Estrada de Alter do Chão abandonada pelo estado

Flagrante mostra ônibus desviando da areia e entrando na contra-mão da pista
Flagrante mostra ônibus desviando da areia e entrando na contra-mão da pista

Quem sai de Santarém com destino a praia de Alter do Chão, no Oeste do Pará, constata o abandono da rodovia estadual Everaldo Martins, que dá acesso a um dos principais balneários do Brasil. Moradores e turistas denunciam que atualmente Alter do Chão passa por sérios problemas de acesso e infraestrutura, ocasionados pela má gestão do Governo do Pará e pela falta de apoio da prefeitura de Santarém.

Segundo os comunitários, há algum tempo, a Estrada de Alter do Chão não recebe manutenção, há buracos em seu leito e o mato toma conta das laterais, começando a adentrar na pista de rolamento, sem contar a falta de podagem das árvores, onde de vez em quando uma delas tomba para o leito da rodovia, causando riscos de acidentes. Outro perigo é relacionado ao acúmulo de areia das chuvas que ficam no leito da Rodovia e causam perigo aos motoristas, que em alguns trechos precisam desviar dos montes de areia e entram na contra-mão da pista. O caso é sério e deve ser recuperado com urgência pelo poder público.

Cansados de acompanhar diariamente tanto descaso, os moradores pedem ao governo estadual que olhe com carinho para a situação da rodovia de acesso a Alter do Chão. Eles apontam que com as chuvas fortes e a falta de manutenção, o perigo é constante, principalmente nas curvas, onde estão abrindo inúmeros buracos.

A preocupação dos moradores fica em relação aos riscos de acidentes na rodovia de acesso ao balneário, uma vez que principalmente nos fins de semana, a estrada é muito utilizada por pessoas de Santarém e de várias partes do Brasil e do mundo, as quais deve ser dada total segurança.

Além dos problemas na estrada, donos de hotéis e pousadas reclamam que nos dias de chuva, em Alter, o pânico é geral tanto no centro da Vila quanto em ruas sem asfalto, onde hotéis são invadidos pela lama. “Reclamar para quem? Ah tá, nossa vocação é turismo. Na lama? Esgoto desaguando na Ilha do Amor? Ruas intrafegáveis no centro da Vila?”, questiona um empresário.

Na questão da baixa temporada, de acordo com os donos de hotéis, o turismo em Santarém e na região baseia-se principalmente nos atrativos naturais que constituem o maior patrimônio turístico e, em seguida vem os atrativos culturais. “Então, os atrativos naturais e belezas naturais continuam aí. Apenas a maneira de olhar essas belezas é que precisa mudar. O período de chuva não precisa ser de baixa temporada, desde que numa sinergia de forças tanto do Governo quanto da iniciativa privada, eles estejam atentos a isso”, adverte uma empresária do ramo hoteleiro.

Ela observa que ter produtos e atrativos turísticos formatados e ter empresas turísticas somente não são suficientes para Alter do Chão, sem que haja um esforço do Governo do Pará do governo municipal, para que os turistas possam ter acesso com segurança ao balneário. “É preciso investir na acessibilidade a quem deseja visitá-lo. Temos o principal acesso, onde o turista utiliza mais, que é através do aeroporto maestro Wilson Fonseca, mas recebemos turistas via terrestre e fluvial também. Então, a Estrada de Alter do Chão precisa estar trafegável e bem sinalizada. Há um fluxo de pedestres muito grande. A gente observa que os ônibus quase nunca conseguem parar nos pontos, mas no meio da pista. Então, é um complicador e temos que ter cuidado. É preciso que se olhe com mais carinho para essa estrada, por se tratar de uma rodovia estadual. A Estrada está abandonada e precisa de encostamento para que os moradores das vilas do entorno, possam ter um pouco mais de segurança, até porque algumas vidas de santarenos já foram ceifadas. Mas qualquer hora dessas pode ser um turista!”, avisa a empresária.

ESTRADAS VICINAIS DE SANTARÉM TAMBÉM ABANDONADAS: Problemas relacionados à infraestrutura de ruas e estradas continuam causando transtornos para quem mora na zona urbana ou no interior de Santarém. Lama, barro e muitos buracos. Ingredientes que favorecem a ocorrência de acidentes. Este é o retrato deplorável das estradas vicinais de Santarém.

Diante do problema, o agricultor João Luís Leite, morador da Comunidade de Santarém-Miri informou que a manutenção da principal estrada que liga a zona urbana da cidade à comunidade que deveria ser feita constantemente, há vários meses não é realizada.

João Luís, que esteve em Santarém, disse que a falta de manutenção tem provocado transtornos principalmente aos produtores, mas, o trecho é de responsabilidade do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e também da Prefeitura de Santarém.

Segundo ele, a manutenção é necessária porque a estrada virou a principal rota para quem vai para Santa Maria do Uruará e região da Transamazônica.

João revela que políticos e apadrinhados do mandatário possuem propriedades nestas regiões. Mesmo assim há meses a estrada não tem manutenção. “Em vários pontos da estrada é praticamente impossível transitar. Até mesmo com veículos menores, como moto, é difícil”, afirma Leite.

De acordo com ele, o abandono prejudica quem precisa fazer uso desta estrada para chegar à sua propriedade, para passear ou vir à Santarém fazer compras. “Por lá só mesmo montado a cavalo, ou nas costas de outro animal. A população se vira como pode. Tentam tapar os buracos com paus e pedras. Um trabalho penoso e praticamente inútil”, conta Leite.

Por: Manoel Cardoso

3 comentários em “Estrada de Alter do Chão abandonada pelo estado

  • 24 de abril de 2015 em 13:46
    Permalink

    ESTE E O GOVERNO DO JAMENTE E DO VONmito!!!!!!!!!!!!!!!

    Resposta
  • 24 de abril de 2015 em 13:45
    Permalink

    E QUE O MERABET FICAS MUITO NO FACE FALANDO MAL DO PT E PUXANDO O DO JATENE,QUE ESQUECEU DE SUA OBRIGAÇÃO DE VER A SITUAÇÃO DA ESTRADA VCS PRECISAM VER O ESTADO DA RODOVIA CURUAUNA

    Resposta
  • 23 de abril de 2015 em 18:34
    Permalink

    Governador e prefeito, ambos do PSDB, o mesmo partido que tanto critica a turma do PT. A mesma incompetência.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *