Delúbio diz que empréstimo de R$ 12 mi do Schahin a Bumlai ‘remonta à campanha eleitoral em Campinas’

Delúbio Soares
Delúbio Soares

Em depoimento à Polícia Federal na sexta-feira, 1, o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares afirmou que o que sabe sobre o empréstimo de R$ 12 milhões do Banco Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai, em outubro de 2004, ‘remonta à campanha eleitoral municipal de Campinas (SP)’, naquele ano. Delúbio foi conduzido coercitivamente – quando o investigado é levado a depor obrigatoriamente – na Operação Carbono 14, desdobramento 27 da Lava Jato.

Dois executivos ligados ao Grupo Schahin – Salim Schahin e Sandro Tordin – haviam relatado, em delação premiada, em 2015, a influência do ex-ministro da Casal Civil José Dirceu (Governo Lula) e de Delúbio em empréstimo a Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o ex-presidente do Banco Schahin Sandro Tordin, o ex-ministro Dirceu e Delúbio “influíram na agilização da liberação” de empréstimos a Bumlai.

Documento

Em 14 de dezembro de 2015, em seis horas e meia de depoimento, Bumlai admitiu à Polícia Federal em Curitiba, base da Lava Jato, que os R$ 12 milhões que tomou de empréstimo junto ao Banco Schahin foram destinados ao PT. O pecuarista sustentou que aceitou tomar o empréstimo para atender a pedido de Tordin e do então tesoureiro do PT, Delúbio Soares – mais tarde condenado no processo do Mensalão. Segundo Bumlai, na época o PT ‘possuía muita força no cenário nacional e ele não queria se indispor com seus representantes’.

O ex-tesoureiro Delúbio foi questionado sobre a uma reunião que teria ocorrido na sede do Banco Schahin para ‘propiciar o empréstimo’, com os executivos Sandro Tordin, Salim Schahin, Carlos Eduardo Schahin, Milton Schahin e com Bumlai. “Nunca tratou sobre tal empréstimo com ninguém; que não se recorda se já esteve em reunião com as aludidas pessoas, todas juntas; que perguntado por que motivo Salim Schahin, Sandro Tordin e José Carlos Bumlai afirmaram que tal reunião ocorreu, reitera que não se recorda de tal reunião e que mesmo que tal reunião tenha ocorrido, deseja consignar que sua presença nunca teve o objetivo de constituir um “aval” para tal empréstimo, que desconhecia”, relatou.

A Operação Carbono 14 trilhou do caminho dos R$ 12 milhões e descobriu que R$ 6 milhões foram repassados ao empresário ao Ronan Maria Pinto, de Santo André (SP). Dono do Diário do Grande ABC e da Expresso Nova, ele preso na sexta-feira, 1. Os investigadores da Lava Jato querem sabe por que Ronan Maria Pinto foi destinatário final dos R$ 6 milhões.

Delúbio disse que não conhece Ronan Maria Pinto. “Perguntado se sabe informar sobre a razão da destinação de cerca de R$ 6 milhões dos valores emprestados por José Carlos Bumlai junto ao Banco Schahin em favor de Ronan Maria Pinto, respondeu que desconhece; que só soube de tais valores por conta de notícias recentemente veiculadas na imprensa.”

O ex-tesoureiro disse à Carbono 14 que nunca abordou com Salim Schahin ‘sobre algum assunto relacionado a serviço prestado pelo Banco ao Partido’. O ex-tesoureiro do PT relatou que conheceu Sandro Tordin no passado, como diretor do Banco, e encontrou-se com ele poucas vezes, ‘pelos mesmos motivos já expostos em relação a Salim Schahin’.

“Perguntado se tem conhecimento das circunstâncias em que ocorreu o empréstimo de R$ 12 milhões pelo Banco Schahin para José Carlos Bumlai, respondeu que o que sabe sobre o assunto remonta à campanha eleitoral municipal de Campinas/SP, em 2004; que nessa eleição, o PT não foi para o segundo turno, tendo ido um outro candidato do PDT, Dr. Helio”, explicou.

O ex-tesoureiro do PT detalhou um encontro com marqueteiros do candidato do PDT. “Os publicitários do Dr. Helio – Armando (Peralta) e Giovani (Favieri) – procuraram o declarante pedindo apoio do PT; que nessa reunião, apenas estavam o declarante e os publicitários; que o declarante lhes disse que conseguiria o apoio de cerca de 70% do PT à candidatura do Dr. Helio, mas os publicitários disseram que gostariam de um apoio financeiro, cerca de R$ 5 milhões, ocasião em que o declarante disse que o Partido não dispunha de recursos.”

De acordo com Delúbio Soares, os publicitários perguntaram se eles poderiam “arranjar” tais recursos por conta própria. O ex-tesoureiro informou que ‘não opôs qualquer óbice’.

“O declarante (Delúbio) não via problema em que os publicitários arranjassem por conta própria recursos; que tal reunião ocorreu na sede do PT nacional, em São Paulo/SP, na Silveira Martins, 131; que alguns dias depois, Sandro Tordin lhe procurou junto com os aludidos publicitários, também na sede do PT nacional, perguntando ao declarante se a eleição de Campinas era importante para o PT”, disse Delúbio. “Respondeu que sim, já que a disputa era entre PDT e PSDB.”

Delúbio contou à PF que na reunião ‘não foi falado sobre empréstimo ou valores’. Ele disse que desconhecia que Sandro Tordin ou o Banco Schahin iriam realizar qualquer empréstimo por conta dessa conversa.

“Houve ainda um terceiro encontro, com Dr. Helio e um dos publicitários, ocasião em que Dr. Helio lhe disse que era importante o apoio político do PT, mas que novamente não foi falado sobre qualquer empréstimo do Banco Schahin; Que foi diversas vezes ao Banco Schahin para tratar de outros assuntos, mas nunca para conversar sobre tal empréstimo”, afirmou.

O ex-tesoureiro afirmou que apenas soube do empréstimo de R$ 12 milhões ‘por conta das notícias recentemente veiculadas na imprensa’. “Terminada a eleição, nem os publicitários, nem o Dr. Helio e nem ninguém do Banco Schahin procuraram o declarante para tratar de qualquer auxílio financeiro”, relatou.

“Dada a palavra à defesa, deseja consignar que como Tesoureiro do PT sempre buscou apoio financeiro às candidaturas do PT, e não de aliados; que para aliados, apenas era costurado um apoio político.”

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *