viagem entre Fortaleza e Santarém não deixa de ser uma grande aventura, mas é uma realidade. Hoje, temos condições de fazer esse trajeto em 48 horas, assim como temos condições de fazer o trecho entre Belém e Santarém em 24 horas, enquanto um navio em linha normal leva cerca de três dias. Já no início de 2014 estamos tentando uma concessão pra fazer o trecho entre Belém e Santarém em 24 horas, de ônibus. Isso vai desenvolver a região e ajudar Santarém a crescer, por encurtar a distância com a Capital do Pará. Acreditamos que com a criação ou não do Estado do Tapajós, Santarém vai se desenvolver bastante nos próximos anos.    

Fonte: RG 15/O Impacto

2 comentários em “Paulo Barrudada: “Turismo da região tem que ser mais explorado”

  • 10 de novembro de 2013 em 12:10
    Permalink

    Muito boa a reportagem e parabéns ao Paulo Barrudada por acreditar e investir na região do oeste do Pará. Santarém precisa de empreendedores que queiram investir e com certeza o retorno financeiro erá beneficar a todos, hotéis, restaurantes, lojas etc. A rodovia que passa por Uruará não é a BR 163 e sim a 230, se não me engano. O turismo é uma indústria sem poluição e potencial turístico Santarém tem de sobra. Praias maravilhosas, ótimo clima, belezas naturais. Com certeza a atual administração municipal, com o apoio da estadual, vão diminuir os problemas crônicos da região, sendo uma delas, o acesso rodoviário. Nada como privatizar a rodovia 230 e pagar um pedágio justo igual aos cobrados em Santa Catarina (preço acessível) que todos ganharão em termos de aguilidade e segurança. Viagei a pouco tempo, de automóvel, pela rodovia 230 e nas partes que tem asfalto, não investiram no acostamento. Isso prova que o governo não tem capacidade para administrar uma rodovia de tão grande importância. Valeu.

    Resposta
  • 7 de novembro de 2013 em 20:37
    Permalink

    PARABÉNS SR. PAULO BARRUDADA, ESPERO QUE SUAS AÇÕES OUSADAS NESTA MODALIDADE DE TURISMO, VENHA BENEFICIAR SANTARÉM, ONDE MUITOS FICAM RECLAMANDO DAS ESTRADAS, DO GOVERNO, PORÉM NADA FAZEM PARA MOSTRAR AS AUTORIDADES QUE TEMOS POTENCIAL E COM CORAGEM VAMOS A SUA, VAMOS LONGE!!! LEVAR OS PARAENSES E TBEM TRAZER NOSSOS IRMÃOS DO NORDESTE PARA CONHECER NOSSAS BELEZAS…..PARABÉNS

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *