Triângulo amoroso: Mulher contrata pistoleiros para matar rival

Márcia Suelen Vasconcelos “Xuxa” está sedo procurada pela Polícia por ter encomendado a morte de Vanessa Sousa Evangelista
Márcia Suelen Vasconcelos “Xuxa” está sedo procurada pela Polícia por ter encomendado a morte de Vanessa Sousa Evangelista

Um triângulo amoroso resultou em tragédia, nesta semana, em Santarém. Testemunhas informaram que Vanessa Sousa Evangelista, de 27 anos, foi atingida com três tiros, por volta de 11h30, de segunda-feira, 27, desferidos por homens, em uma motocicleta. O crime aconteceu na Rua da Índia, bairro do Livramento.
Vanessa foi conduzida para o Pronto Socorro Municipal (PSM), onde passou por procedimentos cirúrgicos e se encontra internada em estado grave. Parentes informaram que ela foi atingida por três tiros. Um deles acertou a cabeça de Vanessa e dois acertaram o abdômen da vítima.
Após investigação minuciosa, a Polícia Civil chegou à conclusão de que a proprietária do bar Devassa Drink’s (localizado na Rua Silvério Sirotheau), Márcia Suelen Vasconcelos, conhecida como “Xuxa”, motivada por ciúme de seu companheiro, identificado por “Dênis”, vocalista da Banda Tapajoara, o qual havia sido casado com Vanessa, foi a mandante do crime.
Segundo investigações da Polícia Civil, Vanessa havia se separado há alguns meses de Dênis. Porém, após a separação de Vanessa, Xuxa levava uma vida quase maritalmente com Dênis, mas sempre regada de ciúmes. Entre os problemas que Vanessa enfrentou por conta dos ciúmes de Xuxa, segundo parentes, foram colocados produtos usados em rituais de magia negra, na frente da casa da vítima, além de outros tipos de intimidações.
No local, também homens em uma motocicleta haviam efetuados alguns disparos de arma de fogo, recentemente, de acordo com parentes de Vanessa. Eles acreditam que todos os casos de tentativa de intimidação realizados contra Vanessa, partiram de Xuxa.
Depois de receber informações sobre o caso, por meio de depoimentos, investigadores da 16ª Seccional da Polícia Civil, sob comando do delegado Herbert Farias Júnior, em parceria com o Serviço Reservado da Polícia Militar, prenderam na tarde de terça-feira, 28, em diferentes pontos de Santarém, três pessoas envolvidas no crime.
Entre os envolvidos estão, Giovanni Oliveira Mota, Cleisinho e Ajakson, que foram conduzidos para a 16ª Seccional de Polícia Civil, onde prestaram depoimento. Em seguida, foram encaminhados para o Centro de Recuperação Agrícola Silvio Hall de Moura (CRASHM). Durante a operação policial também foi apreendido um revólver calibre 22, usado na execução do crime.
De acordo com os investigadores da Seccional Urbana, Cleisinho guardou a arma em sua casa. Já Giovanni foi quem pilotou a motocicleta, no momento do crime. Ajakson, segundo os investigadores, foi quem gerenciou toda a quadrilha que participou do atentado cometido contra Vanessa, a mando de Xuxa.
A prisão de Giovanni e Ajakson aconteceu por volta de 13 horas, de terça-feira, na periferia de Santarém. Cleisinho foi preso por volta de 16 horas, também de terça-feira, no subúrbio de Santarém.
Em depoimento na Seccional, o três homens confessaram que foram contratados por Xuxa para executar o crime, e que ela pagaria a quantia de R$ 4 mil. Como Xuxa não pagou o dinheiro por conta da vítima não ter morrido, ela sugeriu que os três homens fossem ao PSM e desligassem o aparelho que mantém Vanessa respirando, para ela poder pagar o dinheiro.
Os investigadores informaram que Xuxa mora no bairro do Uruará, mesmo tendo um ponto comercial no centro da cidade. Os investigadores destacaram que ainda falta ser preso o pivô do triângulo amoroso, Denis, o vocalista da Banda Tapajoara; Xuxa, a mandante do crime e um homem identificado por Jessé, acusado de ser o executor dos tiros que atingiram Vanessa.
Os investigadores afirmaram que mesmo já tendo feito vários tipos de intimidação a Vanessa, a vontade de Xuxa era matar a rival.
O chefe de operações da Polícia Civil, Hélio Rêgo, informou que o triângulo amoroso foi que fomentou o crime. “Tivemos informações de quem poderia ter participado do crime e prendemos os acusados, que já são conhecidos da Polícia e, que a Márcia teria contratado eles para executar a ação criminosa. As investigações continuam, no intuito de prender Xuxa, porque ela é acusada de armar toda essa situação”, contou Hélio Rêgo.
INCÊNDIO NO DIAMANTINO PODE TER SIDO MOTIVADO POR CIÚME: A Polícia Civil continua investigando as causas de um incêndio que aconteceu na madrugada do dia 24 deste mês, em uma residência, na Rua Alvorada, no bairro do Diamantino, em Santarém, Oeste do Pará. Motivado por ciúmes da companheira Alexandra Maria Carvalho de Almeida, de acordo com os investigadores da 16ª Seccional da Polícia Civil, o carvoeiro Erisson Soares Conceição, de 23 anos, morador do bairro da Jaderlândia, é o principal suspeito de ter tocado fogo na casa. Segundo a Polícia Civil, o autor do incêndio estava embriagado, no momento em que executou o crime. “Ele (Erisson) teria chegado à casa de sua ex-companheira, desconfiado que ela estivesse com outra pessoa, e ateou fogo no local”, informou o delegado Herbert Farias Júnior.
Erisson Soares, segundo o delegado Herbert, já tinha várias passagens pela Polícia, por ter cometido outros crimes, em Santarém. Uma delas por assalto. Erisson estava em prisão domiciliar. Testemunhas relataram que Erisson tinha um relacionamento com a dona da casa, Alexandra e, que ele estava no local, junto com a mãe e duas crianças quando iniciou o incêndio. Vizinhos foram acordados pela Polícia para deixar a área. Ninguém ficou ferido, houve somente danos materiais. “A companheira dele conseguiu tirar as crianças. Foi arbitrado o pagamento de três salários mínimos, mas não foi pago e ele será recolhido”, destacou o delegado de Polícia Civil, Herbert Farias.
Após atear fogo na casa da companheira, Erisson retornou à Penitenciária Agrícola Silvio Hall de Moura, ainda no último fim de semana. O delegado Herbert Farias revelou que os casos de violência contra a mulher aumentaram em Santarém, nos últimos meses. O motivo principal, de acordo com ele, é a ingestão de bebida alcoólica e o uso de drogas, principalmente por parte dos companheiros. Casos de mulheres que passam anos sofrendo diversos tipos de violência se tornam cada vez mais freqüentes, de acordo com a Polícia Civil. Em todos eles, a denúncia é a principal arma contra o agressor. E é esta atitude que muitas mulheres precisam ter para mudar a realidade.
A coordenadora da Associação de Mulheres Domésticas de Santarém, Edna Assunção, destaca a dificuldade que as mulheres passam até conseguirem denunciar. “É um momento difícil porque elas ficam com muito medo, ainda tímidas. É o medo de que o marido deixe ou o medo de que ele faça alguma coisa pior do que ele está fazendo”, explana.
A advogada e especialista em direitos de família, Ana Sarmento, diz que “a maioria dos casos vem demonstrando que esse medo é não só do marido ou companheiro, mas o medo de enfrentar a vida sozinha, de conseguir lugar no mercado de trabalho. Muitas vezes essa mulher não tem acesso à informação, à escola e ao próprio trabalho. Então, por medo de morrer e de enfrentar a vida, ela se submete à violência”, aponta.
TENTATIVA DE HOMICÍDIO EM MOJUÍ: Um homem de 57 anos foi preso em Mojuí dos Campos, na segunda-feira (27) suspeito de tentar matar um jovem utilizando um gargalo de garrafa. Segundo a Polícia Civil do Município, o crime aconteceu durante uma discussão entre vítima e suspeito. A tentativa de homicídio aconteceu no período da tarde, em um barracão, anexo a uma quadra de esportes localizada na Rua Castelo Branco, no bairro Esperança, em Mojuí dos Campos. “Por volta das 14h, cinco amigos estavam bebendo no barracão e dois começaram a discutir e essa discussão evoluiu para agressões verbais. A vítima deu um tapa no rosto do suspeito e após alguns instantes, o suspeito pegou uma garrafa quebrou e com o gargalo desferiu dois golpes na vítima. Ele só não matou a vítima porque uma testemunha impediu”, contou o delegado de Polícia Civil, José Kleidson. O suspeito fugiu após o crime, mas foi encontrado pela Polícia logo depois, escondido próximo a sua casa. “Ele estava em um mato que fica atrás da casa dele, localizada no mesmo bairro onde aconteceu o crime”, disse o delegado.
MORTE NO RIO GURUPATUBA: O corpo de um homem foi encontrado por moradores na terça-feira (28) no rio Gurupatuba, próximo ao terminal hidroviário, no bairro Cidade Baixa, em Monte Alegre. De acordo com informações da Polícia Militar, a vítima de 19 anos tinha sumido desde domingo (26). O desaparecimento do jovem havia sido registrado na Delegacia de Polícia Civil do Município. Familiares da vítima reconheceram o jovem pelas roupas. Testemunhas disseram que a vítima estava em um bar consumindo bebida alcoólica e sumiu depois de tomar banho no rio. O cabo da PM, Rosildo Favacho Teixeira, informou que não há marcas de agressão na vítima.
Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *