Informe RC

O BRASIL ESTÁ DOMINADO POR LADRÕES

Comentário de Arnaldo Jabor:

Entre outras coisas o governo nos roubou o assunto. Isso. O único assunto é esse caos instalado pela estupidez e desonestidades. Está tudo dito. Extratos bancários e cheques assinados em bancos suíços não provam mais nada. Artigos, comentários e manifestos já disseram tudo. Mas que provas pedem os acusados? Cenas do recebimento da grana filmada em cores? Isso já foi feito, lembram das meias e cuecas? Não rolou nada. E onde está a verdade? Simples. Tudo que eles negam é verdade. É espantoso este cabo de guerra entre suspeitos de crimes e suspeitos de crimes. A alma do negócio não é mais o segredo. É tudo escancarado. Acordos espúrios são feitos inconstitucionalissimamente. A maior palavra da língua portuguesa não chega a nos descrever. Há uma invasão dos poderes para fechar acordos. “Se você não pedir o impeachment, a gente quebra seu galho no Conselho de Ética”. Querem burlar a ética no Conselho de Ética. A situação não é somente política como se fosse um jogo normal entre partidos. Trata-se de um impasse gravíssimo, um desmanche geral. O Brasil está dominado pelos ladrões. Quem? Que partido? Que ações vão consertar essa perda total da República? Como diziam as bruxas de Shakespeare: “Vem coisa ruim por aí”. Aliás, já veio. Aliás, não adianta comentar mais nada. Está tudo dito. Aliás, o que estou fazendo aqui? Bye bye, Brasil.

PESCA LIBERADA

A presidente Dilma, no começo de seu 1º mandato, pediu à Polícia Federal pra apurar e acabar com a corrupção na concessão de Seguro Defeso (4 salários mínimos/ano) no então Ministério da Pesca. Criado no governo de Itamar Franco em 1993, para beneficiar pescadores artesanais das regiões sul e sudeste, onde os rios secavam, os peixes migravam para reproduzirem e não tinham como pescar. Posteriormente, em 2003, início do governo Lula, para ajudar companheiros ligados a seu partido, presidentes de Colônias ou Associações de Pescadores, foi estendido para todo o país. De lá para cá, o que era pouco mais de 100 mil, se transformou em quase 1,5 milhão, registrado no antigo órgão, hoje integrado, na minirreforma, ao Ministério da Agricultura. Maioria fabricada a troco de votos, levando pro ralo próximo a 3 bilhões/ano. Na sexta (9), o Diário Oficial da União trouxe portaria assinada pelos ministros da Agricultura e do Meio Ambiente liberando a pesca durante o período reprodutivo e suspendendo normas anteriores quanto à reprodução. Na região amazônica, a decisão dos ministros não causa problemas, os verdadeiros pescadores pescam o ano todo, no inverno ou verão, com chuva ou sol.

O CERCO SE FECHA

A presidente Dilma, domingo (18), antes de viajar para a Suécia e Finlândia, em visita oficial, lamentou que o escândalo envolvendo o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB/RJ), como dono de contas bancárias secretas no exterior, divulgado pela mídia, tenha como protagonista “um brasileiro”, o que envergonha o país. O do assalto aos cofres da Petrobrás, de onde partidos e políticos com mandatos, ex-ministros, ex-governadores, levaram bilhões de reais, não é, né? O cerco se fecha. Seus aliados, maioria compondo o baixo clero (deputados de fraca atuação), na Câmara, começam a pedir sua renúncia ao cargo depois que foi exibida a movimentação das contas.   Mas o deputado confirma e reafirma de não se afastar das funções e nem haver contas em bancos no exterior em seu nome e de familiares e nunca ter recebido valores de quem quer que seja. O procurador geral da República, Rodrigo Janot, confirma a existência das contas, que o deputado nega, inclusive na CPI da Petrobrás, em março. Consciente de Cunha ter mentido e municiado de farta documentação remetida por procuradores da Justiça Suíça, o procurador estuda pedir, esta semana, ao Supremo Tribunal Federal (STF), o afastamento do presidente da Câmara. É como diz o juiz federal Sérgio Moro: quer saber de onde saiu o dinheiro e quem é o chefe? Segue a trilha.

CADA VEZ MAIS AFUNDA

Quinta (16), mais uma agência de classificação de risco, a Fitch, rebaixou a nota do Brasil. A 1ª foi a Moody’s, que tirou o selo de bom pagador. As notas de avaliação dessas agências, de credibilidade internacional, servem de referência a investidores do planeta sobre a segurança de aplicar dinheiro num país. A presidente não consegue aprovação do pacote fiscal no Congresso, correndo risco de impeachment, não corta as despesas da máquina pública, além da incerteza de em curto prazo, recuperar a economia, envolvida com a corrupção na Petrobrás. O que pode acontecer? O dólar se valoriza, caem as vendas, as indústrias diminuem a produção, aumentando a inflação e o desemprego. A presidente continua levando culpa não só pela sua má gestão, como não cumprir com o que promete, o que leva o país cada vez mais para o fundo do poço. Prometeu cortar 10 ministérios de 39 e só mexeu com 8. Maioria dos ministros só trocou de lugar. O corte de 3 mil funcionários companheiros comissionados não se efetivou, não tirou ninguém. A justificativa da presidente é de deixar passar esse momento de crise (quando?) para dispensar o pessoal, o que poderia criar insatisfação. Assim, a companheira, tão cedo, não vai ver luz no fim do túnel.

RÉU CONFESSO

Está explicado à nação das irregularidades encontradas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) nas contas do governo        relativas ao exercício de 2014, de responsabilidade da presidente, reprovadas por unanimidade pelos ministros do órgão, podendo redundar num pedido de impeachment. Num congresso da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na cidade de São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo, o ex-presidente Lula da Silva, apontado como o maior responsável pela situação que passa o país, defendeu os desacertos contábeis da companheira Dilma. Declarou para uma plateia de 2500 sindicalistas que as irregularidades encontradas pelo TCU foram para manter programas sociais. Ela fez as pedaladas sim, para pagar o Minha Casa Minha Vida e o Bolsa Família. A oposição, no Senado e na Câmara, desmentiu as justificativas do dono do PT.

CHANTAGEM

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, encarregado pela companheira Dilma de proceder com os reajustes fiscais (aumento de tributos) para tirar o país da crise econômica que atravessa, ainda a serem votados no Congresso, numa audiência na Câmara dos deputados, defendeu a criação da CPMF e mostrou aos parlamentares dos benefícios sociais correrem risco de não serem pagos se essa bordoada, nos bolsos dos brasileiros, não for criada. O ministro alegou de o imposto do cheque ser para o governo ter dinheiro para pagar todas as responsabilidades da Seguridade Social, inclusive o abono salário. Se partidos e políticos comandados pelo PT não tivessem assaltado os cofres do governo e quebrado a Petrobrás, o Brasil não estaria passando por essa humilhação, que o governo quer transferir a fatura à população, cansada de pagar tantos impostos. Para os moradores da rua em que moro, a intenção do ministro, em sua argumentação, tem nome: chantagem.

IMPUNIDADE

Em São Paulo, domingo 18, na região norte da cidade, uma madame, dirigindo seu potente carrão, em avançado estado de embriaguez, matou dois operários pobres, casados e pais de muitos filhos, quando pintavam o desenho de uma bicicleta numa ciclovia, protegidos por vários cones de sinalização. Segundo a Polícia, a motorista, num teste de bafômetro, comprovou ter consumido álcool o triplo do permitido. Encurtando: pegada em flagrante, por não poder ficar de pé, foi levada para o Distrito Policial. No dia seguinte, arbitrada por um Juiz do Departamento de Inquérito Policial, pagou fiança de 20 salários mínimos, e vapt-vupt ganhou liberdade, que deve ser eterna. Morte no transito, ocasionada por pessoas alcoolizadas, devia ser considerado crime hediondo, o infrator ir a Júri Popular, com a pena recebida acrescida de 1/3, como acontece com quem mata policial.

PARA AONDE VAMOS?

Há bastante tempo, órgãos de segurança nos estados, polícias federal e rodoviária, debitam a criminosos, com viés esquerdistas, agrupados em falsos movimentos sociais, que vivem à custa do dinheiro do governo, como responsáveis pela maioria dos incêndios, queimadas, que tomam de conta do país, dando trabalho a helicópteros, aviões, policiais e bombeiros para debelarem o fogo. Numa fazenda, próxima 60 km da cidade de Vilhena, no estado de Rondônia, falsos Sem Terra invadiram uma área de propriedade legítima. Expulsos pela Polícia Militar, dias depois, sorrateiramente, retornaram, matando 5 pessoas, atearam fogo nos corpos, nas casas e máquinas. Escapou 1, com uma bala no corpo, que se fingiu de morto, para contar a história. Domingo (18), o governador de Minas Gerais, governado pelo PT, decretou situação de emergência no estado, por causa de incêndios em parques e áreas de reserva. Gerentes de parques e funcionários da Companhia de Saneamento de Minas afirmam da origem do fogo ser criminosa. Quem gosta de fogo são os idealistas vermelhos do MST, amigos do PT.

O CUSTO É COMEÇAR

O ex-presidente Lula prestou, na 2ª semana do mês, depoimento a um procurador da República, na investigação conduzida pelo Ministério Público Federal do Distrito Federal, que apura tráfico de influência de Lula em favor da construtora Odebrecht, pela qual era requisitado para fazer palestras em viagens internacionais, onde a empresa tinha obras financiadas pelo BNDES, banco do povo brasileiro, como em Cuba, República Dominicana, Gana e Angola, entre outras nações. Justificou não ter interferido nos contratos, e ser obrigação, dos ex-presidentes do mundo, defender interesses das empresas do país no exterior. Vamos lá que seja no seu primário entendimento, mas não fazer lobby e palestras pagas ao Instituto Lula, num montante de dezenas de milhões. A diferença é grande. O também ex-presidente Fernando Henrique, que mantém um instituto com seu nome, conhecido universalmente pela sua cultura e falando 6 idiomas, nunca adotou este comportamento indefensável. Na sexta (16), um delator da Operação Lava Jato afirmou, em depoimento, de uma das noras (4) do ex-presidente Lula ter dado uma beliscada de 2 milhões de reais do esquema criminoso de propina na Petrobrás para quitar um imóvel. O Instituto Lula, prontamente, como de costume, desmentiu. As madames são todas honestas, os maridos estão muito ricos. Tá.

AINDA ALENQUER

O mau exemplo vem de cima, de Brasília. Alguns prefeitos da região do oeste do Estado, respondem ações na Justiça, acusados de pagarem vereadores para votarem favoráveis, na Câmara Municipal, matérias de interesse do município. O Ministério Público de Alenquer deve apurar a veracidade do conteúdo de um vídeo em que aparece um vereador, filiado ao PT, operador de 10 colegas, inclusive do presidente do Legislativo ximango, recebendo uma propina merreca de 4 mil reais do corrupto prefeito Flávio Marrero. A conversa que rola na cidade é a aprovação, em 1ª votação, a 2ª, 10 dias depois, de emenda à Lei Orgânica do Município, através da qual podem articular o afastamento de Marrero do cargo, e cobram 1 milhão de reais, 100 mil para cada, se oporem à aprovação da armação, que teria sido gravado um novo vídeo do papo entre o gestor e o operador. Se não é vero, é quase.

PREFEITO BRONQUEADO

Não é a primeira vez que o prefeito de Óbidos é apontado e denunciado à Justiça por práticas desonestas no uso com o dinheiro público. Caminha para 2 anos que o vice-prefeito andou por Santarém com um grupo de vereadores narrando as irregularidades e fraudes praticadas pelo gestor, às rádios, blogs e semanários locais, culminando com uma denúncia, feita sem documentos comprobatórios, à Justiça Federal. Talvez, por isso, deve ter sido arquivada. Agora não, as provas são robustas e frutos de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) aberta na Câmara Municipal, com a participação de 5 vereadores que confirmam do prefeito Mário Henrique Guerreiro (PMDB) ter cometido um rosário de falcatruas com recursos do FUNDEB, inclusive pagando servidores fantasmas. O vereador, presidente da CPI, protocolou em Santarém, nos Ministérios Públicos, estadual e federal, denúncias com cópias do colhido para que a Justiça julgue se Guerreiro é prefeito sério no trato com o dinheiro, ou não.

ATOS E FATOS

ACUADA – Da ex-companheira, senadora Marta Suplicy (PMDB), sugerindo, indiretamente, a renúncia à presidente: “é uma crise aguda. Dilma nunca se viu tão acuada”. – SUGESTÃO – De um leitor da revista Veja: “Dilma Rousseff deu nosso dinheiro a políticos que comandam ministérios e estatais como se fossem feudos. Para tentar acabar com a crise, sem aumentar impostos, basta tirar de cena os políticos dos mensalões, petrolões e outros leões que andam soltos”. – AINDA NÃO CHEGOU – Segundo o IBGE, em 1 ano, 1,8 milhão de brasileiros perderam o emprego. O contingente de pessoas sem ocupação chega a 8,6 milhões, Muitos economistas dizem que ainda não chegamos ao fundo do poço. – PROPINA ATÔMICA – Tramita, no gabinete do ministro do Supremo, Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato, inquérito sigiloso, onde os senadores Edson Lobão, Renan Calheiros e Romero Jucá aparecem como recebedores de propina em contratos da Usina Angra II.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *