Justiça bloqueia R$ 2,4 milhões de madeireira por danos ambientais no oeste do Pará

Madesa é condenada pela Justiça Federal
Madesa é condenada pela Justiça Federal

A Justiça Federal em Santarém decretou a indisponibilidade dos bens da madeireira Madesa, Luiz Fernando Ungenheuer e Vanderleia da Silva Reis, no valor de R$ 2,4 milhões no total. O total bloqueado corresponde aos danos ambientais encontrados pela fiscalização ambiental na empresa em 2014. A decisão de bloquear os bens atende a pedido do Ministério Público Federal (MPF), com base em 12 autos de infração do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), que fiscalizou a empresa em 2014 e encontrou provas de fraudes.
Os acusados inseriram dados falsos, criando movimentação fictícia de madeira, para acobertar a comercialização de madeira de origem ilegal. As derrubadas ilegais ocorriam em florestas nativas dentro do assentamento Corta Corda e outras áreas públicas. O total de madeira ilegal movimentada passa de 20 mil metros cúbicos, ou cerca de 500 caminhões carregados de toras.
A madeira comercializada ilegalmente era das espécies mais lucrativas, como maçaranduba e ipê. O bloqueio dos bens é necessário porque seria o valor necessário para financiar um Plano de Recuperação de Áreas Degradadadas (Prad), que os acusados devem apresentar para aprovação no órgão ambiental dentro de 90 dias.

Fonte: RG 15/O Impacto e MPF

Um comentário em “Justiça bloqueia R$ 2,4 milhões de madeireira por danos ambientais no oeste do Pará

  • 17 de junho de 2016 em 14:17
    Permalink

    AGORA A MADESA FALA QUE A ELITA DO INCRA CONSENTIA MEDIANTE PAGAMENTOS SUA PRESENÇA LÁ DENTRO DO CORTA CORDA OU SEJA ELA E O DEIVISOM OUVIDOR AGRÁRIO NA ÉPOCA FAZIAM A MESMA COISA NO CORTA CORDA E NO PA AREIA EXPULSAR OS COLONOS PARA BENEFICIAR OS MADEIREIROS….
    pergunta que não cala … a madesa vai sair quando mesmo lá de dentro do assentamento….kkkk

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *