MPF vai à Justiça para acelerar o tombamento de Fordlândia

Fordlândia, a cidade construída por Henry Ford na Amazônia
Fordlândia, a cidade construída por Henry Ford na Amazônia

O Ministério Público Federal iniciou processo judicial para tentar acelerar medidas de proteção para Fordlândia, a cidade construída por Henry Ford na Amazônia na década de 20 do século passado. A ação têm como réus o Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional (Iphan) e o município de Aveiro, no oeste do Pará, onde está localizado o distrito. Nos últimos anos, diante da demora do Iphan em concluir o tombamento do local e da falta de cuidados da prefeitura, os prédios de Fordlândia vêm se deteriorando rapidamente.
O MPF já tentou várias vezes, através de recomendações e ofícios, persuadir a prefeitura de Aveiro da necessidade de proteger o patrimônio de Fordlândia. Da mesma forma, fez tentativas extrajudiciais de acelerar o processo de tombamento junto ao Iphan, sem sucesso. O procedimento para tombar o distrito foi iniciado em 1990, mas não avançou. Nesse meio tempo, segundo relatório do próprio Iphan, vários imóveis importantes sofreram danos.
O Antigo Hospital teve as telhas removidas e o interior exposto ao tempo sofreu severa depreciação, a Vila Americana, onde moravam os empregados de Henry Ford, foi ocupada por moradores locais que efetuaram reformas sem acompanhamento técnico e o Armazém do Porto teve vários equipamentos retirados pela própria prefeitura. A prefeitura de Aveiro também é acusada de ter construído uma praça sem respeitar regras mínimas de preservação do patrimônio.
“Resta claro que o Iphan está a se escusar dos deveres que lhe são impostos pela lei, no sentido de promover a preservação da memória histórica do local. A conduta adotada pelo instituto é de tão somente indicar medidas de orientação à prefeitura de Aveiro, que até agora não surtiram efeito, de modo que o patrimônio histórico permanece sujeito a deterioração”, diz a ação do MPF.
O MPF quer que a Justiça obrigue o Iphan a dar prioridade para o processo de tombamento de Fordlândia e o município de Aveiro a tomar medidas imediatas de proteção do conjunto arquitetônico.
Cidade empresa
Fordlândia foi a primeira cidade empresa edificada na Amazônia, criada para garantir a lógica produtiva dos grandes projetos. O fundador da cidade é o mesmo da Ford Motors e criador da linha de montagem industrial. Construída nos anos 20, Fordlândia deveria suprir a demanda de borracha do mercado americano numa época em que os ingleses haviam dominado os centros produtores da Ásia.
Depois de comprar a área de um milhão de hectares, em dezembro de 1928 os navios Laje Ormoc e Lake Farge depositaram no local todos os componentes necessários para estrutura a nova cidade Em pouco tempo, transformou-se na terceira cidade mais importante da Amazônia com hospital, escolas, água encanada, moradia, cinema, luz elétrica, porto, oficinas mecânicas, depósitos, restaurantes, campo de futebol, igreja, hidrantes nas ruas.
Os seringais de Ford sofreram muitos problemas com pragas e acabaram desativados. Fordlândia então foi comprada pelo governo brasileiro, em 1945, pelo valor de cinco milhões de cruzeiros.
Fonte: MPF

2 comentários em “MPF vai à Justiça para acelerar o tombamento de Fordlândia

  • 27 de setembro de 2016 em 14:04
    Permalink

    ÍNDIOS E QUILOMBOLAS USADOS PARA DOAR A AMAZONIA PARA O EXTRANGEIRO.
    NA PRATICA DEMARCAM UM TERRITORIO IMENSO APENAS PARA BLOQUEAR ÁREAS PRODUTIVAS E ASSIM OS PAISES GANHAM TEMPO PARA MANTER SEU PATRIMONIO AMBIENTAL E GENETICO.

    OS PILANTRAS:
    PT
    REDE
    PSOL
    PSTU
    PC DO B
    GREENPEACE
    WWF
    TERRA DE DIREITOS
    IPAM
    IMAZOM
    FUNDAÇÃO FORD
    STTR
    ÓRGÃOS PÚBLICOS DO BRASIL

    ESSA FOI DE MAIS ÉRISSOM FORD MANDANDO NO MPF E NO BRASIL…

    FALA SÉRIO….

    Resposta
  • 3 de dezembro de 2015 em 21:24
    Permalink

    Se no h competnia sequer para colocar placas com os nomes das ruas, como ocorre em Santarm, os polticos iro se importar com Fordlndia ? Fala srio….

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *