Agência do Banco do Brasil é alvo de vandalismo em Santarém

Banco do Brasil da Rui Barbosa
Banco do Brasil da Rui Barbosa

Um fato que chamou atenção de quem procurou a agência do Banco do Brasil da Avenida Rui Barbosa em Santarém, logo no início da manhã de domingo (27), foi ter encontrado a porta de entrada da agência com o vidro quebrado e os pedaços jogados no chão.

A reportagem registrou o ato de vandalismo, que até agora ninguém sabe quem praticou. A Polícia Militar foi chamada e esteve no local fazendo as primeiras investigações. Na ocasião, vários clientes saíram da agência bastante revoltados devido só um caixa eletrônico estar funcionando, por isso, há suspeitas de quem praticou o ato ter sido um cliente, que deve ter ficado irritado com o sucateamento dos caixas. Também existe a hipótese do banco ter sido alvo de vandalismo praticado por desocupados que andam pelas ruas de Santarém agredindo pessoas e depredando o patrimônio público.

Um caso que chamou atenção aconteceu na madrugada de sexta-feira, quando o morador de rua conhecido por João Barba de Ouro recebeu quatro facadas desferidas por dois elementos que estavam em uma bicicleta, em frente a loja da empresa Vivo, na Rua Floriano Peixoto. O que causou indignação da população é que há poucos metros de onde aconteceu a tentativa de homicídio existe um posto da Polícia Militar, mas ninguém viu o fato.

Com relação ao serviço do Banco do Brasil, o vereador Nicolau do Povo denunciou na tribuna da Câmara Municipal de Santarém o péssimo serviço que a instituição bancária presta à população. No domingo, quem precisou dos serviços dos caixas eletrônicos do Banco do Brasil, teve a maior decepção, pois somente um caixa eletrônico estava funcionando na Agência da Rui Barbosa. Nas agências da Avenida Cuiabá e da Siqueira Campos nenhum caixa estava funcionando.

Fonte: RG 15O Impacto

4 comentários em “Agência do Banco do Brasil é alvo de vandalismo em Santarém

  • 28 de abril de 2014 em 12:11
    Permalink

    infelizmente e um realidade precisei do banco no domingo pois teria que viajar na segunda e não tinha nem um caixa funcionando

    Resposta
    • 28 de abril de 2014 em 12:46
      Permalink

      Deixa eu falar uma coisa para vocês, já trabalhei no banco do brasil, e só tem uma forma de resolver, é todo cliente que chegar no caixa eletrônico e não tiver dinheiro, passar acima de 30 minutos na fila… basta ligar para a OUVIDORIA e fazer a reclamação, é pior do que dar um chute no culhão do gerente, não adianta a imprensa reclamar, câmara enviar nota de repúdio (o Marcão, gerente, vai ler e rir) nada disso resolve, só OUVIDORIA, mas quase ninguém liga e nada é feito, se após as reclamações na OUVIDORIA não surtir efeito, reclamem diretamente no BANCO CENTRAL, aí o chute é no culhão do Superintendente, contudo, todos precisam fazer este procedimento. Quer ver uma coisa, neste fim de semana novamente não tinha dinheiro nos TAAs, sabe quantas pessoas ligaram para OUVIDORIA? Ninguém. Quantos denunciram no BACEN? Ninguem?
      Sabem quantas denuncias no Banco Central a agência central(130-9) teve em 2013? Uma, isso mesmo uma, em 2014 nenhuma ainda, para a diretoria do Banco aqui é um paraíso.
      OBS: Eles tem meta para não receber denuncia na OUVIDORIA e BACEN, mas os clientes não sabem disso, basta a imprensa iniciar uma campanha para que isto seja feito. Já que não vai com amor, vai na dor.
      OBS2: Mas tem que ser feito por cada cliente que se sentir lesado, não adianta só um reclamar.
      OBS3: O procedimento correto é este!
      1-Ligar para a central de atendimento e efetuar a reclamação(SAC BB – 0800 729 0722);
      2-Após anotar o protocolo, como sabemos que nada vai mudar, reclamar na ouvidoria(Ouvidoria – 0800 729 5678);
      3-Com os protocolos da central e da ouvidoria reclamar no BACEN(0800 979 2345 ou http://www.bcb.gov.br/?RECLAMACAODENUNCIA).

      Resposta
  • 27 de abril de 2014 em 17:41
    Permalink

    Reclamações contra instituições financeiras e administradoras de consórcio

    O Banco Central do Brasil (BC) tem como missão “assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente”. Nesse contexto, compete ao Banco Central exercer a regulação e a fiscalização das atividades das instituições que integram o SFN e das administradoras de consórcio.

    Reclamações quanto aos serviços e produtos oferecidos por essas instituições podem ser registradas por qualquer cidadão junto ao Banco Central. Tais reclamações constituem importante subsídio ao processo de regulação e fiscalização do SFN, pois podem indicar descumprimento de leis e normas aplicáveis a essas instituições.

    Com o objetivo de orientar adequadamente os clientes e usuários das instituições financeiras e das administradoras de consórcio, recomenda-se que qualquer reclamação seja primeiramente efetuada nos locais onde o atendimento foi realizado ou no Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) da própria instituição.

    O cidadão poderá ainda recorrer à Ouvidoria da instituição, que terá o prazo máximo de 15 dias para manifestar-se de forma conclusiva. As Ouvidorias foram criadas para mediar os conflitos entre aquelas instituições e os seus clientes e usuários de produtos e serviços e estão regulamentadas pela Resolução nº 3.849, do Conselho Monetário Nacional (CMN) e pelas Circulares nº 3.501 e nº 3.503, do Banco Central, todas de 2010.

    As questões inerentes às relações de consumo entre clientes e usuários das instituições financeiras e das administradoras de consórcio estão sujeitas ao Código de Defesa do Consumidor, cabendo aos órgãos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor (SNDC) fazer a mediação dessas questões. É também direito do cidadão recorrer ao Poder Judiciário para solução das questões que não tenham sido resolvidas satisfatoriamente por essas instituições.

    Verifique em \”Perguntas mais frequentes\” se as informações disponíveis já atendem sua situação. Caso contrário, acesse \”Registre sua reclamação\”.
    http://www.bcb.gov.br/?RECLAMACAODENUNCIA

    Resposta
  • 27 de abril de 2014 em 16:51
    Permalink

    Deixa eu falar uma coisa para vocês, já trabalhei no banco do brasil, e só tem uma forma de resolver, é todo cliente que chegar no caixa eletrônico e não tiver dinheiro, passar acima de 30 minutos na fila… basta ligar para a OUVIDORIA e fazer a reclamação, é pior do que dar um chute no culhão do gerente, não adianta a imprensa reclamar, câmara enviar nota de repúdio (o Marcão, gerente, vai ler e rir) nada disso resolve, só OUVIDORIA, mas quase ninguém liga e nada é feito, se após as reclamações na OUVIDORIA não surtir efeito, reclamem diretamente no BANCO CENTRAL, aí o chute é no culhão do Superintendente, contudo, todos precisam fazer este procedimento. Quer ver uma coisa, neste fim de semana novamente não tinha dinheiro nos TAAs, sabe quantas pessoas ligaram para OUVIDORIA? Ninguém. Quantos denunciram no BACEN? Ninguem?
    Sabem quantas denuncias no Banco Central a agência central(130-9) teve em 2013? Uma, isso mesmo uma, em 2014 nenhuma ainda, para a diretoria do Banco aqui é um paraíso.
    OBS: Eles tem meta para não receber denuncia na OUVIDORIA e BACEN, mas os clientes não sabem disso, basta a imprensa iniciar uma campanha para que isto seja feito. Já que não vai com amor, vai na dor.
    OBS2: Mas tem que ser feito por cada cliente que se sentir lesado, não adianta só um reclamar.
    OBS3: O procedimento correto é este!
    1-Ligar para a central de atendimento e efetuar a reclamação(SAC BB – 0800 729 0722);
    2-Após anotar o protocolo, como sabemos que nada vai mudar, reclamar na ouvidoria(Ouvidoria – 0800 729 5678);
    3-Com os protocolos da central e da ouvidoria reclamar no BACEN(0800 979 2345 ou http://www.bcb.gov.br/?RECLAMACAODENUNCIA).

    Caso o Jornal queira, pode enviar perguntas para meu email que respondo todas as dúvidas e os motivos do descaso do BB com nossa querida população de Santarém.

    Ricardo Augusto

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *