Animais silvestres são maltratados nas ruas de Santarém

Macaco da espécie guariba
Macaco da espécie guariba

Encontrar um animal silvestre perdido nos centros urbanos é uma realidade cada vez mais recorrente. Na Região Metropolitana de Santarém (RMS), localizada no coração da Floresta Amazônica, o número de animais silvestres desalojados de seu habitat natural, e que conseqüentemente têm sido vistos em meio às ruas e rodovias, e até nas casas, é mais alto do que se imagina.
O problema, segundo os especialistas, é devido ao crescimento desordenado das cidades, às áreas de preservação ambiental insuficientes e à falta de corredores ecológicos, por onde os animais possam se locomover.
Entre os problemas, na manhã de sexta-feira, 19, um macaco da espécie guariba, passou quase uma hora preso em fios de média tensão, em um trecho localizado às margens da rodovia federal BR-163, no bairro Matinha. Devido a descarga elétrica, o animal não resistiu e morreu durante atendimento no Jardim Zoológico de Santarém (ZooFit).
Segundo o veterinário do ZooFit, Jairo Moura, o animal, do sexo feminino, pesou 3,5kg, recebeu medicações, ficou em observação e, como chegou ao zoológico em estado grave, não resistiu e morreu. “Ela teve um choque muito grande, muitas queimaduras pelo corpo, nas patas. Oferecemos comida, ela não quis e esperamos uma reação do nosso tratamento. Esse é ainda um diagnóstico reservado. Provavelmente ela tenha apenas trinta e cinco por cento de chance de vida”, afirmou.
De acordo com Moura, o alto índice de desmatamento e as queimadas continuam sendo a grande ameaça aos animais silvestres na região. No caso do macaco, o veterinário disse que tudo isso se deve a ação humana. “A maioria das florestas passam por queimadas ou invasões e esses animais vão perdendo seus ambientes. Não que o animal está invadindo nossas casas ou que a gente esteja invadindo a casa deles. Com o aumento da globalização se tem um número maior de animais em residências, acontecendo fatos semelhantes a este, com choque em fiações elétricas”, comentou.
Devido ao inicio do período chuvoso e a proliferação de invasões na área urbana de Santarém, o veterinário informou que cresceu o número de animais silvestres capturados na zona urbana da cidade. Entre as espécies estão: jacarés, jabutis, sucuris, jibóias, jaguatiricas e peixes-bois.
No caso das cobras e jacarés, as espécies são encontradas principalmente as proximidades dos igarapés. Os bairros Mapiri, Floresta e Grande Área da Nova República são considerados os de maiores ocorrências. A captura e resgate desses animais está sendo feita pela equipe do Zoológico de Santarém, além do Corpo de Bombeiros e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).
Fonte: RG 15/O Impacto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *