Jurandir: “Poder público abandona bairros”

Jurandir Azevedo, presidente da Ambal, denuncia situação precária do bairro do Laguinho
Jurandir Azevedo, presidente da Ambal, denuncia situação precária do bairro do Laguinho

O presidente da Associação de Moradores do Bairro do Laguinho (AMBAL), Jurandir Azevedo revelou que colocou em pauta de debate, na VI Conferência Municipal das Cidades, diversos problemas de ordem administrativa que estão ocorrendo no Município, como falta de investimentos em infraestrutura, saneamento básico, saúde pública e segurança.

O evento foi realizado nos dias 30 de junho e 1º de julho, nas dependências do Ceuls/Ulbra, em Santarém, com o tema intitulado “Função Social da Cidade e da Propriedade”. O lema foi “Cidades inclusivas, participativas e socialmente justas”.
“A AMBAL foi convidada para comparecer nessa conferencia. Antes reunimos com os moradores e levamos nossas propostas para mostrar os principais problemas que são: melhorias no sistema viário; problemas de esgoto que estão todos danificados nos cruzamentos de travessas e ruas do Laguinho e de outros bairros. A galeria da Travessa Luís Barbosa, que é bastante antiga e está cheia de entulhos. Precisamos ter a revitalização ou construção de uma nova galeria para receber as águas pluviais, que no período chuvoso descem em grandes quantidades e vêm de vários bairros da cidade”, informou Jurandir.

Ele argumentou que espera que as propostas e projetos que foram colocados em pauta durante a Conferência não fiquem somente no papel. “Não sabemos como vai ser o inverno do ano que vem e, estamos prevenindo, mas espero que aquilo que foi colocado na Conferência não fique somente no papel e, que seja feita alguma coisa pela nossa cidade e pelos bairros de Santarém que precisam de melhorias”, comentou Jurandir.

Segundo o líder comunitário, os bairros periféricos também estão totalmente abandonados e precisando de atenção especial por parte do poder público. Na saúde pública, de acordo com ele, as unidades estão abandonadas e prejudicando milhares de pessoas. “O Laguinho, que é um bairro central, onde está perto de feiras, do porto, de bancos e, de várias instituições de ensino, precisa de uma segurança melhor, assim como outros pontos da cidade considerados críticos, onde são registradas muitas ocorrências”, ressaltou.

SAÚDE: Jurandir Azevedo critica a maneira como o bairro está sendo visto pelo poder público. “Para se ter uma idéia do descaso, faltam remédios e material humano, para atender quem procura a unidade de saúde do Laguinho”, citou o líder comunitário.

SEGURANÇA: Outro problema diz respeito à segurança do bairro, o que segundo o líder comunitário, não está sendo sanado. “Até agora a melhora foi pouca, principalmente em uma área crítica do bairro, que é o Bosque da Vera Paz. Com apoio da imprensa, a Polícia esteve visitando o local. Isso inibiu um pouco a ação dos marginais”, explanou Jurandir. “Em relação ao tráfico de drogas, o problema ainda persiste, principalmente na área do Bosque, mesmo assim depois das rondas da Polícia Militar diminuiu a incidência de traficantes e drogados”, falou.

LIMPEZA PÚBLICA: Jurandir Azevedo alertou para o fato de que a limpeza pública está deixando a desejar nas ruas do bairro. “O bairro do Laguinho encontra-se sujo, sem limpeza pública eficiente, tem muito lixo, fato que preocupa. Precisamos além da limpeza no bairro, de maior segurança policial”, alertou.

REVOLTA: Revoltados com o descaso do governo municipal, moradores da Grande Área da Nova República interditaram no início desta semana, a Travessa 29. No local lama, mato e buracos tomam conta da via. Por conta do acesso ter sido interrompido pelos moradores, a linha de ônibus foi modificada.

Devido ao problema, usuários do transporte coletivo urbano reclamam que têm que andar bastante, até chegar na via onde os ônibus estão passando, para poder se dirigir ao centro da cidade. No período noturno, segundo os usuários, aumentam os riscos de assaltos no local, por conta das pessoas terem que caminhar vários metros até suas residências.

Segundo um morador, no bairro mora um Vereador da base do governo, porém, ele não se importa muito com a situação das ruas. O bairro Nova República, às proximidades da BR-163, em Santarém, já foi considerado modelo para a região oeste do Pará. Hoje, parte das vias não têm infraestrutura, principalmente esgoto, que fica a céu aberto, causando riscos para saúde dos moradores, além de acidentes.
Por: Manoel Cardoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *