ALENQUER: CRISE, DECEPÇÃO, VERGONHA E EXPECTATIVA

A política em Alenquer virou brincadeirinha de cabo de corda e queda de braço entre Flávio Marreiro e Carlos Cambraia
A política em Alenquer virou brincadeirinha de cabo de corda e queda de braço entre Flávio Marreiro e Carlos Cambraia

O afastamento do prefeito Flávio Marreiro, pela Câmara Municipal de Alenquer, era o maior afã que a comunidade Ximanga esperava, pois não suportava mais tantos desmandos de caráter generalizado. Para os críticos foi o ato político mais zombado da história do Município. Por conseguinte, a provação popular foi na cifra de 95%.

Dentro deste cenário de instabilidade administrativa, de crise, decepção, vergonha e expectativa, eis que aflora uma grande especulação e incerteza. Isto é, questionamento volta a cerca de que se por ventura, a Justiça se fundamente no princípio do contraditório, da ampla defesa, e julgar improcedente, a ação do Legislativo, logicamente o gestor titular será reconduzido ao poder.

Assim sendo, a suspensão de Flavio Marreiro culminou, na posse do vice-prefeito Carlos Cambraia, que poderá governar o Município pelo prazo de 90 dias. Doravante, mais do que nunca, o Prefeito interino deve imbuir-se no dever ou na incumbência de restabelecer a paz, a ordem, a ética e a moralidade. Principalmente nos preceitos pautados da lisura e transparência na gerência do dinheiro público e do patrimônio municipal.

Até porque, quando transitoriamente geriu a pasta da educação, alegou que não desenvolveu um bom trabalho porque foi preterido, hostilizado e cerceado, pelo prefeito Flávio Marreiro. Ao ser exonerado, disse à imprensa que sua incompatibilidade com o mesmo, foi por não compactuar com a: inércia, marasmo, corrupção, desgoverno e improbidade administrativa.

Em síntese, os desafios para Carlos Cambraia e sua equipe, não serão tão fáceis, partindo da premissa que, há fortes evidências de rombos astronômicos, inadimplência, atraso no pagamento de: convênios, aos fornecedores e funcionalismo público municipal. Na área de infraestrutura, as reclamações são as mais absurdas, tais como: coleta irregular de lixo, muitos buracos nas vias públicas, poeira e enormes crateras nos bairros periféricas. Outro crucial problema e gargalo para todo Prefeito é a estação invernosa, a qual desencadeia erosão, enxurradas, lamas e etc.

Resumindo, com o verdadeiro caos que se instalou na Princesa do Surubiu, não existe e nem vislumbra perspectivas, de que em curto prazo as demandas sejam sanadas e o Município retomar o crescimento. As razões são óbvias, até a presente data estão havendo muitos mistérios e situações abstratas, onde ninguém tem conhecimento de metas e planejamentos de governabilidade. No que concerne as opiniões palpáveis, lamentavelmente, Alenquer ficou um longo tempo prejudicada, com uma administração: conturbada, sem norte, desgovernada, saqueada, à deriva e acéfala.

FESTEJANDO: João Coelho (contabilista), Waldomiro (gerente da loja Brito Construção), Diorélio Brito (funcionário público municipal), Raimundo Antônio Jarbas dos Santos Cota – Jarbão (funcionário aposentado da Polícia Civil). A estes nobres e diletos amigos, nossa página tem a honra de noticiar que os mesmos estão de idade nova. É oportuno pedir a Deus que os iluminem com votos de saúde, realizações, paz, alegria e felicidade. São os sinceros votos do Jornal O Impacto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *