Mais de 100 mil estudantes largaram os estudos no Pará

Somente no ano passado 105.781 alunos deixaram os estudos no Pará. Segundo o Ministério da Educação (MEC), o Pará ocupa o sétimo lugar no ranking de evasão escolar do Brasil. Todos os anos milhares de jovens entre 15 e 17 anos deixam de frequentar a escola em todo o estado.

O Pará tem quase metade dos casos de São Paulo, lidera o ranking, segundo o MEC. Mas o índice é preocupante quando comparado o número de habitantes dos estados. No estado paulista, são mais de 44 milhões de habitantes e no Pará não chegamos a nove milhões. A relação faz com que, em questões proporcionais, o Pará tenha mais casos que São Paulo.

A gravidez na adolescência, a falta de estrutura dos prédios, a falta de professores, as greves e insegurança são alguns dos motivos da evasão. Mas no Pará, a causa mais comum é a mudança de endereço. “Eles acabam se evadindo por não terem condições de pagar de dois a três ônibus”, comenta a diretora de escola, Juliana Santana.

A Secretaria de Educação Pública garante que pretende resolver o problema uma rede de parcerias. “A gente está analisando todos os eixos da gestão, da infraestrutura, da logística, do pedagógico, para que a gente tenha condições de garantir que o ensino médio seja atrativo para o jovem”, afirma o secretario adjunto da Seduc, o Roberto Silva.

Para a psicopedagoga Noemi frazão, mesmo com projetos em andamento o número é preocupante. “O jovem se sente excluído do contexto acadêmico e profissional. E ele vai buscar outros grupos a parte da sociedade em que ele possa se identificar e ser aceito. Aí o risco de enveredar para o crime”, alerta. Juliana Santana.

 

Fonte: G1 Pará

Um comentário em “Mais de 100 mil estudantes largaram os estudos no Pará

  • 25 de maio de 2016 em 18:53
    Permalink

    Os pais não exigem, nada acompanham e os liberam de qualquer compromisso. Pais sem cultura, nada leem e se ligam mesmo é em futebol.Podem alegar não haver grana pro ônibus da escola, mas pra droga e a cerveja ela aparece!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *